A reforma pombalina e suas implicações para a educação brasileira em meados do século XVIII

Alexandre Shigunov Neto, Dulce Maria Strieder, André Coelho da Silva

Resumen


O conhecimento histórico da educação formal brasileira é basilar para a compreensão do contexto educacional de mudança vivido na atualidade e o estabelecimento de encaminhamentos analíticos diferenciados. Neste sentido, e a partir da premissa de que as ideologias próprias de cada momento histórico direcionam a implantação de propostas educacionais, a presente pesquisa pretendeu analisar a importância de se compreender tanto o importante período da historiografia da educação brasileira como o impacto das reformas educacionais efetuadas no Brasil Colônia por Sebastião José de Carvalho e Melo, o Marquês de Pombal. O período analisado foi denominado como a fase governativa (1750-1777), ocorrida durante o reinado de Dom José I em Portugal e que culminou com as Reformas Pombalinas implementadas em Portugal e no Brasil Colônia. Tais reformas, de caráter antijesuítico, centraram-se em medidas, cujos objetivos eram desmantelar o sistema educacional vigente e atribuir a esse a decadência educacional do império daquele momento histórico a fim de alavancar Portugal a partir de uma nova orientação ‘cultural’ e pela superexploração colonial. A pesquisa, qualitativa e de cunho bibliográfico, denota que a reforma pombalina desestabilizou uma organização educacional já consolidada sem implementar um novo modelo em substituição, o qual significou um retrocesso no desenvolvimento educacional, especialmente no contexto brasileiro ainda em estruturação.


Palabras clave


Brasil colônia; reformas educacionais; Historiografia da educação; Marquês de Pombal.

Texto completo:

PDF (Português (Brasil))

Referencias


Almeida, J. R. P. de. (2000). Instrução pública no Brasil (1500-1889): história e legislação. História do Ensino de Línguas no Brasil – HELB, s/v, s/p.

Andrade, A. A. de (Org.). (1965). Luís António Verney: o verdadeiro método de estudar. Lisboa: Editorial Verbo.

Avellar, H. de A. (1983). História administrativa do Brasil: a administração pombalina. Brasília: FUNCEP/Editora da Universidade de Brasília.

Azevedo, F. de. (1976). A transmissão da cultura: parte 3. São Paulo: Melhoramentos/INL. (5.ed da obra "A cultura brasileira").

Carvalho, L. R. de. (1978). As reformas pombalinas da instrução pública. São Paulo: Saraiva/Editora da Universidade de São Paulo.

Cunha, L. A. (1986). A universidade temporã. Rio de Janeiro: Francisco Alves.

Falcon, F. J. C. (1993). A época pombalina: política econômica e monarquia ilustrada. São Paulo: Ática.

Ghiraldelli Junior, P. (2009). História da educação brasileira. 4.ed. São Paulo, Cortez.

Haidar, M. de L. M. (1973). A instrução popular no Brasil antes da República. In: Brejon, M. (Org.). Estrutura e funcionamento do ensino de 1º e 2º graus (pp. 37-51). São Paulo: Pioneira.

Holanda, S. B. de. (1989). História geral da civilização brasileira: a época colonial. v. 1, 8.ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil.

Holanda, S. B. de. (1993). História geral da civilização brasileira: o Brasil monárquico. v. 1. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil.

Maciel, L. S. B. & Shigunov Neto, A. (2006). A educação brasileira no período pombalino: uma análise histórica das reformas pombalinas do ensino. Educação e Pesquisa v. 32, pp. 465-476. http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1517-97022006000300003&lng=en&nrm=iso. Acesso em 30 de Março de 2018.

Monroe, P. (1978). História da educação. 13.ed. São Paulo, Editora Nacional.

Niskier, A. (2001). Educação Brasileira: 500 anos de História. Rio de Janeiro: FUNARTE.

Rêgo, R. (1984). As comemorações pombalinas. In: Santos, M. H. C. dos (Org.). Pombal revisitado. (pp. 15-18). Lisboa: Editorial Estampa.

RÊGO, Raul (1982). “As comemorações pombalinas”. In: SANTOS, Maria Helena Carvalho dos (org.). Pombal revisitado. Vol. I. Lisboa: Estampa, pp. 15-18.

Ribeiro, M. L. S. (1998). História da educação brasileira: a organização escolar. 15.ed. Campinas: Autores Associados.

Romanelli, O. de O. (1993). História da Educação no Brasil. 15a ed. Petrópolis: Vozes.

Santos, M. H. C. dos. (1982). Poder, intelectuais e contra-poder. In: Santos, M. H. C. dos (Org.). Pombal revisitado (pp. 122-129). Lisboa: Editorial Estampa.

Saviani, D. (2013). História das ideias pedagógicas no Brasil. 4.ed. Campinas: Autores Associados.

Serrão, J. V. (1982). História de Portugal: o despotismo iluminado (1750-1807). v. 6, Lisboa: Editorial Verbo.

Serrão, J. V. (1982). História de Portugal: o despotismo iluminado (1750-1807). v. 6, Lisboa: Editorial Verbo.

Shigunov Neto, A. (2015). História da educação brasileira: do período colonial ao predomínio das políticas educacionais neoliberais. São Paulo, Salta.

Teixeira Soares, Á. (1961). O Marquês de Pombal. Brasília: Editora da Universidade de Brasília.




DOI: http://dx.doi.org/10.15366/tp2019.33.009

Enlaces refback

  • No hay ningún enlace refback.


Copyright (c) 2019 Tendencias Pedagógicas

Licencia de Creative Commons
Este obra está bajo una licencia de Creative Commons Reconocimiento-NoComercial 4.0 Internacional.

Tendencias Pedagógicas

ISSN-L: 1133-2654 | ISSN-e: 1989-8614

DOI prefix: 10.15366/tp

URL: https://revistas.uam.es/tendenciaspedagogicas 

Licencia de Creative Commons
This work is licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial 4.0 International License

¡Síguenos en redes sociales!