Vol. 33 (2019): Interculturalidad, comunidad y escuela
Miscelánea

A reforma pombalina e suas implicações para a educação brasileira em meados do século XVIII

Alexandre Shigunov Neto
IFSP Itapetininga
Biografía
Dulce Maria Strieder
Universidade Estadual do Oeste do Paraná
André Coelho da Silva
Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de São Paulo
Biografía
Portada de Tendencias Pedagógicas, volumen 33
Publicado enero 2, 2019

Palabras clave:

Brasil colônia, reformas educacionais, Historiografia da educação, Marquês de Pombal.

Resumen

O conhecimento histórico da educação formal brasileira é basilar para a compreensão do contexto educacional de mudança vivido na atualidade e o estabelecimento de encaminhamentos analíticos diferenciados. Neste sentido, e a partir da premissa de que as ideologias próprias de cada momento histórico direcionam a implantação de propostas educacionais, a presente pesquisa pretendeu analisar a importância de se compreender tanto o importante período da historiografia da educação brasileira como o impacto das reformas educacionais efetuadas no Brasil Colônia por Sebastião José de Carvalho e Melo, o Marquês de Pombal. O período analisado foi denominado como a fase governativa (1750-1777), ocorrida durante o reinado de Dom José I em Portugal e que culminou com as Reformas Pombalinas implementadas em Portugal e no Brasil Colônia. Tais reformas, de caráter antijesuítico, centraram-se em medidas, cujos objetivos eram desmantelar o sistema educacional vigente e atribuir a esse a decadência educacional do império daquele momento histórico a fim de alavancar Portugal a partir de uma nova orientação ‘cultural’ e pela superexploração colonial. A pesquisa, qualitativa e de cunho bibliográfico, denota que a reforma pombalina desestabilizou uma organização educacional já consolidada sem implementar um novo modelo em substituição, o qual significou um retrocesso no desenvolvimento educacional, especialmente no contexto brasileiro ainda em estruturação.

Citas

Almeida, J. R. P. de. (2000). Instrução pública no Brasil (1500-1889): história e legislação. História do Ensino de Línguas no Brasil – HELB, s/v, s/p.

Andrade, A. A. de (Org.). (1965). Luís António Verney: o verdadeiro método de estudar. Lisboa: Editorial Verbo.

Avellar, H. de A. (1983). História administrativa do Brasil: a administração pombalina. Brasília: FUNCEP/Editora da Universidade de Brasília.

Azevedo, F. de. (1976). A transmissão da cultura: parte 3. São Paulo: Melhoramentos/INL. (5.ed da obra "A cultura brasileira").

Carvalho, L. R. de. (1978). As reformas pombalinas da instrução pública. São Paulo: Saraiva/Editora da Universidade de São Paulo.

Cunha, L. A. (1986). A universidade temporã. Rio de Janeiro: Francisco Alves.

Falcon, F. J. C. (1993). A época pombalina: política econômica e monarquia ilustrada. São Paulo: Ática.

Ghiraldelli Junior, P. (2009). História da educação brasileira. 4.ed. São Paulo, Cortez.

Haidar, M. de L. M. (1973). A instrução popular no Brasil antes da República. In: Brejon, M. (Org.). Estrutura e funcionamento do ensino de 1º e 2º graus (pp. 37-51). São Paulo: Pioneira.

Holanda, S. B. de. (1989). História geral da civilização brasileira: a época colonial. v. 1, 8.ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil.

Holanda, S. B. de. (1993). História geral da civilização brasileira: o Brasil monárquico. v. 1. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil.

Maciel, L. S. B. & Shigunov Neto, A. (2006). A educação brasileira no período pombalino: uma análise histórica das reformas pombalinas do ensino. Educação e Pesquisa v. 32, pp. 465-476. http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1517-97022006000300003&lng=en&nrm=iso. Acesso em 30 de Março de 2018.

Monroe, P. (1978). História da educação. 13.ed. São Paulo, Editora Nacional.

Niskier, A. (2001). Educação Brasileira: 500 anos de História. Rio de Janeiro: FUNARTE.

Rêgo, R. (1984). As comemorações pombalinas. In: Santos, M. H. C. dos (Org.). Pombal revisitado. (pp. 15-18). Lisboa: Editorial Estampa.

RÊGO, Raul (1982). “As comemorações pombalinas”. In: SANTOS, Maria Helena Carvalho dos (org.). Pombal revisitado. Vol. I. Lisboa: Estampa, pp. 15-18.

Ribeiro, M. L. S. (1998). História da educação brasileira: a organização escolar. 15.ed. Campinas: Autores Associados.

Romanelli, O. de O. (1993). História da Educação no Brasil. 15a ed. Petrópolis: Vozes.

Santos, M. H. C. dos. (1982). Poder, intelectuais e contra-poder. In: Santos, M. H. C. dos (Org.). Pombal revisitado (pp. 122-129). Lisboa: Editorial Estampa.

Saviani, D. (2013). História das ideias pedagógicas no Brasil. 4.ed. Campinas: Autores Associados.

Serrão, J. V. (1982). História de Portugal: o despotismo iluminado (1750-1807). v. 6, Lisboa: Editorial Verbo.

Serrão, J. V. (1982). História de Portugal: o despotismo iluminado (1750-1807). v. 6, Lisboa: Editorial Verbo.

Shigunov Neto, A. (2015). História da educação brasileira: do período colonial ao predomínio das políticas educacionais neoliberais. São Paulo, Salta.

Teixeira Soares, Á. (1961). O Marquês de Pombal. Brasília: Editora da Universidade de Brasília.