Vol. 9 Núm. 4 (2011): Educación para la Justicia Social
Artículos

Educação e Epistemologías. O Contributo do Orçamento Participativo na (des) Construção do Conhecimento-Emancipação

Publicado mayo 29, 2016

Palabras clave:

Orçamento Participativo, Educação na Cidadania, Epistemologias do Sul, Literacia Multicultural, Conhecimento-emancipação

Resumen

Assumimos o Orçamento Participativo (OP) como uma estratégia da cidade que educa na cidadania em prol de práticas que consubstanciam uma acção democrática participativa. Consequentemente, mostrámos como o OP tem alicerçado práticas sociais que permeando a participação do cidadão e da cidadã na governança local, demonstraram não só a sua plasticidade nos processos de inclusão de visões e valores diferentes para a (des)construção social e cultural da cidade, como também tem-se desvelado como um mecanismo que, não só para o poder autárquico, como para o cidadão comum, tem permitido obter outras leituras do mundo. Outros entendimentos e hermenêuticas que despoletam outros conhecimentos, outras vias alternativas de inclusão, que se apresentam, pelo sucesso e difusão das práticas, como conhecimento-emancipação. O OP apresenta-se como um mecanismo, que para a governança da cidade age em prol da justiça social.

A proximidade que se estabelece entre o Executivo da cidade e o cidadão e a cidadã, que nela habitam, geram processos dialógicos fortíssimos cujo desencadeamento de negociações apela à competência cultural da cidade, ao saber ser intercultural dos cidadãos.

Num momento da história das sociedades em que a dicotomia entre o global e local agudiza-se, pelo crescente esbatimento das fronteiras geográficas, sociais e culturais, o OP apresenta-se como um movimento social gerador de um arcaboiço epistémico, ecologicamente (des)construído, que permitindo a humanização do oprimido, mostra-se essencial à investigação. Pela relação dialógica que institui, bem como pelos processos de negociação com os quais confronta-se, o OP apresenta-se-nos como um movimento que pedagogiza na cidade uma educação na cidadania.

Citas

Alred, G., Byram, M., e Fleming, M. (2003). Introduction. En G. Alred, M. Byram, y M. Fleming, Intercultural experience and education (pp. 1-13). Clevedon: Multilingual Matters.

Associação Internacional das Cidades Educadoras. (2004). Cartas das ciudades educadoras. Barcelona: AICE.

Beck, U. (2002). The cosmopolitan society and its enemies. Theory, Culture & Society, 19 (1-2), 17-44.

Bertalanffy, L. (1975). Teoria geral dos sistemas. São Paulo: Editora Vozes.

Cidades e Governos Locais Unidos. (2008). Agenda 21 da cultura. Comissão de Cultura. Barcelona: Ajuntament de Barcelona - Institut de Cultura.

Faria, C. V. (2009). As cidades na cidade. Movimentos sociais urbanos em Setúbal 1966-1995. Lisboa: Esfera do Caos.

Freire, P. (1967). Educação como prática de liberdade (5.ª ed.). Lisboa: Dinalivro.

Freire, P. (2005). Pedagogia do Oprimido (45.ª ed.). São Paulo: Paz e Terra.

Freire, P. (2009). Pedagogia da Autonomia (29.ª ed.). São Paulo: Paz e Terra.

Guilherme, M. (2000). Intercultural competence. En M. Byram (Ed.) Encyclopedia of Language Teaching and Learning, 297-299.

Gadotti, M. (n.d.). A Escola na Cidade que Educa. Recuperado de Secretaria Municipal da Educação, Cultura, Esporte e Lazer http://www.smec.salvador.ba.gov.br/documentos/carta_moacir.doc.

Giroux, H. (Dezembro, 2005). Entrevista de M. Guilherme. Qual o papel da Pedagogia Crítica nos estudos de língua e cultura? Revista Crítica de Ciências Sociais, 73, 131-143.

Grosfoguel, R. (2008). Transmodernidade, pensamento de fronteira e colonialidade global. Revista Crítica de Ciências Sociais (80), 115-147.

Kim, Y. Y. (2001). Becoming intercultural: an integrative theory of communication and cross-cultural adaptation. Thousand Oaks: SAGE.

Kim, Y. Y. (2008). Intercultural personhood: Globalization and a way of being. International Journal of Intercultural Relations (32), 359-368.

Mignolo, W. D. (2000). Local histories/Global designs: Coloniality, subaltern knowledges, and border thinking. Princeton: Princeton University Press.

Modood, T. (2007). Multiculturalism: A civic idea. Cambridge: Policy Press.

Morin, E. (2002). Os sete saberes para a educação do futuro. Lisboa: Instituto Piaget.

ONU (n.d.). Declaração Universal dos Direitos do Homem. Recuperado de http://www.amnistia-internacional.pt/dmdocuments/DUDH.doc.

Orçamento Participativo Portugal. (2011). Observatório Nacional Palmela. Recuperado de http://www.opportugal.org/territorios.php?subcat= undefined&subsubcat=palmela.

Palacios, J. J. (2004). Corporate citizenship and social responsibility in a globalized world. Citizenship Studies, 8 (4), 383-402.

Santos, B. d. (1999). Porque é tão difícil construir uma teoria crítica? Revista Crítica de Ciências Sociais (54), 197-215.

Santos, B. d. (2000). A crítica da razão indolente: contra o desperdício da experiência. Santa Maria da Feira: Edições Afrontamento.

Santos, B. d. (2003). Orçamento Participativo em Porto Alegre: para uma democracia redistributiva. En B. d. Santos, Democractizar a Democracia: os caminhos da democracia participativa (pp. 375-465). Santa Maria da Feira: Edições Afrontamento.

Santos, B. d., e Nunes, J. A. (2004). Introdução: para ampliar o canône do reconhecimento da diferença e da igualdade. In B. d. Santos, Reconhecer para libertar: os caminhos do cosmopolitismo multicultural (pp. 19-51). Porto: Edições Afrontamento.

Santos, B. d. (2010a). Para além do pensamento abissal: das linhas globais a uma ecologia dos saberes. In B. d. Santos, y M. P. Meneses, Epistemologias do Sul (pp. 23-71). Coimbra: Almedina.

Santos, B. d. (2010b). A gramática do tempo: para uma nova cultura política. (2ª ed.). Santa Maria da Feira: Edições Afrontamento.

Soysal, Y. (1994). Limits of citizenship: migrants and postnational membership in Europe. Chicago: The University of Chicago Press.

Soysal, Y. (n.d.). Rights, identity and claims-making. Recuperado de Brandeis University. International Center for Ethics, Justice, and Public Life. http://www.brandeis.edu/ethics/pdfs/internationaljustice/otheractivities/JAC_Soysal.pdf.

Torres, C. A. (2001). Democracia, educaçção e multiculturalismo: dilemas da cidadania em um mundo globalizado. Petrópolis: Editora Vozes.

UNESCO. (2010). World report: Investing in cultural diversity and intercultural dialogue [Executive summary]. Paris: UNESCO Publishing.

Vicente, A. (2008). Discurso da Sessão de Abertura do 2º Encontro Nacional sobre Orçamento Participativo e Democracia Local. Recuperado de http://www.op-portugal.org/downloads/Actas2_Palmela.pdf.

Vieira, R. (2004). Identidades reconstruídas: O caso dos professores com mobilidade social ascendente. Actas dos ateliers do V Congresso Português de Sociologia. Sociedades Contemporâneas: Reflexividade e Acção Atelier: Identidades e Estilos de Vida (pp. 59-68). Braga: Associação Portuguesa de Sociologia.