Vol. 12 Núm. 5 (2014): La Teoría y la Investigación sobre la Práctica del Liderazgo Educativo
Artículos

As Lideranças e os Processos Participativos: Uma Reflexão em Torno da Cidadania

Publicado enero 1, 2016

Palabras clave:

Liderança, Processos participativos, Cidadania democrática.

Resumen

O presente artigo reflete sobre o potencial das lideranças na gestão estratégica do espaço público, em particular a partir das dinâmicas concertados do poder local com a comunidade. Propomos uma reflexão teórica sobre os estilos de liderança fundamentados no pensamento de Daniel Goleman, convergindo para a necessidade de compreender tais pressupostos na praxis de uma líder autárquica. O estudo de caso pretendeu compreender os canais de comunicação entre líder e liderados e daí contextualizar a importância deste referencial teórico na condução de processos participativos no espaço local; a sua relação com a cidadania democrática, bem como o lugar da educação na encruzilhada de uma democracia possível. Concluímos que as questões de partilha de poder e/ou delegação de competências interferem com a real abertura dos atores sociais no decorrer dos processos participativos, sendo necessário repensar a liderança de proximidade como fator crucial ao sucesso destas práticas.

 

Citas

Cabannes, Y. (2004). 72 Perguntas frequentes sobre orçamento participativo. Quito: UN-Habitat.

Carapeto, C. e Fonseca, F. (2006). Administração pública. Modernização, qualidade e inovação. Lisboa: Edições Sílabo.

Flick, U. (2009). Introdução à Pesquisa Qualitativa. Porto Alegre: Artmed.

Fortin, M.F. (2009). O processo de investigação. Da concepção à realização. Loures: Lusociência.

Fraga, N.S. (2011). Educação e Epistemologias. O Contributo do Orçamento Participativo na (des) Construção do Conhecimento-Emancipação. REICE. Revista Iberoamericana sobre Calidad, Eficacia y Cambio en Educación, 9(4), 126-140

Fraga, N.S. e Correia, C. (2013). O Projecto “Eu Participo”. Uma Estratégia da Política Local para a Educação na Cidadania. Revista Internacional de Educación para la Justicia Social (RIEJS), 2(1), 93-118.

Freire, P. (1977). Extensão ou comunicação. São Paulo: Paz e Terra.

Freire, P. (1993). Política e Educação. São Paulo: Cortez Editora.

Freire, P. (2001). A Educação na Cidade. São Paulo: Cortez Editora.

Freire, P. (2005). Pedagogia do Oprimido. São Paulo: Paz e Terra.

Freire, P. (2009). Pedagogia da Autonomia. Saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra.

Fullan, M. (2003). Liderar numa cultura de mudança. Porto: Edições ASA.

Goleman, D. (2000). Leadership that gets results. Harvard Business Review, 31, 78-90.

Goleman, D., Boyatzis, R., e McKee, A. (2007). Os novos líderes. A inteligência emocional nas organizações. Lisboa: Gradiva.

Granado, C. (2010). Democracia e participação ao nível local: o poder político e o orçamento participativo. O caso de Belo Horizonte e Palmela. Lisboa: ISCTE-IUL.

Hargreaves, A. e Fink, D. (2007). Liderança sustentável. Porto: Porto Editora.

Innerarity, D. (2010). O novo espaço público. Lisboa: Teorema.

Kouzes, J. e Posner, B. (2009). O desafio da liderança. Casal de Cambra: Caleidoscópio.

Rousseau, N. e Saillant, F. (2009). Abordagens de investigação qualitativa. En M.F. Fortin (Coord.), O processo de investigação. Da concepção à realização (pp. 147-160). Loures: Lusociência.

Santos, B.S. (2009). Os Desafios da Democracia Participativa. VVAA, III Encontro Nacional sobre Orçamento Participativo (pp. 19-25). Lisboa: Orçamento Participativo Portugal.

Sergiovanni, T. (2004). Novos caminhos para a liderança escolar. Porto: Edições ASA.

Silva, J.M. (2010). Líderes e lideranças em escolas portuguesas. Vila Nova de Gaia: Fundação Manuel Leão