Desempeño de las Instituciones Federales de Educación Profesional, Científica y Tecnológica Brasileña en el Enem

Leandro Araujo de Sousa, Maria Irilene Alves dos Santos, Jayane Mara Rosendo Lopes, Grasiany Sousa de Almeida, José Airton de Freitas Pontes Junior

Resumen


El Examen Nacional de la Enseñanza Media es una evaluación a gran escala y actualmente sus resultados son utilizados como criterios de selección de gran parte de las instituciones de enseñanza superior brasileñas. El objetivo de este estudio es analizar el desempeño de las instituciones de la red federal de educación profesional y tecnológica en el Examen Nacional de la Enseñanza Media. Esta es una investigación descriptiva-exploratoria y cuantitativa. Para ello, utilizamos los últimos microdatos ofrecidos por el ministerio de la educación en 2015. Se extrajeron los desempeños en los exámenes de las instituciones de la red federal, escuelas estatales, municipales y privadas. El análisis fue realizado en las cuatro áreas del conocimiento (Lenguajes y Códigos, Ciencias de la Naturaleza, Ciencias Humanas y Matemáticas) y una redacción. Los resultados demostraron que el desempeño promedio de las instituciones de la red sobresale ante las instituciones de esfera administrativa municipal, estatal y privada, incluso considerando sólo a los 30 mejores estudiantes de cada institución, excepto para la redacción en comparación con las privadas. Concluimos que la red federal de educación profesional y tecnológica, en comparación con los de más tipos de instituciones, presentan mejor desempeño en el Examen Nacional de la Enseñanza Media en todas las áreas de conocimiento.

Palabras clave


evaluación educativa; pruebas estandarizadas; educación profesional y tecnológica; educación secundaria

Texto completo:

PDF (Português (Brasil))

Referencias


Bauer, A., Alavarse, O. M. & Oliveira, R. P. de. (2015). Avaliações em larga escala: uma sistemati-zação do debate. Educação e Pesquisa, 41, pp. 1367-1384. doi: http://dx.doi.org/10.1590/S1517-9702201508144607

Boanafina, A., Boanafina, L. & Wermelinger, M. (2017). A educação profissional técnica de nível médio em saúde na Rede Federal de Educação. Trabalho, Educação e Saúde, 15(1), pp. 73-93. doi: http://dx.doi.org/10.1590/1981-7746-sol00034

Brasil. (1909). Crêa nas capitaes dos Estados da Republica Escolas de Aprendizes Artifices, para o ensino profissi-onal primario e gratuito n.7.566/1909. Câmara dos Deputados, Rio de Janeiro, Brasil.

Brasil. (1930). Cria uma Secretária de Estado com a denonimação de Ministério dos Negócios da Educação e Saude Publica n.19.402/1930. Câmara dos Deputados, Rio de Janeiro, Brasil.

Brasil. (1942). Estabelece as bases de organização da rede federal de estabelecimentos de ensino industrial n.4.127/1942. Câmara dos Deputados, Rio de Janeiro, Brasil.

Brasil. (1962). Fixa as Diretrizes e Bases da Educação Nacional n. 4.024/1961. Brasília, Brasil.

Brasil. (1978). Dispõe sobre a transformação das Escolas Técnicas Federais de Minas Gerais, do Paraná em Centros Federais de Educação Tecnológica e dá outras providências n. 6.545/1978. Câmara dos Deputa-dos, Brasília, Brasil.

Brasil. (1994). Dispõe sobre a instituição do Sistema Nacional de Educação Tecnológica e dá outras providências n. 8.948/1994. Câmara dos Deputados, Brasília, Brasil.

Brasil. (1996). Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional n. 9.394/1996.

Brasil. (2009). Centenário da rede federal de educação profissional e tecnológica. Brasília, Brasil.

Brasil. (2009). Histórico: Trajetória centenária da Rede Federal. Conselho Nacional das Instituições da Rede Federal, Brasília, Brasil.

Brasil. (2011). Surgimento das escolas técnicas: Sistema foi reorganizado com a criação dos Institutos Federais de Educação, Ciência e Tecnologia. Brasília, Brasil.

Brasil. (2016). Constituição da República Federativa do Brasil. Senado Federal, Secretaria de Edições Técnicas.

Brasil. (2017). Lei de diretrizes e bases da educação nacional. Senado Federal, Secretaria de Edições Téc-nicas.

Brasil. (2017). Matrizes de referências. Instituto Nacional de Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira, Brasília, Brasil.

Brasil. (1937). Dá Nova, Organização Ao Ministério da Educação e Saúde Publica n. 378/1937. Rio de Janeiro, Brasil.

Brito, D. de S. & Caldas, F. S. (2016). A Evolução da Carreira de Magistério de Ensino Básico, Técnico e Tecnológico (EBTT) nos Institutos Federais. Revista Brasileira da Educação Profissional e Tecnológica, 1(10), pp. 85-96. doi: https://doi.org/10.15628/rbept.2016.4024

Carlos, P. R. de O. (2016). Uma análise do desempenho dos estudantes no exame nacional do ensino médio e as contribuições para o ensino-aprendizagem de física. (Dissertação de mestrado). Universidade Federal de Juiz de Fora, Minas Gerais, Brasil.

Corti, A. P. (2013). As diversas faces do ENEM: Análise do perfil dos participantes (1999-2007). Estudos em Avaliação Educacional, 24(55), pp. 198-221. doi: http://dx.doi.org/10.18222/eae245520132724

Dametto, J. & Esquinsani, R. S. S. (2015). Avaliação educacional em larga escala: performatividade e perversão da experiência educacional. Educação. Revista do Centro de Educação, 40(3). doi: http://dx.doi.org/10.5902/1984644413742

Franceschini, V. L. C., Miranda-Ribeiro, P. & Gomes, M. M. F. (2017). Porta de entrada ou porta de saída? Fracasso escolar no ensino médio segundo estudantes e coordenadores (as) de es-colas em Ribeirão das Neves, MG. Educação em Revista, 33. doi: http://dx.doi.org/10.1590/0102-4698164208

Freitag, R. M. K., Cunha, F. M. & Sá, J. J. de S. (2015). O desempenho na prova do Enem da rede estadual de Sergipe. In L. Ramos da Silva & R. M.

K. Freitag (Orgs.). Linguagem, interação e sociedade: diálogos sobre o Enem, 1(1), pp. 163-171, João Pessoa, Editora do CCTA.

Freitas, L. C. de, Sordi, M. R. L. de, Malavasi, M. M. S. & Freitas, H. C. L. de. (2009). Avaliação educacional: Caminhando pela contramão. Editora Vozes.

Gatti, B. A. (1994). Avaliação Educacional no Brasil: Experiências, problemas, recomenda-ções. Estudos em Avaliação Educacional, (10), pp. 67-80. doi: http://dx.doi.org/10.18222/eae01019942320

Gobbi, G. A. F. & Moreira, N. (2015). Educação Profissional no Brasil: programas educacionais em busca do desenvolvimento econômico e social. Cadernos da FUCAMP, 14(20).

Gonçalves J., Wanderley P. & Barroso, M. F. (2014). As questões de física e o desempenho dos estudantes no ENEM. Revista Brasileira de Ensino de Física, 36(1). doi: http://dx.doi.org/10.1590/S1806-11172014000100017

Haguette, A., Pessoa, M. K. M. & Vidal, E. M. (2016). Dez escolas, dois padrões de qualidade. Uma pesquisa em dez escolas públicas de Ensino Médio do Estado do Ceará. Ensaio: Avalia-ção e Políticas Públicas em Educação, 24(92), pp. 609-636. doi: http://dx.doi.org/10.1590/S0104-40362016000300005

Klein, R., Fontanive, N. & Carvalho, J. C. B. de. (2007). O desempenho de alunos dos cursos pré-vestibulares Comunitários no ENEM 2006: análise de um possível impacto da capacita-ção de professores. Ensaio: Avaliação de Políticas Públicas em Educação, 15(56), pp. 373-392. doi: http://dx.doi.org/10.1590/S0104-40362007000300005

Kuenzer, A. Z.. (2011). A formação de professores para o ensino médio: Velhos problemas, novos desafios. Educação e Sociedade, 31(116), pp. 667-688. doi: http://dx.doi.org/10.1590/S0101-73302011000300004

Libâneo, J. C., Oliveira, J. F. de & Toschi, M. S. (2012). Seabra. Educação Escolar: Políticas, Estrutura e Organização. Cortez Editora.

Medeiros Neta, O. M., Nascimento, J. M. & Rodrigues, A. G. F. (2012). Uma escola para apren-dizes artífices e o ensino profissional primário gratuito. HOLOS, 2, pp. 96-104. doi: https://doi.org/10.15628/holos.2012.919

Ministério da Educação, Brasília, Portal (2009, Janeiro). Rede Federal de Educação Profissional e Tecnoló-gica: Linha do tempo. Recuperado em 7 março, 2018, do site: http://portal.mec.gov.br/setec/arquivos/centenario/linha.pdf

Ministério da Educação, Brasília, Portal da Rede Federal de Educação Profissional, Científica e Tecnológica (2016, Janeiro). Instituições da Rede. Recuperado em 7 março, 2018, do site: http://redefederal.mec.gov.br/

Pacheco, E. M., Pereira, L. A. C. & Domingos Sobrinho, Moisés. (2010). Institutos Federais de Educação, Ciência e Tecnologia: Limites e possibilidades. Linhas Críticas, 16(30), pp. 71-88.

Pinto, J. M. de R., Amaral, N. C. & Castro, J. A. de. (2011). O financiamento do Ensino Médio no Brasil: de uma escola boa para poucos à massificação barata da rede pública. Educação e So-ciedade, 32(116), pp. 639-665. doi: http://dx.doi.org/10.1590/S0101-73302011000300003

Pontes Junior, J. A. de F., Braga, A. E., Sousa, L. A. de, Damasceno, E. A. & Trompieri Filho, N. (2016). Da pedagogia do exame à cultura da avaliação no processo de ensino-aprendizagem. Educação e Linguagem, (1), pp. 63-73.

Pontes Junior, J. A. de F., Sousa, L. A. de, Olivares-Moral, S., Carvalho, M. C. & Trompieri Filho, N. (2017). Estudantes da educação de jovens e adultos na Educação Física no Enem. Revista de Estudios e Investigación en Psicología y Educación, (10), pp. 076-080. doi: https://doi.org/10.17979/reipe.2017.0.10.2753

Ristoff, D. I. (2011). A avaliação Institucional: Pensando princípios. In N. C. Balzan & J. Dias Sobrinho. Avaliação Institucional: teorias e experiências (37-51). São Paulo: Cortez Editora.

Santos, J. M. C. T. (2011). Exame Nacional do Ensino Médio: entre a regulação da qualidade do Ensino Médio e o vestibular.. Educar em Revista, 27(40), p. 195-205. doi: http://dx.doi.org/10.1590/S0104-40602011000200013

Silva, D. de M., Oliveira, M. L. G. de & Lima, M. A. M. (2016). Avaliação educacional: conceitos e reflexões essenciais para o ato de avaliar. In L. M. da Silva & M. I. F. L. Ciasca, (Orgs.) As voltas da avaliação educacional em múltiplos caminhos. Fortaleza: EdUECE.

Silva, R. de S. (2018). Os Institutos Federais de Educação, Ciência e Tecnologia e a Reforma do Ensino Médio: Desafios e incertezas. In A. S. Neto, A. C. da Silva, & I. Fortunato. (Org.). Passado, presente e futuro dos Institutos Federais de Educação. São Paulo: Edições Hipótese.

Sousa, L. A. de, Braga, A. E. & Trompieri Filho, N. (2015). Educação física em avaliações em larga escala: o caso do Exame Nacional do Ensino Médio-Enem. Revista Educação e Linguagem, 2(1), pp. 60-71.

Sousa, S. Z. (2011). Ensino Médio: Perspectivas de Avaliação. Retratos da Escola, 5(8), pp. 99-110. doi: http://dx.doi.org/10.22420/rde.v5i8.50

Vianna, H. M. (2003). Avaliações nacionais em larga escala: análises e propostas. Estudos em Avalia-ção Educacional, (27), pp. 41-76. doi: http://dx.doi.org/10.18222/eae02720032177

Viggiano, E. & Mattos, C. (2013). O desempenho de estudantes no Enem 2010 em diferentes regiões brasileiras. Revista Brasileira de Estudos Pedagógicos, 94(237). doi: http://dx.doi.org/10.1590/S2176-66812013000200005




DOI: http://dx.doi.org/10.15366/tp2019.34.010

Enlaces refback

  • No hay ningún enlace refback.


Copyright (c) 2019

Licencia de Creative Commons
Este obra está bajo una licencia de Creative Commons Reconocimiento-NoComercial 4.0 Internacional.

Tendencias Pedagógicas

ISSN-L: 1133-2654 | ISSN-e: 1989-8614

DOI prefix: 10.15366/tp

URL: https://revistas.uam.es/tendenciaspedagogicas 

Licencia de Creative Commons
This work is licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial 4.0 International License

¡Síguenos en redes sociales!