Vol. 34 (2019): El largo camino hacia la coeducación
Miscelánea

Formación continua de docentes alfabetizadores en Brasil: percepciones sobre el PNAIC

Alboni Marisa Dudeque Pianovski Vieira
Pontifícia Universidade Católica do Paraná
Biografía
Adriana Ferreira Martins Alflen
Secretaria de Educação. Prefeitura de São José dos Pinhais
Biografía
Portada de Tendencias Pedagógicas, volumen 34
Publicado mayo 15, 2019

Palabras clave:

alfabetización, formación continua, UNESCO, políticas educativas

Resumen

Este estudio investiga las percepciones de docentes alfabetizadores participantes en el programa de formación continuada del Pacto Nacional por la Alfabetización en la Edad Cierta (PNAIC), en el período de 2013 a 2015. Los objetivos específicos fueron verificar si el docente alfabetizador comprendió su papel en la gestión del proyecto, el trabajo pedagógico y el concepto de alfabetización en la edad cierta, además de identificar si hubo apropiación de las directrices de la política educativa para la formación del docente alfabetizador como agente de responsabilidad social en el proceso de enseñanza y aprendizaje. Se buscó aporte teórico en Day, Gatti, Nóvoa, Sacristán y Tardif. Los docentes alfabetizadores elegibles participantes de la investigación actuaron como regentes en las clases del ciclo de alfabetización. Los datos recolectados para investigación fueron obtenidos por medio de cuestionarios respondidos por noventa y seis (96) profesionales de la red de enseñanza de São José dos Pinhais, municipio del estado de Paraná, siendo analizados de acuerdo con la propuesta de Bardin. Como resultado, los análisis evidenciaron que los docentes alfabetizadores comprenden el significado de alfabetización a la edad cierta, pero no se apropiaron de todas las directrices de esa política educativa y fue posible constatar que menos de la mitad de los participantes no asume el trabajo pedagógico en la alfabetización, con responsabilidad social.

Citas

Bardin, L. (2015). Análise de conteúdo. Tradução Luís Antero Reto, Augusto Pinheiro. São Paulo: Edições 70.

Brasil (2012). Ministério da Educação. Portaria nº 867/2012. Institui o Pacto Nacional pela Alfa-betização na Idade Certa e as ações do Pacto e define suas diretrizes gerais. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 5 de jul. 2012. Recuperado de http://www.lex.com.br/doc_23490618_PORTARIA_N_867_DE_4_DE_JULHO_DE_2012.aspx

Brasil (2012a). Ministério da Educação. Pacto pela Alfabetização na Idade Certa: Brasil do Futuro com o começo que ele merece. Brasília, DF. Recuperado de http://pacto.mec.gov.br/images/pdf/pacto_livreto.pdf

Brasil (2012b). Ministério da Educação. Elementos conceituais e metodológicos para a definição dos direitos de aprendizagem e desenvolvimento do Ciclo de Alfabetização (1º, 2º e 3º anos) do Ensino Fundamental. Brasília: MEC/SEB. Recuperado de http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&view=download&alias=12827-texto-referencia-consulta-publica-2013-cne-pdf&category_slug=marco-2013-pdf&Itemid=30192

Brasil (2012c). Ministério da Educação. Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa: Formação de professores no Pacto pela Alfabetização na Idade Certa. Brasília: MEC/SEB. Recuperado de http://pacto.mec.gov.br/images/pdf/Formacao/Formacao_de_professores_MIOLO.pdf

Brasil (2012d). Ministério da Educação. Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa: Formação do professor Alfabetizador. Caderno de Apresentação. Brasília: MEC/SEB. Recuperado de http://pacto.mec.gov.br/images/pdf/Formacao/Apresentacao%20MIOLO.pdf

Brasil (2012e). Ministério da Educação. Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa: organização do trabalho docente para a promoção da aprendizagem. Ano 1 Caderno 8. Brasília: MEC/SEB. Recuperado de http://pacto.mec.gov.br http://pacto.mec.gov.br/images/pdf/Formacao/Apresentacao%20MIOLO.pdf

Brasil (2015). Ministério da Educação. Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa. Inter-disciplinaridade no ciclo de alfabetização. Caderno de Apresentação. Brasília. DF. Recuperado de http://pacto.mec.gov.br/images/pdf/Cadernos_2015/cadernos_novembro/pnaic_cad_apresentacao.pdf

Colello, S. M. G. (2012). A escola que (não) ensina a escrever. 2. ed. São Paulo: Summus.

CONSED – UNESCO (2007). O Desafio da profissionalização docente no Brasil e na América Latina. Brasília: UNESCO.

Day, C. (1999). Desenvolvimento profissional de professores: os desafios da aprendizagem permanente. Porto: Por-to Editora.

Fundo das Nações Unidas para a Infância. (2012). Acesso, permanência, aprendizagem e conclusão da educação básica na idade certa – Direito de todas e de cada uma das crianças e dos adolescentes. Brasília: UNICEF.

Gatti, B. (2003). Formação continuada de professores: A questão psicossocial. Cadernos de Pesquisa, 119, pp. 191-204. doi: http://dx.doi.org/10.1590/S0100-15742003000200010

Nóvoa, A. (Coord.) (1995). Os professores e a sua formação. 2. ed. Lisboa, Portugal: Dom Quixote.

Sacristán, J. G. (1999). Consciência e ação sobre a prática como libertação profissional dos pro-fessores. En A. Nóvoa (Org.). Profissão professor. Porto: Porto-Editora.

São José dos Pinhais – Paraná (SJP-PR) (2018). Educação.. Recuperado de http://www.sjp.pr.gov.br/educacao/

Soares, M. B. (2016). Alfabetização: a questão dos métodos. São Paulo: Contexto.

Tardif, M. (2014). Saberes docentes e formação profissional. Petrópolis: Vozes.

UNESCO. (1990). Declaração Mundial sobre Educação para Todos: Satisfação das necessidades básicas de aprendizagem. Jomtien.

UNESCO. (1998). A Unesco e a educação na América Latina 1987-1997. Santiago-Chile.