Vol. 9 Núm. 3 (2020): Número extraordinario: Consecuencias del Cierre de Escuelas por el Covid-19 en las Desigualdades Educativas
Artículos

Narrativas Emocionais de Estudantes do Ensino Superior em Tempos de Quarentena

Catarina Sobral
Biografía
Ana Paula Caetano
Biografía
Publicado diciembre 21, 2020

Palabras clave:

Ensino superior, Covid-19, Competências emocionais, Estratégias de autorregulação, Emoções
Cómo citar
Sobral, C., & Caetano, A. P. (2020). Narrativas Emocionais de Estudantes do Ensino Superior em Tempos de Quarentena. Revista Internacional De Educación Para La Justicia Social, 9(3), 435-451. https://doi.org/10.15366/riejs2020.9.3.023

Resumen

As épocas de crise são períodos complexos onde coexistem dinâmicas que acentuam as dificuldades, mas também que criam oportunidades de superação individual e coletiva, no sentido de uma maior equidade e inclusão social. Com a pandemia do Covid-19, foram introduzidas mudanças nas nossas vidas. Em Portugal as universidades fecharam e substituíram as aulas presenciais do 2º semestre por aulas virtuais síncronas e assíncronas. Situação que inicialmente se pensava transitória, mas manteve-se até ao final do ano letivo 2019/20. Enquanto professoras de um grupo de estudantes do 2º ano da licenciatura em Educação e Formação do Instituto de Educação, no âmbito da unidade curricular Competências Emocionais, propusemos aos alunos que redigissem narrativas do seu quotidiano para incluir nos seus portefólios. Neste artigo analisamos aquelas relativas aos períodos de confinamento e pós-confinamento, as quais permitem-nos perceber vivências e dificuldades sentidas pelos estudantes ao longo do tempo, que emoções emergiram, as estratégias de regulação para lidar com essas dificuldades, bem como as aprendizagens realizadas, nomeadamente no que respeita ao desenvolvimento de competências emocionais. Consideram que esta situação constituiu uma restrição das suas liberdades, mas também uma oportunidade para desenvolverem estratégias de autorregulação, aprofundando dimensões relevantes para o seu percurso pessoal e académico.

Descargas

Los datos de descargas todavía no están disponibles.

Citas

Bakhtin, M. (2011). Estética da criação verbal. Martins Fontes.

Bakhtin, M. (2019). O homem ao espelho. Apontamento dos anos 1940. Pedro & João Editores.

Bar-On, R. (1997). The emotional quotient inventory (EQ-i): A test of emotional intelligence. Multi-Health Systems.

Batista, H. H. e Noronha, A. P. (2018). Instrumentos de autorregulação emocional: Uma revisão de literatura. Avaliação Psicológica, 17(3), 389-398. https://doi.org/10.15689/ap.2018.1703.15643.12

Bauman, B. (2000). Liquid modernity. Polity Press.

Baxter Magolda, M. (2002). Helping students to make their way to adulthood: Good company for the journey. About Campus, 6(6), 2-9. https://doi.org/10.1177/108648220200600602

Bolívar, A. e Domingo, J. (2006). Biographical-narrative research in Iberoamerica: Areas of development and the current situation. Forum: Qualitative Social Research, 7(4), 1-41. https://doi.org/10.17169/fqs-7.4.161

Chase, S. E. (2011). Narrative inquiry: Still a field in the making. En N. K. Denzin e Y. S. Lincoln (Eds.), Handbook of qualitative research (pp. 421–434). Sage Publications.

Clandinin, D. J. e Connelly, F. M. (2000). Narrative inquiry: Experience and story in qualitative research. Jossey-Bass.

CNE. (2019). O estado da educação 2018. CNE.

Damásio, A. (2010). O livro da consciência. Temas e Debates.

Damásio, A. (2017). A estranha ordem das coisas. A vida, os sentimentos e as culturas humanas. Temas e Debates.

de Rivera, J. e Paez, D. (2007). Emotional climate, human security, and cultures of peace. Journal of Social Issues, 63(2), 233-253. https://doi.org/10.1111/j.1540-4560.2007.00506.x

Echeita, G. (2020). La pandemia del Covid-19. ¿Una oportunidad para pensar en cómo hacer más inclusivos nuestros sistemas educativos? Revista Internacional de Educación para la Justicia Social, 9(1), 7-16.

Gonzalez, S. P. (2020). Youth and Covid-19: Impacts on jobs, education, rights and mental well-being-survey report 2020. International Labor Organization (ILO).

Goleman, D. (1995). Emotional intelligence. Bantam Books. https://doi.org/10.1037/e538982004-001

Goleman, D. (1998). Working with emotional intelligence. Bantam Books. https://doi.org/10.1002/ltl.40619981008

Goleman, D. (2010). Inteligência emocional. Temas e Debates.

Goleman, D., Boyatzis, R. e McKee, A. (2002). Primal leadership: Realizing the Importance of Emotional Intelligence. Harvard Business School Press.

Goodson, I. (2007). Currículo, narrativa e o futuro social. Revista Brasileira de Educação, 12(35), 241-252. https://doi.org/10.1590/S1413-24782007000200005

Gross, J. J. (2015). Emotion regulation: Current status and future prospects. Psychological Inquiry, 26(1), 1-26. https://doi.org/10.1080/1047840X.2014.940781

Livingstone K. M. e Srivastava, S. (2012). Up regulating positive emotions in everyday life: strategies, individual differences, and associations with positive emotion and well-being. Journal of Research in Personality, 46(5), 504-516. https://doi.org/10.1016/j.jrp.2012.05.009

Maia, B. R. e Dias, P. C. (2020). Ansiedade, depressão e estresse em estudantes universitários: o impacto da Covid-19. Estudos de Psicologia, 37, e200067. https://doi.org/10.1590/1982-0275202037e200067

Oliveira, V. M. e Navega, F. (2017). Relatório nacional sobre a implementação da Agenda 2030 para o desenvolvimento sustentável. Ministério dos Negócios Estrangeiros.

Peres, P. (2020). Covid-19 e a luta pela sobrevivência. Governação, IES, docentes e estudantes, Ensino Superior, 68, 26-29.

Quoidbach, J., Berry, E. V., Hansenne, M. e Mikolajczak, M. (2010). Positive emotion regulation and well-being: Comparing the impact of eight savoring and dampening strategies. Personality and Individual Differences, 49(5), 368-373. https://doi.org/10.1016/j.paid.2010.03.048

Salovey, P. e Mayer, J. D. (1990). Emotional intelligence. Imagination, Cognition and Personality, 9(3), 185-211. https://doi.org/10.2190/DUGG-P24E-52WK-6CDG

Schneider, T., Lyons, J. e Khazon, S. (2013). Emotional intelligence and resilience. Personality and Individual Differences, 55(8), 909-914. https://doi.org/10.1016/j.paid.2013.07.460

World Health Organization-WHO. (2020). Mental health and psychosocial considerations during the Covid-19 outbreak. WHO.