Vol. 5 Núm. 2 (2020)
Artículos

O entendimento do conceito de gestão democrática na escola pública: caso específico do Estado da Bahia (Brasil)

Sônia Fonseca
Universidad Autónoma de Madrid
Héctor Monarca
Universidad Autónoma de Madrid
Cristiane Nunes
Diretoria Superintendência do SEBRAE-SE
Publicado junio 30, 2020

Palabras clave:

qualidade, Gestão, neoliberalismo

Resumen

Este artigo objetiva refletir sobre o Art. 206 da Constituição Brasileira de 1988 e seu entendimento pelo(a)s diretores(as) das escolas públicas do Ensino Médio, no Estado da Bahia. Trata-se de um recorte preliminar da pesquisa, Gestão da Escola e os Resultados do IDEB: qual a relação? A abordagem teórica baseou-se nos estudos de Luck (1996), Paro (2000), Ravitch (2011) e Monarca (2018a). Metodologicamente o estudo é exploratório descritivo, incidindo nos resultados obtidos com uma amostra de 126 sujeitos, diretores de escolas, respondentes ao questionário. O resultado principal identifica que há um entendimento polissêmico, pelo(a)s diretores(as), sobre o conceito de “gestão democrática” e padrão de qualidade, diferindo do que preceitua os incisos analisados.

 

Citas

Aranha, M. L. (1996). História da Educação (2a ed.). São Paulo: Moderna.

Constituição da República Federativa do Brasil. (1998). Brasília, DF: Senado Federal. Disponível em https://bit.ly/2sFJy0a

Fernandes, R. (2007). Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (IDEB). Série Documental. Textos para discussão. Brasília: Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira.

Fernández-González, N. (2019). El cercamiento neoliberal de la escuela pública en Madrid. Un estudio del discurso y la gubernamentalidad. Tesis doctoral inédita. Madrid: Universidad Autónoma de Madrid.

Fernández-González, N. e Monarca, H. (2018). Política educativa y discursos sobre calidad: usos y resignificaciones en el caso español. En H. Monarca (Coord.), Calidad de la Educación en Iberoamérica: Discursos, políticas y prácticas (pp. 12-44). Madrid: Dykinson. Disponível em https://bit.ly/2ug4sDM

Fonseca, Sônia (2018). Gestão de Organizações de Ensino: uma perspectiva pedagógica. Curitiba: Appris.

Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (s/n): Programa Dinheiro Direto na Escola (PDEE). Disponível em https://bit.ly/2v5TGAc

Freire, P. (1996). Pedagogia da Autonomia. Rio de Janeiro: Paz e Terra.

Gil, A. C. (1999). Métodos e técnicas de pesquisa social (5a ed.). São Paulo: Atlas.

Hargreaves, A. e Fullan, M. (2012). Professional capital. Transforming teaching in every school. New York: Teachers College Press.

Harvey, D. (2008). O neoliberalismo história e implicações. São Paulo: Edições Loyola.

Hora, D. L. (2006). Democracia, educação e gestão educacional na sociedade brasileira contemporânea. EccoS – Revista Científica, 8(1), 65-87.

Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (2016). Relatório do 1º ciclo de monitoramento das metas do PNE: biênio 2014-2016. Brasília, DF: INEP.

Lei n. 5.540/1968. Fixa normas de organização e funcionamento do ensino superior e sua articulação com a escola média, e dá outras providências. Disponível em http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L5540.htm

Lei n. 9.394/1996, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Diário Oficial da União, Brasília, DF. Disponível em http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9394.htm

Lei n. 10.172/2001. Normatiza o Plano Nacional de Educação. Brasília, DF. Disponível em https://bit.ly/38w7iDt

Libânio, J. C. (2007). Concepciones y prácticas de organización y gestión de la escuela: consideraciones introductorias para un examen crítico de la discusión actual en Brasil. Revista Española de Educación Comparada, 13, 155-191.

Lima, L. A. (2014). Gestão democrática das escolas: do autogoverno à ascensão de uma Pós – Democracia Gestionária? Disponível em https://bit.ly/2G7MzJQ

Lück, H., Freitas, K., Girling, R. e Keith, S. (1996). A escola participativa o trabalho do gestor escolar. Rio de Janeiro: DP & A.

Monarca, H. (Coord.) (2018a). Calidad de la Educación en Iberoamérica: Discursos, políticas y prácticas. Madrid: Dykinson. Disponível em https://bit.ly/2ug4sDM

Monarca, H. (2018b). Presentación: sobre calidad y sentidos en educación. En H. Monarca (Coord.), Calidad de la educación en Iberoamérica: Discursos, políticas y prácticas (pp. 5-11). Madrid: Dykinson. Disponível em https://bit.ly/38leORk

Murillo, F. J. e Martínez-Garrido, C. (2015). La formación de directores y directoras, un factor (Más) de inequidad escolar en América Latina. Revista Iberoamericana de Educación, 69, 241-266.

Ometto, A. M. H., Furtuoso, M. C. e Silva, M. V. da. (1995). Economia brasileira na década de oitenta e seus reflexos nas condições de vida da população. Revista de Saúde Pública, 29(5), 403-414.

Ozga, J. (2009). Governing education through data in England: From regulation to self‐evaluation. Journal of education policy, 24(2), 149-162.

Paro, V. H. (2000). Gestão Democrática na Escola Pública (3a ed.). São Paulo: Ática.

Pereira, B. (1999). Reflexões sobre a Reforma Gerencial Brasileira de 1995. São Paulo: Revista do Serviço Público, 50(4), 5-29.

Ravitch, D. (2011). The death and life of the great American school system: how testing and choice are undermining education. Basic Books.

Resolução n. 2. Define as Diretrizes Curriculares Nacionais para a formação inicial em nível superior (cursos de licenciatura, cursos de formação pedagógica para graduados e cursos de segunda licenciatura) e para a formação continuada. Ministério da Educação/Conselho Federal de Educação. Disponível em https://bit.ly/2TMCw50

Rudio, F. V. (1992). Introdução ao Projeto de Pesquisa Científica. Petrópolis: Vozes.