Vol. 18 Núm. 3 (2020)
Artículos

Fatores que Influenciam o Uso de Software Educativo no Ensino de Matemática

Paula Sofía Nunes
Agrupamento de Escolas de Cabeceiras de Basto
Biografía
María Manuel Nascimiento
Universidad de Trás-os-Montes e Alto Douro
Biografía
Paula Catarino
Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro
Biografía
Paulo Martins
Biografía
Publicado junio 18, 2020

Palabras clave:

Software educativo, Professores, Matemática, Aprendizagem, TIC

Resumen

Neste trabalho pretende-se explorar e descrever fatores fundamentais que influenciam o conhecimento e a utilização das Tecnologias de Informação e Comunicação (TIC), em particular de Software Educativo (SE) como ferramenta, pelos professores que ensinam Matemática, em qualquer ciclo de ensino português. O método adotado possui natureza descritiva e exploratória, com enfoque num paradigma quantitativo. Os participantes no estudo foram 96 docentes que ensinam Matemática, de várias escolas básicas e secundárias, de diferentes regiões de Portugal, bem como, de outros países onde se insere o currículo português. Foram utilizados como instrumentos um questionário, o teste da independência do quiquadrado e o teste V de Cramer. A análise dos dados foi feita com recurso ao SPSS (versão 25) e ao Excel (Office 2016). Os resultados obtidos sugerem que a idade, o género e o tempo de serviço dos professores que lecionam Matemática, poderão ser fatores fundamentais que influenciam o conhecimento e a utilização do SE Kahoot e que ter formação poderá ser condição essencial para a utilização dos SE Modellus e Scratch. Não encontramos nenhuma relação de dependência entre ter formação e a utilização do SE Régua e Compasso pelos inquiridos

Citas

Andrade, M., Silva C. e Oliveira, T. (2013). Desenvolvendo games e aprendendo matemática utilizando o Scratch. In VVAA., Proceedings SBGames, Simpósio brasileiro de jogos e entretenimento digital (pp. 260-263). São Paulo.

Aldunate, R. e Nussbaum, M. (2013). Teacher adoption of technology. Computers in Human Behavior, 29(3), 519-524. https://doi.org/10.1016/j.chb.2012.10.017

Bature, B. (2016). The role of information and communication technology as a tool for effective teaching and learning of mathematics. Journal Applied & Computacional Mathematics, 5(6), 1-3. https://doi.org/10.4172/2168-9679.1000333

Cabrera, A. F., Cruz, C. S. L. e Sánchez, S. P. (2019). Análisis de la competencia digital docente: Factor clave en el desempeño de pedagogías activas con realidad aumentada. REICE. Revista Iberoamericana sobre Calidad, Eficacia y Cambio en Educación, 17(2), 27-42. https://doi.org/10.15366/reice2019.17.2.002

Canastra, F., Haanstra, F. e Vilanculos, M. (2015). Manual de investigação científica da universidade católica de Moçambique. Ed. UCM.

Chaiyo, Y. e Nokham, R. (março, 2017). The effect of kahoot, quizizz and google forms on the student's perception in the classrooms response system. Em IEEE (Org.), 2017 International Conference on Digital Arts, Media and Technology (pp. 178-182). IEEE. https://doi.org/10.1109/ICDAMT.2017.7904957

Córdova, K. E. G., García, M. A. A., Rodríguez, A. L., Cruz, C. S. L. e Paredes, S. G. (2017). Materiales digitales para fortalecer el aprendizaje disciplinar en educación media superior: Un estudio para comprender cómo se suscita el cambio educativo. REICE. Revista Iberoamericana sobre Calidad, Eficacia yCambio en Educación, 15(2), 89-109. https://doi.org/10.15366/reice2017.15.2.005

Costa. J. (2018). Aulas práticas realizadas na protoboard sob suporte de simulações criadas no modellus (Tese de Mestrado). Universidade Estadual Vale do Acaraú, Brasil.

Costa, N. e Prado, M. (2015). A integração das tecnologias digitais ao ensino de matemática: Desafio constante no cotidiano escolar do professor. Perspectivas da Educação Matemática, 8(16), 99-120.

Feitosa, F. (2018). Guia de apoio didático para o professor de física com informações e orientações para o uso do software modellus (Tese de Mestrado). Universidade Federal do Ceará, Brasil.

Firmino, M. (2015). Testes de hipóteses: Uma abordagem não paramétrica (Tese de Mestrado). Universidade de Lisboa, Lisboa.

Fu, J. (2013). Complexity of ICT in education: A critical literature review and its implications. International Journal of education and Development using Information and Communicacion Technology, 9(1), 112-125.

Gil, A. (1999). Métodos e técnicas de pesquisa social. Atlas SA.

Gazotti-Vallim, M., Gomes, S. e Fischer, C. (2017). Vivenciando inglês com kahoot. The ESPecialist, 38(1), 1-18. https://doi.org/10.23925/2318-7115.2017v38i1a11

Hamidi, F., Meshkat, M., Rezaee, M. e Jafari, M. (2011). Information technology in education. Procedia Computer Science, 3, 369-373. https://doi.org/10.1016/j.procs.2010.12.062

Hashim, H., Salim, N. A. e Kassim, M. (novembro, 2018). Students’ response on implementation of kahoot in the classroom. Em IEEE (Org.), 2018 IEEE 10th International Conference on Engineering Education (pp. 101-124). IEEE. https://doi.org/10.1109/ICEED.2018.8626899

Iglesia, J., Morante, M. e López, B. (2016). Competencias en TIC del profesorado en Galicia: Variables que inciden en las necesidades formativas. Innovación Educativa, 26, 215-231. https://doi.org/10.15304/ie.26.3256

Iglesia, J., Morante, M. e López, B. (2018). Influencia de variables personales y contextuales en la integración de las TIC en el aula en Galicia. Pixel-Bit: Revista de Medios y Educación, 53, 79-91. https://doi.org/10.12795/pixelbit.2018.i53.05

Kuzle, A. (2017). Delving into the nature of problem solving processes in a dynamic geometry environment: Different technological effects on cognitive processing. Technology, Knowledge and Learning, 22(1), 37-64. https://doi.org/10.1007/s10758-016-9284-x

Law, N. e Chow, A. (2008). Teacher characteristics, contextual factors, and how these affect the pedagogical use of ICT. Em N. Law, W. Pelgrum e T. Plomp (Eds.), Pedagogy and ICT use (pp. 181-219). Springer. https://doi.org/10.1007/978-1-4020-8928-2_6

Lin C. Y., Huang, C. K. e Chen, C. H. (2014). Barriers to the adoption of ICT in teaching Chinese as a foreign language in US universities. ReCALL, 26(1), 100-116. https://doi.org/10.1017/S0958344013000268

Marquès, P. (2013). El software educativo. http://www.lmi.ub.es/te/any96/marques_software/

Mishra, P. e Koehler, M. (2006). Technological pedagogical content knowledge: A framework for teacher knowledge. Teachers College Record, 108(6), 1017-1054. https://doi.org/10.1111/j.1467-9620.2006.00684.x

Piedade, J. (2010). Utilização das TIC pelos professores de uma escola do ensino básico e secundário (Tese de Mestrado). Universidade de Lisboa, Lisboa.

Prá, R., Freitas, T. e Amico, M. (2017). A análise da ferramenta kahoot como facilitadora do processo de ensino aprendizagem. Redin-Revista Educacional Interdisciplinar, 6(1), 1-10.

Radovic, S., Marié, M. e Passey, D. (2019). Technology enhancing mathematics learning behaviours: Shifting learning goals from producing the right answer to understanding how to address current and future mathematical challenges. Education and Information Technologies, 24(1), 103-126. https://doi.org/10.1007/s10639-018-9763-x

Ramos, M. (2013). Métodos quantitativos e pesquisa em ciências sociais: Lógica e utilidade do uso da quantificação nas explicações dos fenômenos sociais. Mediações: Revista de Ciências Sociais, 18(1), 55-65. https://doi.org/10.5433/2176-6665.2013v18n1p55

Rani, R. e Anisha, J. (2018). Role of ICT to enhance mathematics teaching and to raising educational standards. Internacional Journal of Scientific Research, 6(9), 488-490.

Richit, A. (2015). Formação de professores de matemática da educação superior e as tecnologias digitais: Aspectos do conhecimento revelados no contexto de uma comunidade de prática online (Tese de Doutoramento). Universidade Estadual Paulista, Brasil.

Ricoy, M. e Couto, M. (2011). As TIC no ensino secundário na matemática em Portugal: A perspectiva dos professores. Revista Latinoamericana de Investigación en Matemática Educativa, 14(1), 95-119.

Romio, T. e Paiva, S. (2017). Kahoot e goconqr: Uso de jogos educacionais para o ensino da matemática. Scientia cum Industria, 5(2), 90-94. https://doi.org/10.18226/23185279.v5iss2p90

Sande, D. e Sande, D. (2018). Uso do kahoot como ferramenta de avaliação e ensino-aprendizagem no ensino de microbiologia industrial. HOLOS, 1, 170-179. https://doi.org/10.15628/holos.2018.6300

Santos, L. (2018). Modellus: Proposta metodológica para o ensino da física a alunos do 1.º ano do ensino médio de uma escola pública, na perspectiva da aprendizagem significativa (Tese de Mestrado). Universidade Federal do Tocantins, Brasil.

Scheffer, N., Bressan, J. e Rovani, S. (2009). Possibilidades didáticas de investigação do software gratuito régua e compasso na exploração do triângulo equilátero. Vivências: Revista Eletrônica de Extensão da URI, 5(8), 27-36.

Sousa, R. e Lencastre, J. (2014). Scratch: Uma opção válida para desenvolver o pensamento computacional e a competência de resolução de problemas. Em A. Carvalho, S. Cruz, C. G. Marques, A. Moura e I. Santos (Orgs.), Atas do 2.º encontro sobre jogos e mobile learning (pp. 256-267). CIEd.

Stanisavljevic-Petrovic, Z., Stankovic, Z. e Jevtic, B. (2015). Implementation of educational software in classrooms pupils' perspective. Procedia-Social and Behavioral Sciences, 186, 549-559. https://doi.org/10.1016/j.sbspro.2015.04.131

Xavier, S., Tenório, T. e Tenório, A. (2014). Uma proposta de ensino-aprendizagem das leis dos senos e dos cossenos por meio do software régua e compasso. Jornal Internacional de Estudos em Educação Matemática, 7(3), 158-190.

Zaldívar-Colado, A., Alvarado-Vázquez, R. e Rubio-Patrón, D. (2017). Evaluation of using mathematics educational software for the learning of first-year primary school students. Education Sciences, 7(4), 1-12. https://doi.org/10.3390/educsci7040079