Educação e Epistemologías. O Contributo do Orçamento Participativo na (des) Construção do Conhecimento-Emancipação

Nuno Silva Fraga

Resumen


Assumimos o Orçamento Participativo (OP) como uma estratégia da cidade que educa na cidadania em prol de práticas que consubstanciam uma acção democrática participativa. Consequentemente, mostrámos como o OP tem alicerçado práticas sociais que permeando a participação do cidadão e da cidadã na governança local, demonstraram não só a sua plasticidade nos processos de inclusão de visões e valores diferentes para a (des)construção social e cultural da cidade, como também tem-se desvelado como um mecanismo que, não só para o poder autárquico, como para o cidadão comum, tem permitido obter outras leituras do mundo. Outros entendimentos e hermenêuticas que despoletam outros conhecimentos, outras vias alternativas de inclusão, que se apresentam, pelo sucesso e difusão das práticas, como conhecimento-emancipação. O OP apresenta-se como um mecanismo, que para a governança da cidade age em prol da justiça social.

A proximidade que se estabelece entre o Executivo da cidade e o cidadão e a cidadã, que nela habitam, geram processos dialógicos fortíssimos cujo desencadeamento de negociações apela à competência cultural da cidade, ao saber ser intercultural dos cidadãos.

Num momento da história das sociedades em que a dicotomia entre o global e local agudiza-se, pelo crescente esbatimento das fronteiras geográficas, sociais e culturais, o OP apresenta-se como um movimento social gerador de um arcaboiço epistémico, ecologicamente (des)construído, que permitindo a humanização do oprimido, mostra-se essencial à investigação. Pela relação dialógica que institui, bem como pelos processos de negociação com os quais confronta-se, o OP apresenta-se-nos como um movimento que pedagogiza na cidade uma educação na cidadania.


Palabras clave


Orçamento Participativo; Educação na Cidadania; Epistemologias do Sul; Literacia Multicultural; Conhecimento-emancipação

Texto completo:

PDF (Português (Brasil))

Referencias


Alred, G., Byram, M., e Fleming, M. (2003). Introduction. En G. Alred, M. Byram, y M. Fleming, Intercultural experience and education (pp. 1-13). Clevedon: Multilingual Matters.

Associação Internacional das Cidades Educadoras. (2004). Cartas das ciudades educadoras. Barcelona: AICE.

Beck, U. (2002). The cosmopolitan society and its enemies. Theory, Culture & Society, 19 (1-2), 17-44.

Bertalanffy, L. (1975). Teoria geral dos sistemas. São Paulo: Editora Vozes.

Cidades e Governos Locais Unidos. (2008). Agenda 21 da cultura. Comissão de Cultura. Barcelona: Ajuntament de Barcelona - Institut de Cultura.

Faria, C. V. (2009). As cidades na cidade. Movimentos sociais urbanos em Setúbal 1966-1995. Lisboa: Esfera do Caos.

Freire, P. (1967). Educação como prática de liberdade (5.ª ed.). Lisboa: Dinalivro.

Freire, P. (2005). Pedagogia do Oprimido (45.ª ed.). São Paulo: Paz e Terra.

Freire, P. (2009). Pedagogia da Autonomia (29.ª ed.). São Paulo: Paz e Terra.

Guilherme, M. (2000). Intercultural competence. En M. Byram (Ed.) Encyclopedia of Language Teaching and Learning, 297-299.

Gadotti, M. (n.d.). A Escola na Cidade que Educa. Recuperado de Secretaria Municipal da Educação, Cultura, Esporte e Lazer http://www.smec.salvador.ba.gov.br/documentos/carta_moacir.doc.

Giroux, H. (Dezembro, 2005). Entrevista de M. Guilherme. Qual o papel da Pedagogia Crítica nos estudos de língua e cultura? Revista Crítica de Ciências Sociais, 73, 131-143.

Grosfoguel, R. (2008). Transmodernidade, pensamento de fronteira e colonialidade global. Revista Crítica de Ciências Sociais (80), 115-147.

Kim, Y. Y. (2001). Becoming intercultural: an integrative theory of communication and cross-cultural adaptation. Thousand Oaks: SAGE.

Kim, Y. Y. (2008). Intercultural personhood: Globalization and a way of being. International Journal of Intercultural Relations (32), 359-368.

Mignolo, W. D. (2000). Local histories/Global designs: Coloniality, subaltern knowledges, and border thinking. Princeton: Princeton University Press.

Modood, T. (2007). Multiculturalism: A civic idea. Cambridge: Policy Press.

Morin, E. (2002). Os sete saberes para a educação do futuro. Lisboa: Instituto Piaget.

ONU (n.d.). Declaração Universal dos Direitos do Homem. Recuperado de http://www.amnistia-internacional.pt/dmdocuments/DUDH.doc.

Orçamento Participativo Portugal. (2011). Observatório Nacional Palmela. Recuperado de http://www.opportugal.org/territorios.php?subcat= undefined&subsubcat=palmela.

Palacios, J. J. (2004). Corporate citizenship and social responsibility in a globalized world. Citizenship Studies, 8 (4), 383-402.

Santos, B. d. (1999). Porque é tão difícil construir uma teoria crítica? Revista Crítica de Ciências Sociais (54), 197-215.

Santos, B. d. (2000). A crítica da razão indolente: contra o desperdício da experiência. Santa Maria da Feira: Edições Afrontamento.

Santos, B. d. (2003). Orçamento Participativo em Porto Alegre: para uma democracia redistributiva. En B. d. Santos, Democractizar a Democracia: os caminhos da democracia participativa (pp. 375-465). Santa Maria da Feira: Edições Afrontamento.

Santos, B. d., e Nunes, J. A. (2004). Introdução: para ampliar o canône do reconhecimento da diferença e da igualdade. In B. d. Santos, Reconhecer para libertar: os caminhos do cosmopolitismo multicultural (pp. 19-51). Porto: Edições Afrontamento.

Santos, B. d. (2010a). Para além do pensamento abissal: das linhas globais a uma ecologia dos saberes. In B. d. Santos, y M. P. Meneses, Epistemologias do Sul (pp. 23-71). Coimbra: Almedina.

Santos, B. d. (2010b). A gramática do tempo: para uma nova cultura política. (2ª ed.). Santa Maria da Feira: Edições Afrontamento.

Soysal, Y. (1994). Limits of citizenship: migrants and postnational membership in Europe. Chicago: The University of Chicago Press.

Soysal, Y. (n.d.). Rights, identity and claims-making. Recuperado de Brandeis University. International Center for Ethics, Justice, and Public Life. http://www.brandeis.edu/ethics/pdfs/internationaljustice/otheractivities/JAC_Soysal.pdf.

Torres, C. A. (2001). Democracia, educaçção e multiculturalismo: dilemas da cidadania em um mundo globalizado. Petrópolis: Editora Vozes.

UNESCO. (2010). World report: Investing in cultural diversity and intercultural dialogue [Executive summary]. Paris: UNESCO Publishing.

Vicente, A. (2008). Discurso da Sessão de Abertura do 2º Encontro Nacional sobre Orçamento Participativo e Democracia Local. Recuperado de http://www.op-portugal.org/downloads/Actas2_Palmela.pdf.

Vieira, R. (2004). Identidades reconstruídas: O caso dos professores com mobilidade social ascendente. Actas dos ateliers do V Congresso Português de Sociologia. Sociedades Contemporâneas: Reflexividade e Acção Atelier: Identidades e Estilos de Vida (pp. 59-68). Braga: Associação Portuguesa de Sociologia.




Copyright (c) 2016 REICE. Revista Iberoamericana sobre Calidad, Eficacia y Cambio en Educación

REICE. Revista Iberoamericana sobre Calidad, Eficacia y Cambio en Educación está indexada en:

Scopus, Emerging Sources Citation Index (ESCI), Google Académico, Dialnet, ISOC, Redalyc, EBSCO Fuente Académica Premier, EBSCO Fuente Académica Plus, ERIH PLUS, CIRC, DICE, GENAMICS, Latindex, MIAR, Resh, Biblioteca de la OEI, In-Recs, Iresie, REDIB, REDIAL, DOAJ, Dulcinea, EZB, BNE, GLOOBAL, REBIUN, Sudoc, WorldCat y Georgetown University Library, Copac *.