O Currículo da Educação de Jovens e Adultos e o Ensino de Ciências: Um olhar sobre a Cultura

Tatiane Staub, Dulce Mª Strieder, Vilmar Malacarne, Kellys Regina, Kellys R. Ródio

Resumen


Atuar na investigação sobre a Educação de Jovens e Adultos (EJA) não delimita apenas a reflexão sobre uma faixa etária diferenciada de alunos, mas remete, dentre outros elementos, ao pensar e agir junto a um grupo com especificidades culturais. Alguns currículos brasileiros direcionados ao ensino e aprendizagem na disciplina de Ciências na EJA vêm aumentando a atenção quanto à heterogeneidade cultural, como resultado do maior conhecimento acerca dos sujeitos dessa aprendizagem. No presente artigo expomos resultados de uma investigação qualitativa, que considerou como instrumentos a pesquisa bibliográfica e documental, sobre como a heterogeneidade cultural é contemplada nas diretrizes ou orientações curriculares nacionais (do Brasil), estaduais (do Paraná/Brasil) e municipais (de Cascavel/Paraná/Brasil), especialmente nos direcionamentos para a disciplina de Ciências. Os documentos norteadores da EJA, como pareceres, resoluções, propostas curriculares e diretrizes curriculares, foram estudados tendo por abordagem metodológica principal a Análise de Conteúdo. Tal ação pretende contribuir para a implementação de políticas e práticas que almejem a ação educativa pautada no respeito à cultura do aluno e da imersão na cultura científica.

 


Palabras clave


Cultura; currículo; educação de jovens e adultos; ensino de ciências

Texto completo:

PDF (Português (Brasil))

Referencias


Barcelos, V. (2010). Educação de jovens e adultos: currículo e práticas pedagógicas (2a ed). Petrópolis, RJ: Vozes.

Chassot, A. (2008). Sete escritos sobre educação e ciência. São Paulo: Cortez.

Chauí, M. (1998). Convite à filosofia. São Paulo: Ática.

Currículo para a rede pública municipal de Cascavel: Ensino Fundamental – Educação de Jovens e Adultos (2008), 3. Secretaria Municipal de Educação, Cascavel.

Diretrizes Curriculares da Educação de Jovens e Adultos/DCEs-PR (2006). Secretaria de Estado da Educação, Superintendência da Educação, Curitiba, PR.

Educação de Jovens e Adultos: proposta curricular para o primeiro segmento do ensino fundamental (1997). Ministério da Educação e do Deporto. Secretaria de Educação Fundamental.

Haddad, S. (2001). A educação continuada e as políticas públicas no Brasil. In: V. M. Ribeiro (Org.). Educação de jovens e adultos: novos leitores, novas leituras. Campinas, SP: Mercado de Letras.

Moraes, R. (1999). Análise de conteúdo. In: Revista Educação, 22 (37), pp.7-32. Porto Alegre.

Oliveira, M. K. de (2001). Jovens e adultos como sujeitos de conhecimento e aprendizagem. In V. M. Ribeiro (Org.). Educação de jovens e adultos: novos leitores, novas leituras. Campinas, SP: Mercado de Letras.

Parecer CNE/CEB n.11 de 2000 (2000).Analisa as Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação de Jovens e Adultos. Parecer da Câmara de Educação Básica (CEB) do Conselho Nacional de Educação (CNE). Brasília.

Perez, C. L. V., Sampaio, C. S. (2003). A pré-escola em Angra dos Reis: tecendo um projeto de educação infantil. En R. L. Garcia. A formação da professora alfabetizadora: reflexão sobre prática (4a ed.). São Paulo: Cortez.

Piconez, S. C. B. (2002). Educação escolar de jovens e adultos. Campinas, SP: Papirus.

Pozo, J. I. y Crespo, M. Á. G. (2009). A aprendizagem e o ensino de ciências: do conhecimento cotidiano ao conhecimento científico (5a ed.). Porto Alegre, RS: Artmed.

Proposta Curricular para a Educação de Jovens e Adultos - segundo segmento do Ensino Fundamental - 5a a 8a série, (Introdução, Vol. 01)(2002a). Propõe currículo para o 2º Segmento do Ensino Fundamental da Educação de Jovens e Adultos. São Paulo: Ação Educativa; Brasília: MEC. Recuperado em 28 de maio, 2012, de .

Proposta Curricular para a Educação de Jovens e Adultos - segundo segmento do Ensino Fundamental - 5a a 8a série - Matemática, Ciências, Arte, Educação Física (Vol. 03)(2002b). Propõe currículo para o 2º Segmento do Ensino Fundamental da Educação de Jovens e Adultos. São Paulo: Ação Educativa; Brasília: MEC. Recuperado em 28 de maio, 2012, de .

Proposta Curricular para a Educação para jovens e adultos - primeiro segmento do Ensino Fundamental (2001). Propõe currículo para o 1º Segmento do Ensino Fundamental da Educação de Jovens e Adultos (3a ed.). São Paulo: Ação Educativa; Brasília: MEC, 2001. Recuperado em 28 de maio, 2012, de .

CNE (2000). Resolução CNE/CEB n. 1, de 5 de julho de 2000. Estabelece as Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação de Jovens e Adultos. Resolução da Câmara de Educação Básica (CEB) do Conselho Nacional de Educação (CNE). Brasília. Recuperado em 28 de maio, 2012, de .

Staub, T., Strieder, D. M., Bar, M. V. (2010). A educação de jovens e adultos e o ensino de ciências - nuances históricas. In: Anais do II Simpósio Nacional de Educação e XXI Semana de Pedagogia, Cascavel, PR, Brasil.

Staub, T., Strieder, D. M. (2011). Cultura e ensino de ciências na educação de jovens e adultos no município de Cascavel, PR. In: Anais do XX Encontro Anual de Iniciação Científica, X Encontro de Pesquisa da UEPG e I Encontro Anual de Inciação em Desenvolvimento Tecnológico e Inovação, Ponta Grossa, PR, Brasil.

Strieder, D. M. (2007). As relações entre a cultura científica e a cultura local e a nas falas de professores: um estudo do pensar dos professores sobre o ensino de ciências em um contexto teuto-brasileiro. Tese de Doutorado, Faculdade de Educação, Universidade de São Paulo, SP, Brasil.




Copyright (c) 2016 REICE. Revista Iberoamericana sobre Calidad, Eficacia y Cambio en Educación

REICE. Revista Iberoamericana sobre Calidad, Eficacia y Cambio en Educación está indexada en:

Scopus, Emerging Sources Citation Index (ESCI), Google Académico, Dialnet, ISOC, Redalyc, EBSCO Fuente Académica Premier, EBSCO Fuente Académica Plus, ERIH PLUS, CIRC, DICE, GENAMICS, Latindex, MIAR, Resh, Biblioteca de la OEI, In-Recs, Iresie, REDIB, REDIAL, DOAJ, Dulcinea, EZB, BNE, GLOOBAL, REBIUN, Sudoc, WorldCat y Georgetown University Library, Copac *.