Vol. 15 Núm. 1 (2017)
Artículos

A Gestão dos Conflitos Escolares na Infância. Análise das Causas e Medidas de Intervenção na Região da Madeira (Portugal)

Publicado enero 1, 2017

Palabras clave:

Resolução de conflitos, Infância, Melhoria educativa, Intervenção, Portugal.

Resumen

Neste artigo apresentamos um estudo realizado com alunos do quarto ano de escolaridade, primeiro ciclo do ensino básico português, centrado na análise das causas e gestão de conflitos das crianças na sala de aula, tendo por base a comparação entre o ensino público e o privado do Concelho do Funchal (Madeira). Para isto, desenvolveu-se uma metodologia descritiva por método de pesquisa, mediante a aplicação de um questionário, a uma amostra de trezentos e vinte alunos. Os resultados mostraram que há uma maior incidência de conflitos no ensino público. Como motivos geradores desses conflitos são apontados factos como as crianças não gostarem da escola, dos colegas ou o professor tratar melhor uns alunos em função de outros. A maioria dos conflitos é resolvida mediante a intervenção do docente e o pedido de desculpa entre as partes envolvidas.

Citas

Acuff, F. L. (1993). How to negociate anything with anyone anywhere around the world. Nueva York: American Management Association.

Amado, J. (2001). Interacção pedagógica e indisciplina na aula. Porto: Edições ASA.

Amado, J. S. e Freire, I. P. (2009). A(s) indisciplina(s) na escola compreender para prevenir. Coimbra: Almedina.

Araújo, V. (2000). Cognição, afetividade e moralidade. Educação e Pesquisa, 26(2), 23-45. doi:10.1590/s1517-97022000000200010

Aznar, I., Cáceres, M. P. e Hinojo, F. J. (2007). Estudio de la violencia y conflictividad escolar en las aulas de primaria a través de un cuestionario de clima de clase: el caso de las provincias de Córdoba y Granada. REICE. Revista Iberoamericana sobre Calidad, Eficacia y Cambio en Educación, 5(1), 164-177.

Aznar, I., Cáceres, M. P. e Hinojo, F. J. (2008). Formación integral. Educar para la convivencia y la paz. Revista Iberoamericana de Educación, 46(5), 1-16.

Bakopoulou, I. e Dockrell, J. E. (2016). The role of social cognition and prosocial behaviour in relation to the socio-emotional functioning of primary aged children with specific language impairment. Research in Developmental Disabilities, 49(1), 354-370. doi:10.1016/j.ridd.2015.12.013

Bilhim, J. (1996). Teoria organizacional, estruturas e pessoas. Lisboa: Universidade Técnica de Lisboa.

Burguet, M. (2005). Diante do conflito...uma aposta na educação. En E. Vinyamata (Ed.), Aprender a partir do conflito: conflitologia e educação (pp. 65-89). Porto Alegre: Artmed.

Cámara, S. M. (2012). Conflito, cultura e compromisso organizacional. Um estudo em professores de instituições educativas da Região Autónoma da Madeira. Tesis Doctoral. Universidade de Cádiz.

Caravaca, C. e Sáez, J. (2013). La mediación: herramienta para la gestión de conflictos en la escuela. Revista de Educación Social, 16, 1-16.

Carita, A. y Fernandes, G. (1997). Indisciplina na sala de aula. Lisboa: Editorial Presença.

Chrispino, A. (2007). Gestão do conflito escolar: da classificação dos conflitos aos modelos de mediação. Ensaio, 54(15), 45-76.

Costa, M. E. (2003). Gestão de conflitos na escola. Lisboa: Universidade Aberta.

Cruz, F. (2008). Educar para gestionar conflictos en una sociedad fragmentada. Una propuesta educativa para una cultura de paz. Tesis Doctoral. Universidade de Barcelona.

Cruz, T. M (2012). Género e culturas infantis: os clubinhos da escola e as trocinhas do Bom Retiro. Educação e Pesquisa, 38(1), 63-78. doi:10.1590/s1517-97022012005000004

Cunha, M. (2004). Manual de comportamento organizacional e gestão. Lisboa: Editora RH.

DeVoogd, K., Lane-Garon, P. e Kralowec, C.A. (2016). Direct instruction and guided practice matter in conflict resolution and social-emotional learning. Conflict Resolution Quarterly, 33,(3), 279-296. doi:10.1002/crq.21156.

Dorado, A. (2014). La gestión constructiva de conflictos en la formación del Grado en Trabajo Social. Tesis Doctoral. Universidade de Murcia.

Fachada, M. O. (1998). Psicologia das relações Interpessoais: Lisboa: Rumus.

García, D. A., Pérez, L. A. e Pérez, J. C. (2007). Aprender a resolver conflictos. Programa para mejorar la convivência escolar. Madrid: CEPE.

Gómez, V. e Jiménez, A. (2015). El conflicto trabajo-familia ante los derechos al cuidado de niños y niñas. Revista Latinoamericana de Ciencias Sociales, Niñez y Juventud, 13(1), 137-150.

Goodman, A. (2004). Basic skills for the new mediator. Rockville: Solomon Press.

Guillén, C. (2007). Estratégias de negociação. Mangualde: Edições Pedago.

Gutiérrez, I. e Acosta, A. (2013). La violencia contra niños y niñas: un problema global de abordaje local, mediante la IAP. Revista Latinoamericana de Ciencias Sociales, Niñez y Juventud. 11(1), 261-272.

Jardim, O. (2011). Estudo da gestão de conflitos no ensino básico português: o caso do concelho do Funchal (Portugal). Tesis Doctoral. Universidade de Granada.

Johnson, D. W. y Johnson, R. T. (1995). Why violence prevention programs don´t work- and what does. Education Leadership, 12(5), 351-372.

Leiva, J. J. (2007). Educación y conflicto en escuelas interculturales. Tesis Doctoral. Universidade de Málaga.

Lozano, A. M. (2011). Convivencia en los centros de educación secundaria. La mediación como proceso educativo en la gestión de conflictos. Tesis Doctoral. Universidade de Granada.

Martínez, D. F. (2005). Mediación educativa y resolucion de conflictos: Modelos de implementacion. Buenos Aires: Edições Novedades Educativas.

Melo, A. (2012). Educação básica na proposta da Confederação Nacional da Indústria (CNI) nos anos 2000. Educação e Pesquisa, 38(1), 29-46. doi:10.1590/s1517-97022011005000003

Menin, M. S. (2002). Valores na escola. Educação e Pesquisa, 28(1), 91-100. doi:10.1590/s1517-97022002000100006

Muller, A. e Alencar, H. (2012). Educação moral: o aprender e o ensinar sobre justiça na escola. Educação e Pesquisa, 38(2), 34-55. doi:10.1590/s1517-97022012000200012

Nebot, J. R. (2000). Violencia y conflicto en los âmbitos educativos. Ensayos y Experiencias, 7(35), 77-85.

Ortega, R. e Del Rey, R. (2002). Estratégias educativas para a prevenção da violência. Brasília: Unesco.

Pacheco, F. M. (2006). A gestão de conflitos na escolar: mediação como alternativa. Dissertação de mestrado. Universidade Aberta.

Rahim, M. A. (2001). Managing conflict in organizations. Westport, CO: Quorum Books.

Ruotti, C. (2010). Violência em meio escolar: fatos e representações na produção da realidade. Educação e Pesquisa, 36(1), 87-99. doi:10.1590/s1517-97022010000100010

Tahull, J. e Montero, Y. (2015). Malestar en la escuela. Conflictos entre profesores. Educar, 51(1),169-188.

Torrego, J. C. (2003). Mediação de Conflitos em Instituições Educativas. Porto: Edições Asa.

Vázquez, R. L. (2012). La mediación escolar como herramienta de educación para la paz. Tesis Doctoral. Universdiad de Murcia.

Zucchi, E. M. (2010). Estigma e discriminação vividos na escola por crianças e jovens órfãos por aids. Educação e Pesquisa, 36(3), 719-734. doi:10.1590/s1517-97022010000300005