Vol. 11 Núm. 3 (2013)
Artículos

Educação para a Cidadania Democrática em Angola: O Papel da Educação para a Cidadania no Bem-Estar. Estudo Realizado com a Comunidade da Província de Luanda

Publicado enero 7, 2016

Palabras clave:

Educação, Cidadania, Bem-Estar Subjetivo.

Resumen

Pretendemos caracterizar o perfil sociodemográfico dos encarregados de educação ou pais e comunidade educativa da província de Luanda – Angola; compreendendo- se a importância atribuída à Educação para a Cidadania e os níveis de bem-estar subjetivo. Estudámos uma amostra constituída por 1156 elementos. Como instrumentos de recolha de informação utilizamos um Questionário sociodemográfico e, também, a Escala de Bem-Estar Subjectivo (EBES) de Albuquerque e Tróccoli (2004). Os resultados revelam que os pais e/ou encarregados de educação atribuem importância à educação para a cidadania, considerando o contexto familiar, a igreja e a escola como locais, potencialmente, promotores do desenvolvimento pessoal e escolar das crianças. Os resultados globais de Bem-Estar apresentam valores positivos nas duas subescalas e 4 questões (do questionário da Comunidade) estavam correlacionadas positivamente com o índice de Bem-estar - Sentimentos e Emoções e com o índice de Opinião sobre a própria vida.

 

Citas

Afonso, M.R. (2005). Construir e Viver a Cidadania em Contexto Escolar. Lisboa: Plátano Editora.

Afonso, M.R. (2007). Guião de Educação para a Cidadania em contexto escolar - Boas Práticas. Lisboa: DGIDC/ME.

Albuquerque A.S. e Tróccoli, B.T. (2004). Desenvolvimento de Uma Escala de Bem-Estar Subjetivo. Psicologia: Teoria e Pesquisa, 20(2), 153-164.

Batista, A. (2012). O poder das emoções positivas. Lisboa. Pactor Editora.

Branco, M.L. (2007). A escola comunidade educativa e a formação dos novos cidadãos. Lisboa: Instituto Piaget.

Brett, P., Mompoint-Gaillard, P. e Salema, M.H. (2009). How all teachers can support citizenship and human rights education: a Framework for development of competences. Bruselas: Council of Europe.

Diener, E. (1984). Subjective well-being. Psychological Bulletin, 95, 542-575.

Diener, E. e Diener, B. (2000) Happiness: Unlocking the Mysteries of Psychological Wealth. Malden: Blackwell Pubishing.

Diener, E., Diener, M. e Diener, C. (1995). Factors predicting the subjective well-being of nations. Journal of Personality and Social Psychology, 69, 851-864.

Freire, P. (1975). A Pedagogia do Oprimido. Porto: Edições Afrontamento.

Fonseca, A.M. (2001). Educar para a cidadania. Porto: Porto Editora.

Giroux, H. (1993). La Escuela Y la Lucha Por La Ciudadania. Madrid: Siglo XXI Editores.

Lykken, D. e Tellegen, A. (1996). Happiness is a stochastic phenomenon. Psychological Science, 7, 186-189.

Lyubomirsky, S (2008). The how of happiness: a scientific approach to getting the life you want. Nueva York. Guilford.

Marques, P. e Picado, L. (2011). Bem Estar e Adaptação na Escola. Lisboa: Coisas de Ler.

Machado, N. J. (1997). Cidadania e Educação. São Paulo: Edição.

Moreira, P., Melo, A., Lima, A., Pires, C. y Crusellas, L. (2005). Saúde Mental do tratamento à prevenção. Porto: Porto Editora.

Nogueira, C. e Silva, I. (2001). Cidadania-Construção de Novas Práticas em Contexto Educativo. Porto: ASA.

OCDE (1960). Convenção contra a Descriminação no Domínio da Educação. Lisboa: OCDE.

OCDE (1995). Declaração sobre a Educação para a Paz, Direitos Humanos e Democracia. Lisboa: OCDE.

OCDE (2010). African Economic Outlook 2010. Lisboa: OCDE.

ONU (1948). Declaração Universal dos Direitos do Homem. Lisboa: ONU.

ONU (1966). Pacto Internacional sobre os Direitos Económicos, Sociais e Culturais. Brasília: União das Nações Unidas.

ONU (1989). Convenção sobre os Direitos da Criança. Lisboa: ONU.

ONU (2013). Relatório do Desenvolvimento Humano 2013. Lisboa: PNUD

República de Angola (1991). Lei Constitucional angolana. Luanda: Governo da República de Angola.

República de Angola (2010). Constituição da República de Angola. Luanda: Governo da República de Angola.

Picado, L. (2013). Savoring For Teachers: Experiences, Processes and Training Strategies. IMED Journal of Psychology, 4(2), 705-714.

Praia, M. (1999). Educação para a cidadania. Teorias e práticas. Porto: Asa Editores.

Rayo, J.T. (2004). Educação em direitos humanos. São Paulo: Artmed.

Rodriguez Garran, N. (2004). El clima escolar. Revista Digital Innovacion e Investigacion, 7(3), 11-23.

Samdal, O., Nutbeam, D., Wold, B. e Kannas, L. (1998). Achieving health and educational goals through schools – A study of the importance of the school climate and the students satisfaction with school. Health Education Research, 13(3), 383-397.

Seligman, M. e Csikszentmihalyi, M. (2000). Positive psychology: An Introduction. American Psychologist, 55, 5-14.

Sousa Santos, B. (2000). A Critica da Razão Indolente: Contra o desperdício da experiência. Porto: Edições Afrontamento.

Silva, E.A.A. (2009). Educação, globalização e cidadania: desafios, tendências e estratégias de educação. Kulonga - Revista de Ciências da Educação e Estudos Multidisciplinares, 4, 27- 56.

Silva, E.A.A. (2011). Ser criança no meio rural em Angola: infância, tradição, educação e cidadania. En V. R. Muller, Crianças dos países de língua portuguesa: Histórias, culturas e direitos (pp. 23 – 62). Maringá: Editora da Universidade Estadual de Maringá.

Schyns, P. (1998). Cross national differences in happiness: Economic and cultural factors explored. Social Indicators Research, 43, 2-26.

Tiba, I. (1996). Disciplina, limite na medida certa. São Paulo: Gente.

UE (1950). Convenção Europeia dos Direitos do Homem. Lisboa: Conselho da Europa.

UE (1961). Carta Social Europeia. Lisboa: Conselho da Europa.

UNESCO. (1996). Educação um tesouro a descobrir – Relatório para a UNESCO da Comissão Internacional sobre a Educação para o século XXI. Porto: ASA.

(c) RINACE (2003-2019) e-mail: rinace@uam.es