Vol. 12 Núm. 2 (2014)
Artículos

Estudo das Metodologias e Estratégias do Programa de Português dos Cursos Profissionais de Nível Secundário: O Caso do Concelho de Almada

Publicado enero 1, 2016

Palabras clave:

Cursos Profissionais, Paradigmas, Metodologias, Estratégias.
Cómo citar
Campos, M. J., Sola Martínez, T., & Aznar Díaz, I. (2016). Estudo das Metodologias e Estratégias do Programa de Português dos Cursos Profissionais de Nível Secundário: O Caso do Concelho de Almada. REICE. Revista Iberoamericana Sobre Calidad, Eficacia Y Cambio En Educación, 12(2). Recuperado a partir de https://revistas.uam.es/reice/article/view/2854

Resumen

O Programa de Português dos Cursos Profissionais de nível secundário decorre da reforma curricular de 2004 e inscreve-se numa série de iniciativas que tiveram largo alcance na natureza da educação, optando pela metodologia cognitivista/construtivista/humanista e por estratégias cognitivas e metacognitivas. Este estudo pretende comprovar se os professores põem em prática as metodologias e as estratégias propostas pelo programa. Utilizámos métodos quantitativos e qualitativos e fizemos a posterior triangulação, ampliando e completando a produção de conhecimento e aportando informação acrescida. Apesar da proposta da metodologia consignada no texto programático e das estratégias específicas para desenvolver competências, os professores utilizam, preferencialmente a metodologia transmissiva, caracterizada como prática apresentativa de conteúdos declarativos, perpetuam as suas práticas pedagógicas, “ensinando todos como se fossem um só” e partindo do princípio que os alunos não são capazes de realizar tarefas complexas o que pode impedir o desenvolvimento da sua plena autonomia.

 

Descargas

Los datos de descargas todavía no están disponibles.

Citas

Aguiar e Silva, V. (1999). Teses sobre o ensino do texto literário na aula de Português. Diacrítica, 23(2), 13-14.

Almeida, L.S. (1993). Rentabilizar o ensino-aprendizagem escolar para o sucesso e o treino cognitivo dos alunos. En L.S. Almeida (Ed.), Capacitar a escola para o sucesso (pp. 34-45). Vila Nova de Gaia: Edipsico.

Almeida, L.S. (2002). Facilitar a aprendizagem: ajudar aos alunos a aprender e a pensar. Psicologia Escolar e Educacional, 2(6), 23-38.

Ausubel, D.P., Novak, J.D. e Hanesian, H. (1980). Psicologia Educacional. Rio de Janeiro: Interamericana.

Cañizares, Y. e Guillén, A.L. (2013). Auto-Conocimiento de los Estilos de Aprendizaje, Aspecto Esencial en la Actividad de Estudio. REICE. Revista Iberoamericana sobre Calidad, Eficacia y Cambio en Educación, 11(3), 123-137.

Cazalma, A., Picado, L., Sola Martínez, T. e Viseu Ferreira, R. (2013). Educação para a Cidadania Democrática em Angola: O Papel da Educação para a Cidadania no Bem-Estar. Estudo Realizado com a Comunidade da Província de Luanda. REICE. Revista Iberoamericana sobre Calidad, Eficacia y Cambio en Educación, 11(3), 155-175.

Casas, A.M. (1994). Introductión a las dificuldades en el aprendizage. Valencia: Promolibro.

Cruz, V. e Fonseca, V. (2002). Educação cognitiva e aprendizagem. Porto: Porto Editora.

Decreto-Lei nº 26/89. Criação das escolas profissionais.

Decreto Lei 74/2004. As rectificações da Declaração de Rectificação n.º 44/2004, de 25 de Maio, Diário da República 73, Série I-A .

Feuerstein, R. (1993). La teoria de la modificabilidad estructural cognitiva. Un modelo de evaluación y entrenamiento de los procesos de la inteligencia. En J.A. Beltrán, V., Bermejo, M.D. Prieto e D. Vence (Eds.), Intervención psicológica (pp. 39-48). Madrid: Ediciones Pirâmide.

Fernandes, D. (2005). Avaliação das aprendizagens: Desafios às teorias, práticas e políticas. Lisboa: Texto Editores.

Figueira, A.P.C (2005). Estratégias cognitivo/comportamentais de aprendizagem. Problemática conceptual e outras rubricas. Revista Iberoamericana de Educación, 37(6).

Kirby, J.R. (1984). Strategies and processes. En J.R. Kirby, Cognitive strategies and educational performance (pp. 3-12). Orlando: Academic Press.

Lei nº 46/86 de 14 de Outubro. LBSE. Série I-A.

Lei nº 49/2005, de 30 de Agosto. Diário da República 39, Série I-A.

Ministério da Educação (2003). Reforma do Ensino Secundário. Documento Orientador da Revisão Curricular do Ensino Profissional (DORCEP). Recuperado de http://www.fenprof.pt/

Moreira, M.A.L. (2005). A investigação-acção na formação em supervisão no ensino de inglês: processos de (co)construção de conhecimento profissional. Braga: Universidade do Minho.

Morissette, R. (2002). Accompagner la construction des saviors. Montréal/Toronto: Chenelière/McGraw-Hill.

Novais, A. e Cruz, N. (1989). O ensino das ciências, o desenvolvimento das capacidades metacognitivas e a resolução de problemas. Revista Educação, 1(3), 65-89.

Novak, J. e Gowin, D. (1999). Aprender a aprender. Lisboa: Plátano Edições Técnicas.

Orvalho, L. e Alonso, L. (2009). Actas do X Congresso Internacional Galego-Português de Psicopedagogia. Braga: Universidade do Minho.

Perrenoud, P. (2000). Construire des compétences dès l’école. Paris: ESF Éditeur.

Pocinho, M.D. e Canavarro, J.M. (2009). Sucesso escolar e estratégias de compromisso e expressão verbal: Como compreender as matérias e as aulas. Odivelas: Edições Pedago.

Rebelo, J.A.S. (1993). Dificuldades da leitura e da escrita em alunos do Ensino Básico. Rio Tinto: Edições Asa.

Roldão, M.C. (2009). Estratégias de Ensino. O saber e o agir do professor. Vila Nova de Gaia: Fundação Manuel Leão.

Sampaio Lima, A. e Andriola, W. (2013). Avaliação de Práticas Pedagógicas Inovadoras em Curso de Graduação em Sistemas de Informação. REICE. Revista Iberoamericana sobre Calidad, Eficacia y Cambio en Educación, 11(1), 104-121.

Tardif, J. (1999). Le transfert des apprentissages. Montréal: Les Éditions Logiques.