Vol. 13 Núm. 4 (2015): La Supervisión, Eje para el Cambio de los Sistemas Educativos. Experiencias en Iberoamérica
Artículos

A Avaliação Externa de Escolas em Portugal. Da Sustentabilidade no Presente, aos Desafios no Futuro

Helder Lopo Guerreiro
Inspeção-Geral da Educação e Ciência
Publicado diciembre 17, 2015

Palabras clave:

Avaliação externa, Inspeção, Sustentabilidade, Autoavaliação, Modelo de avaliação.

Resumen

O conceito de ‘sustentabilidade’ entrou no discurso da educação e é um estado desejado para o sistema, políticas ou simples projetos. A sustentabilidade só é alcançada com o contributo de uma complexidade de fatores, que diferem de caso para caso. A avaliação externa de escolas é reconhecida como uma atividade sustentável, pois existe há quase nove anos, foi implementada ao longo de dois ciclos e sobreviveu à mudança de ciclos políticos. Com recurso a uma cuidada análise do quadro legal e de publicações oficiais, olhámos para cada um dos ciclos a fim de compreendermos quais os fatores que mais têm contribuído para a sua sustentabilidade. Aproximamo-nos agora do tempo para iniciar o seu 3o ciclo. Desenhámos um cenário possível, tendo por base que existem condições favoráveis à continuidade da atividade, excetuando a incógnita que um novo ciclo político pode trazer. Chegados a este ponto, constatamos que a vontade de mudar e melhorar a avaliação externa pode trazer riscos conflituar com a sua própria sustentabilidade.

 

Citas

Bell, S. e Morse, S. (2010). Sustainability Indicators: measuring the immesurable. Londres: Earthscan.

Direção-Geral de Estatísticas da Educação e Ciência (Canto e Castro, L. (s/ data). Modelos para comparação estatística dos resultados académicos em escolas de contexto análogo. Lisboa: Direção-Geral de Estatísticas da Educação e Ciência.

Dresdner, S. (2008), The principles of sustainability. Londres: Earthscan Publications Ltd.

Epstein, M.J. (2008). Making sustainability work, best practices in managing and measuring corporate social, environmental, and economic impacts. Sheffield: Greenleaf Publishing.

European Commission/EACEA/Eurydice (2015). Assuring quality in education: policies and approaches to school evaluation in Europe. Luxembourg: Publications Office of the European Union.

Inspeção-Geral da Educação e Ex-Inspeção-Geral do Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior (s/ data). Plano Anual de Atividades 2012. Lisboa: Inspeção-Geral da Educação e Ciência

Houaiss, A. e Salles, V (2003). Dicionário Houaiss da língua portuguesa. Lisboa: Instituto António Houaiss.

IGE (2011b). Relatório da avaliação externa 2010. Lisboa: Inspeção-Geral da Educação.

IGE (2007). Plano de atividades 2007. Lisboa: Inspeção-Geral da Educação.

IGE (2008a). Balanço social 2007. Lisboa: Inspeção-Geral da Educação.

IGE (2008b). Relatório de atividades 2007. Lisboa: Inspeção-Geral da Educação.

IGE (2009a). Avaliação externa das escolas. Lisboa: Inspeção-Geral da Educação.

IGE (2009b). Avaliação externa de escolas, referentes e instrumentos de trabalho. Lisboa: Inspeção-Geral da Educação.

IGE (2010a). Avaliação externa das escolas-agenda 2010-11. Lisboa: Inspeção-Geral da Educação.

IGE (2010b). Quadro de referência para a avaliação de escolas. Lisboa: Inspeção-Geral da Educação.

IGE (2011a), Plano de atividades 2011. Lisboa: Inspeção-Geral da Educação.

IGE (s/ data). Quadro de Referência para a avaliação de escolas e agrupamentos de escolas 2010-2011. Lisboa: Inspeção-Geral da Educação.

IGEC (2013). Balanço social 2011. Lisboa: Inspeção-Geral da Educação.

IGEC (s/ data), Agenda e organização das visitas aos agrupamentos. Lisboa: Inspeção-Geral da Educação.

Jamieson, D. (1998). Sustainability and beyond. Ecological Economics, 24, 4-24.

OCDE (2008). Desenvolvimento sustentável: Economia, Sociedade e ambiente interligados. Paris: OECD.

OCDE (2013). Sinergias para uma melhor aprendizagem: uma perspectiva internacional sobre avaliação - sumário em português, Paris: OECD.

OECD (2013). Synergies for better learning: an international perspective on evaluation and assessment. Paris: OECD Publishing.

Patton, M (2000). Utilization-Focused Evaluation. En D. Stufflebeam (Ed.), Evaluation models, viewpoints on educational and human services evaluation (pp. 34-65), Boston, MA: Kluwer Academic Publishers.

Santiago, P. (2012). OECD Reviews of Evaluation and Assessment in Education: Portugal 2012. Paris: OECD Publishing.