Vol. 18 Núm. 4 (2020): Segregación escolar
Artículos

Segregação Escolar e Desigualdades Educacionais no Início da Escolarização no Brasil

Tiago Lisboa Bartholo
Biografía
Mariane Campelo Koslinski
Biografía
Felipe Macedo de Andrade
Biografía
Daniel Lopes de Castro
Biografía
Portada del Volumen 18, número 4 de la revista REICE
Publicado septiembre 27, 2020

Palabras clave:

Segregação escolar; Desigualdades educacionais; Efeito par; Estudo Longitudinal; Pré-escola.
Cómo citar
Bartholo, T. L., Koslinski, M. C., de Andrade, F. M., & de Castro, D. L. (2020). Segregação Escolar e Desigualdades Educacionais no Início da Escolarização no Brasil. REICE. Revista Iberoamericana Sobre Calidad, Eficacia Y Cambio En Educación, 18(4). https://doi.org/10.15366/reice2020.18.4.003

Resumen

O artigo descreve padrões de segregação escolar no início do processo formal de escolarização na cidade do Rio de Janeiro, Brasil, e estima o efeito da segregação escolar (efeito par ou efeito mistura/compositional effect) no aprendizado das crianças nos dois primeiros anos na escola. Este é um fenômeno importante para analisar o processo de distribuição de oportunidades educacionais nas redes públicas e privadas de ensino. O conceito de segregação escolar utilizado neste artigo se refere à distribuição desigual de alunos que partilham de uma característica específica em um agrupamento de escolas. O estudo utiliza o Índice de Segregação (Segregation Index) e considera duas características dos alunos: 1) cor/raça; 2) escolaridade dos pais. O efeito da composição social foi estimado com dados de um estudo longitudinal e analisa separadamente o aprendizado no primeiro e segundo ano na escola. Os resultados preliminares sugerem que os padrões de segregação escolar observados na pré-escola são semelhantes aos descritos no primeiro ano do ensino fundamental. Não há, portanto, grande impacto nos padrões de segregação na transição entre as etapas de ensino. Os modelos para estimar o efeito da composição social das escolas (compositional effect) no aprendizado dos alunos sugerem que há efeito, com resultados mais consistentes para a medida de linguagem.

Descargas

Los datos de descargas todavía no están disponibles.

Citas

Alves, L., Batista, A. A. G., Ribeiro, V. M. e Érnica, M. (2015). Seleção velada em escolas públicas: Práticas, processos e princípios geradores. Educação e Pesquisa, 41, 37-152. https://doi.org/10.1590/S1517-97022015011488.

Bartholo, T. L. (2013). Measuring between-school segregation in an open enrollment system: The case of Rio de Janeiro. Journal of School Choice, 7, 353-371. https://doi.org/10.1080/15582159.2013.808937

Bartholo, T. L. (2014). Segregação escolar na cidade do Rio de Janeiro: Análise da movimentação de estudantes. Estudos em Avaliação Educacional, 25, 242. https://doi.org/10.18222/eae255820142927

Bartholo, T. L. e Costa, M. (2014). Turnos e segregação escolar: Discutindo as desigualdades intraescolares. Cadernos de Pesquisa, 44, 670-692. https://doi.org/10.1590/198053142771

Bartholo, T. L. e Costa, M. (2016). Evidence of a school composition effect in Rio de Janeiro public schools. Ensaio, 24, 498-521. https://doi.org/10.1590/S0104-40362016000300001

Bartholo, T. L. e Costa, M. (2018). Patterns of school segregation in Brazil: Inequalities and education policy. En X. Bonal e C. Bellei (Orgs.), Understanding school segregation: Patterns, causes and consequences of spatial inequalities in education (pp. 65-82). Bloomsbury Academic. https://doi.org/10.5040/9781350033542.ch-004

Bartholo, T. L., Koslinski, M. C., Costa, M. e Barcellos, T. M. (2019). What do children know upon entry to pre-school in Rio de Janeiro? Ensaio, 7, 1-22. https://doi.org/10.1590/s0104-40362019002702071

Bartholo, T. L., Koslinski, M. C., Costa, M., Tymms, P. B., Merrell, C. e Barcellos, T. M. (2020). The use of cognitive instruments for research in early childhood education: constraints and possibilities in the Brazilian context. Pro-Posições, 31, e20180036. https://doi.org/10.1590/1980-6248-2018-0036

Boone, W. J. (2006). Rasch analysis for instrument development: Why, when, and how? Erin Dolan.

Bruel, A. L. e Bartholo, T. L. (2012). Desigualdade de oportunidades educacionais na rede pública municipal do Rio de Janeiro: Transição entre os segmentos do ensino fundamental. Revista Brasileira de Educação, 17, 303-328. https://doi.org/10.1590/s1413-24782012000200004

Carvalho, M. P. (2005). Quem é negro, quem é branco: Desempenho escolar e classificação racial de alunos. Revista Brasileira de Educação, 28, 77-95. https://doi.org/10.1590/S1413-24782005000100007.

Carvalho Filho, J. L. (2016). Segregação espacial e segregação escolar: Notas para uma sociologia da distribuição espacial e social dos estabelecimentos de ensino. Mediações, 21(2), 359-380. https://doi.org/10.5433/2176-6665.2016v21n2p359

Castro. C. M. (2016). Avaliação do aprendizado no ciclo de alfabetização de alunos da rede municipal do Rio de Janeiro (Dissertação de Mestrado). Escola Nacional de Ciências Estatísticas IBGE.

Denton, N. A. (1996). The persistence of segregation: Links between residential segregation and school segregation. Minnesota Law Review, 80, 795-824.

Duncan, O. D. e Duncan, B. (1955). A methodological analyses of segregation indexes. American Sociological Review, 20(2), 210-217.

Érnica, M. e Batista, A. A. G. (2012). A escola, a metrópole, e a vizinhança vulnerável. Cadernos de Pesquisa, 42, 640-666. https://doi.org/10.1590/S0100-15742012000200016

Frankenberg, E. (2013) The role of residential segregation in contemporary school segregation. Education and Urban Society, 45(5), 548-570. https://doi.org/10.1177/0013124513486288

Goldhaber, D. (1999). School choice: An examination of the empirical evidence on achievement, parental decision making and equity. Educational Researcher, 28, 16-25. https://doi.org/10.3102/0013189X028009016

Gorard, S. e See, B. H. (2013) Overcoming disadvantage in education. Routledge.

Gorard, S., Taylor, C. e Fitz, J. (2003). Schools, markets and choice policies. Routledge. https://doi.org/10.4324/9780203609040

Harker, R. e Tymms, B. (2004). The effects of student composition on school outcomes. School effectiveness and school improvement. An International Journal of Research, Policy and Practice, 15(2), 177-199. https://doi.org/ 10.1076/sesi.15.2.177.30432

Harris, R. (2012). Local indices of segregation with application to social segregation between London’s secondary schools. Environment and Planning, 44, 669-687. https://doi.org/10.1068/a44317

Higgins, S., Kokotsaky, D. e Coe, R. (2012). The teaching and learning toolkit: Technical appendices. Education Endowment Foundation.

Hutchens, R. (2004). One measure of segregation. International Economic Review, 45(2), 555-578. https://doi.org/10.1111/j.1468-2354.2004.00136.x

Koslinski, M. C. e Carvalho, J. T. (2015). Escolha, seleção e segregação nas escolas municipais do Rio de Janeiro. Cadernos de Pesquisa, 45(158), 916-942. ttps://doi.org/10.1590/198053143352

Koslinski, M. C., Alves, F. e Lange, W. (2013). Desigualdades educacionais em contextos urbanos: Um estudo da geografia de oportunidades educacionais na cidade do Rio de Janeiro. Educação & Sociedade, 34(125), 1175-1202. https://doi.org/10.1590/S0101-73302013000400009

Koslinski, M. C., Costa, M. e Alves, F. (2014). Residential segregation, school quasi-market and school segmentation in the context of Rio de Janeiro. En L. Ribeiro (Org.), The metropolis of Rio de Janeiro: A space in transition (pp. 219-246). Routledge.

Marino, L. L. (2016). Análise de dados com característica longitudinal em educação: Um estudo sobre o município do Rio de Janeiro (Dissertação de Mestrado). Escola Nacional de Ciências Estatísticas IBGE.

Mendes, I. A. A. (2017). Território, segregação escolar e políticas de regulação de matrícula: Um estudo da cidade de Belo Horizonte (Tese Doutorado). Programa de Pós-Graduação em Educação. Universidade Federal de Minas Gerais.

Murillo, F. J. (2016). Midiendo la segregación escolar en América Latina. Un análisis metodológico utilizando el TERCE. REICE. Revista Iberoamericana sobre Calidad, Eficacia y Cambio en Educación, 14(4), 33-60. https://doi.org/10.15366/reice2016.14.4.002

Noreisch, K. (2007). Choice as rule, exception and coincidence: Parents’ understandings of catchment areas in Berlin. Urban Studies, 44(7), 1307-1328. https://doi.org/10.1080/00420980701302320

Quiroz, S. S., Dari, N. L. e Cervini, R. A. (2020). Oportunidad de aprender e segmentación socioeconómica en Argentina PISA 2015. REICE. Revista Iberoamericana sobre Calidad, Eficacia y Cambio en Educación, 18(3), 93-112. https://doi.org/10.15366/reice2020.18.3.005

Rawls, J. (1971). A theory of justice. Harvard University Press.

Rosistolato, R., Pires do Prado, A. P., Muanis, M. C. e Cerdeira, D. G. (2019). Burocracia educacional em interação com as famílias nos processos de matrícula escolar na cidade do Rio de Janeiro. Jornal de Políticas Educacionais, 13, 1-28. https://doi.org/10.5380/jpe.v13i0.68554

Santos, H. e Elacqua, G. (2016). Socioeconomic school segregation in Chile: Parental choice and theoretical counterfactual analysis. CEPAL Review, 119, 123-137. https://doi.org/10.18356/bf11809a-en

Saporito, S. (2003). Private choices, public consequences: Magnet school choice and segregation by race and poverty. Social Problems, 50(2), 181-203. https://doi.org/10.1525/sp.2003.50.2.181

Tymms, P. (1999). Baseline assessment and monitoring in primary schools: Achievements, attitudes and value-added indicators. David Fulton Publishers.

Tymms, P. (2004). Effect sizes in multilevel models. En I. Schagen e K. Elliot (Orgs.), But what does it mean? The use of effect sizes in educational research (pp. 79-112). National Foundation for Educational Research.

Van Zanten, A. (2005). Efeitos da concorrência sobre a atividade dos estabelecimentos escolares. Cadernos de Pesquisa, 35(126), 565-593. https://doi.org/10.1590/S0100-15742005000300003.

West, A., Hind, A. e Pennell, H. (2004). School admissions and "selection" in comprehensive schools: Policy and practice. Oxford Review of Education, 30(3), 347-369. https://doi.org/10.1080/0305498042000260485