A Identidade da Teoria da Contabilidade: Uma Análise de Aspectos da Legitimidade Sócio-Política e Cognitiva da Disciplina no Brasil

Fabricia Silva da Rosa, Sandro V. Soares, Viviane Silva da Rosa, Rogério J. Lunkes, Elisete Dahmer Pfitscher

Resumen


Organismos ligados a educação em contabilidade têm influenciado as reformulações curriculares e normativas da disciplina Teoria da Contabilidade, a comunidade científica por usa vez, tem discutido em artigos e livros, a identidade da disciplina no mundo para auxiliar seu processo de consolidação. Uma das formas de verificar a identidade de uma disciplina é identificar um conjunto de características próprias e exclusivas que permitem diferenciá-la das demais e que lhe confiram perspectiva de continuidade (Rowe, Truex & Kvasny, 2004). Estas características podem ser refletidas através da legitimidade sociopolítica e cognitiva (Messner, Becker, Schäffer, & Binder,2008). Neste contexto, Qual a identidade da disciplina de teoria de contabilidade no Brasil? Para responder esta pergunta, o objetivo deste estudo é identificar e analisar aspectos de legitimidade sociopolítica e cognitiva da disciplina de Teoria da Contabilidade visando à busca de sua identidade como disciplina no Brasil. Para atender este objetivo, a presente pesquisa utilizou-se de análise de conteúdo para identificar em documentos e informações de cursos de contabilidade no Brasil, a identidade da disciplina de Teoria da Contabilidade. Foram utilizados critérios de legitimidade sociopolítica e cognitiva para realizar a análise dos documentos. Em relação à legitimidade sociopolítica, foram pesquisados documentos, normas e resoluções de órgãos oficiais, grupos de pesquisa, e de representação de classe, e com a finalidade de analisar a legitimidade cognitiva, as publicações nas principais revistas de contabilidade, congressos e seminários, disciplinas, livros e manuais, foram o foco desta pesquisa. Os resultados revelam que a disciplina tem identidade própria. Quanto à legitimidade sociopolítica verifica-se que os órgãos oficiais e de classe exercem influência na disciplina, contudo a disciplina carece maior legitimidade junto à comunidade científica (grupos de pesquisa e CNPq). Quanto à legitimidade cognitiva verifica-se suas características como disciplina própria, presença em grades curriculares de graduação e pós-graduação, e bons níveis de publicações em revistas científicas, contudo necessita estabelecer padrões de temas e nomenclaturas próprias.


 


Palabras clave


Teoría de la contabilidad; legitimidad; identidad

Texto completo:

PDF (Português (Brasil))

Referencias


Aldrich, H. (1999). Organizations Evolving. Thousand Oaks, CA: Sage.

Andrade, C. S. (2002). O ensino de contabilidade introdutória nas universidades públicas do Brasil. (Dissertação de Mestrado em Ciências Contábeis), São Paulo: Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade – Universidade de São Paulo.

Andrade, M. M. (2002). Introdução à metodologia do trabalho cientifico: elaboração de trabalhos na graduação. São Paulo: Atlas.

ANPAD – ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA EM ADMINISTRAÇÃO (2012). Consulta interativa – eventos. Consultado em 25 maio 2012 através de http://www.anpad.org.br/busca_resultado.php.

ANPCONT – ASSOCIAÇÃO NACIONAL DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS. (2012). Congressos. Consultado em 25 maio 2012 através de http://www.anpcont.com.br/site/secao.php?id=8&nome_secao=Congressos.

Becher, T. (1989). Academic Tribes and Territories. Intellectual Enquiry and the Cultures of Disciplines. Buckingham and Bristol: SRHE.

Benbasat, I. y Zmud, R. (2003). The identity crisis within the IS discipline: defining and communicating the discipline’s core properties. MIS Quarterly, 27 (2), pp.183-194.

Borba, J. A., Poeta, F. Z. y Vicente, E. F. R. (2011). Teoria da Contabilidade: uma Análise da Disciplina nos Programas de Mestrado Brasileiros. Sociedade, Contabilidade e Gestão, Rio de Janeiro, 6, (2), pp. 124-138.

Borinelli, M. L. y Beuren, I. M. (2008). Os Fundamentos do Postulado da Continuidade sob a Ótica do Ciclo de Vida Organizacional. Revista de Contabilidade (UFBA), 2 (3), pp.67-78.

BRASIL (2002). Portaria ministerial nº. 397, de 9 de outubro de 2002. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 10 de outubro de 2002. Consultado em 11 de dezembro de 2009 através http://www.mtecbo.gov.br/cbosite/pages/home.jsf.

BRASIL (2004). Ministério da Educação e do Desporto. Conselho Nacional de Educação. Resolução nº 10/04, de 16 de dezembro de 2004. Consultada em 16 de 11 de 2011 através de http://portal.mec.gov.br/cne/index.php?option=cotent&task=viw&id=146&Itemid=206#20 04.

BRASIL (2004a). Resolução CNE/CES 10, de 16 de dezembro de 2004. Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais para o Curso de Graduação em Ciências Contábeis, bacharelado, e dá outras providências. In: RESOLUÇÕES, 2004. Portal CNE. Consultado 10/11/2011 em http://portal.mec.gov.br/cne/index.php?optin=contnt&task=view&id=146&Itemid=206#2004.

BRASIL (2001). Ministério da Educação e do Desporto. Conselho Nacional de Educação. Resolução nº 1/01, de 03 de abril de 2001. Disponível em: . Acesso em: 10/11/2011.

BRASIL (2002). Ministério da Educação e do Desporto. Conselho Nacional de Educação. Parecer nº 146/2002. Disponível em: . Acesso em: 11/11/2011.

BRASIL (2003). Ministério da Educação e do Desporto. Conselho Nacional de Educação. Parecer nº 67/2003. Disponível em: . Acesso em: 10/09/2011.

BRASIL (2003a). Ministério da Educação e do Desporto. Conselho Nacional de Educação. Parecer nº 289/2003. Disponível em: . Acesso em: 10/11/2011.

BRASIL (2004). Ministério da Educação e do Desporto. Conselho Nacional de Educação. Parecer nº 269/2004. Disponível em: . Acesso em: 10/11/2011.

Calixto, L. (2006). O Ensino da Contabilidade Ambiental nas Universidades Brasileiras: Um Estudo Exploratório. Revista Universo Contábil, 2 (3), pp. 65-78.

CAPES - COORDENAÇÃO DE APERFEIÇOAMENTO DE PESSOAL DE NÍVEL SUPERIOR. (2012). Relação de cursos recomendados e reconhecidos – Administração, Ciências Contábeis e Turismo. Consultado em 1 de Junho de 2012 através de http://conteudoweb.capes.gov.br/conteudoweb/ProjetoRelacaoCursosServlet?acao=pesquisarIes&

amp;codigoArea=60200006&descricaoArea=CI%CANCIAS+SOCIAIS+APLICADAS+&descricaoAreaConhecimento=

ADMINISTRA %C7%C3O&descricaoAreaAvaliacao=ADMINISTRA%C7%C3O%2C+CI%CANCIAS+CONT %C1BEIS+E+TURISMO.

Carneiro, J. D. (2009). Proposta Nacional de Conteúdo para o Curso de Graduação em Ciências Contábeis. 2. ed. rev. e atual. Brasília: Fundação Brasileira de Contabilidade.

CNPQ - CONSELHO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO CIENTÍFICO E TECNOLÓGICO. (2012). Diretório dos Grupos de Pesquisa no Brasil. Consultado em 31 de maio de 2012 através de http://dgp.cnpq.br/buscaoperacional/.

CONGRESSO BRASILEIRO DE CUSTOS (2012). Congressos. Consultado em 25 de maio de 2012 através de http://www.abcustos.org.br/busca/.

CONGRESSO USP DE CONTROLADORIA E CONTABILIDADE E CONGRESSO USP DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA EM CONTABILIDADE. (2012). Anais das edições anteriores. Consultado em 25 maio 2012 através de http://www.congressousp.fipecafi.org/.

CONSELHO FEDERAL DE EDUCAÇÃO - CFE. (1992). Resolução n. 3 de 5 de outubro de 1992. Fixa os mínimos de conteúdos, duração do curso de graduação em Ciências Contábeis. Ofício n. 514/92.

CONSELHO FEDERAL DE ADMINISTRAÇÃO (2011). Consultado em 09 de outubro de 2011 através de http://www2.cfa.org.br/.

CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE (1983). Resolução n° 560 de 28 de outubro de 1983. Recuperado de http://www.cfc.org.br/conteudo.aspx?codMenu=67&codConteudo=3298.

CONSELHO FEDERAL DE ECONOMIA (2011).Consultado em 11 de novembro de 2011 através de http://www.cofecon.org.br/dmdocuments/2.3.1.pdf.

Cruz, C.F., Ferreira, A. C. S., y Szuster, N. (2011). Estrutura Conceitual da Contabilidade no Brasil: Percepção dos Docentes dos Programas de Pós- Graduação Stricto Sensu em Ciências Contábeis. Revista Pensar Contábil, 13 (50), pp. 53-63.

Drori, I., Honig, B., y Sheaffer, Z. (2009). The life-cycle of an internet firm: Scripts, legitimacy and identity. Entrepreneurship Theory and Practice, 33, pp. 715-738.

Echternacht, T. H. S., Niyama, J. K., y Almeida, C. (2007). O ensino da contabilidade internacional em cursos de graduação no Brasil: uma pesquisa empírica sobre o perfil dos docentes e recursos didáticos e metodológicos adotados. UnB Contábil, 10, pp. 95-124.

Ferreira, A. F., Splitter, K., y Borba, J. A. (Junio, 2012). Teoria da Contabilidade: uma disciplina específica ou conhecimentos que deveriam estar integrados em outras disciplinas? 12º Congresso USP de Controladoria e Contabilidade. São Paulo.

Gil, A. C. (1999). Métodos e Técnicas de Pesquisa Social. 5ª. Ed. São Paulo: Atlas.

Guah, M. W., y Fink, K. (2009). Investigating Legitimacy and Identity for Healthcare Information Systems Research; AMCIS 2009 Proceedings.

Hofer, E., Peleias, I. R. y Weffort, E. F. J. (2005). Análise das condições de oferta da disciplina contabilidade introdutória: pesquisa junto às universidades estaduais do Paraná. Rev. contab. finanç., São Paulo, 16 (39), pp.1-24.

Hunt, C. S. y Aldrich, H. E. (1996). Why even Rodney Dangerfield has a home page: Legitimizing the world wide web as a medium for commercial endeavors. Cincinnati: Academy of Management Annual Meeting, Cincinnati: Academy of Management.

INEP. (2010). Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Ministério da Educação. Sinopses Estatísticas da Educação Superior: Graduação. Consultado em 27 de Junho de 2012 através de http://portal.inep.gov.br/superior-censosuperior-sinopse.

Iudícibus, S. (2009a). Introdução à Teoria da Contabilidade. 5. ed. São Paulo: Editora Atlas.

Iudícibus, S. (2009b). Teoria da Contabilidade. 9. ed. São Paulo: Atlas.

Iudícibus,S.(2012). Teoria da Contabilidade: evolução e tendências. Revista de Contabilidade do Mestrado em Ciências Contábeis da UERJ (on line), 17 (2), pp. 5-13.

Iudícibus, S. y Lopes, A. B. (2004) Teoria Avançada da Contabilidade. 1ª. Ed. São Paulo: Atlas.

Iudícibus, S., y Marion, J. C. (1999). Introdução a Teoria da Contabilidade: para o nível de graduação. São Paulo: Atlas.

Jenkins, R. (2004). Social Identity. London: Routledge.

Karlsson, T. y Wigren, C. (2010). Start-ups among university employees: the influence of legitimacy, human capital and social capital. The Journal of Technology Transfer, 35 (2), pp. 1-25.

Kronbauer, C. A. (2009). Consolidação e divulgação da teoria contábil: contribuição de Hendriksen e Van Breda. Revista Base, 6 (3), pp. 275-278, setembro/outubro.

Lima, E. B. y Vasconcelos, T. C. (2010, Jun.). Das políticas curriculares oficiais ao cotidiano da prática pedagógica: um olhar sobre a diversidade cultural e o direito de todos à educação In: V Colóquio Luso-Brasileiro sobre Questões Curriculares / IX Colóquio sobre Questões Curriculares, Porto.

Lopes, A. B. y Martins, E. (2007) Teoria da Contabilidade: Uma nova abordagem, 2ª reimpressão. São Paulo: Atlas.

Lounsbury, M. y Glynn, M. A. (2001). Cultural entrepreneurship: Stories, legitimacy, and the acquisition of resources. Strategic Management Journal, 22, pp. 545-564.

Lunkes, R. J., Ripoll Feliu, V. M., Borba, A. J. y Rosa, F. S. (2012). Análise Quantitativa Da Produção E Da Formação De Doutores Em Contabilidade Gerencial: Um Estudo No Cenário Espanhol. Revista Universo Contábil, 8, pp. 118-133.

Madeira, G. J., Mendonça, K. F. C., y Abreu, S. M. (2003). A disciplina teoria a contabilidade nos exames de suficiência e provão. Contabilidade Vista e Revista, ed. especial, pp. 103-122.

Marion, J. C. (1997). A disciplina Teoria da Contabilidade nos cursos de graduação – algumas considerações. Contabilidade Vista e Revista, Belo Horizonte, 8 (2) pp. 3-8.

Mendes, J. B. (2000). A utilização de jogos de empresa no ensino da contabilidade – uma experiência no curso de ciências contábeis da Universidade Federal de Uberlândia. In: Congresso Brasileiro De Contabilidade, 16, 2000. Anais. Goiânia.

Messner, M., Becker, C., Schäffer, U. y Binder, C. (2008). Legitimacy and Identity in Germanic Management Accounting Research. European Accounting Review, 17 (1), pp. 129-159.

Moraes Júnior, V. F. y Nascimento, I. A. (2009). Evolução e Desenvolvimento da Teoria da Contabilidade: contexto histórico. Ver. Ambiente Contábil. 1 (1).

Niyama, J. K. y Silva, C. A. T. (2008) Teoria da Contabilidade; 1ª Edição; São Paulo: Atlas.

Nossa, V., Coelho, C .R. A. y Chagas, J.F. (Mayo,1997). O ensino de contabilidade de Custos no Brasil. Apresentado em Congresso Internacional de Costos. Acapulco. Anais do V Congresso Internacional de Costos. Acapulco: CIC.

Ott, E. y Pires. C. (2010). Estrutura curricular do curso de ciências contábeis no Brasil versus estruturas curriculares propostas por organismos internacionais: uma análise comparativa. Revista Universo Contábil, 6, pp. 28-45.

Pereira, A. C. et al., (2008) Relato de um momento importante: reflexões dos alunos da disciplina Teoria da Contabilidade do Mestrado da USP: trinta anos depois. Revista Contabilidade e Finanças da USP, 19 (46), pp.1-6.

Raupp, F. M., Amboni, N., Cunha, D. R., Duarte, J. F. y Agostineto, R. C. (2009). O ensino de contabilidade geral e contabilidade de custos nos cursos de graduação em administração do Estado de Santa Catarina. Revista de Negócios, 14, pp. 71-88.

Ribeiro Filho, J. F., Lopes, J. E. G. y Pederneiras, M. (2009) Estudando teoria da Contabilidade. São Paulo: Atlas, 2009.

Ricardino, A. (2005). Contabilidade Gerencial e Societária – Origens e Desenvolvimento. Rio de Janeiro: Saraiva.

Richardson, R. J. (1999). Pesquisa Social: métodos e técnicas. 3. ed. São Paulo: Atlas.

Richartz, F., Krüger, L. M., Lunkes, R. J. y Borgert, A. (2012). Análise Curricular em Controladoria e as Funções do Controller. Revista Iberoamericana de Contabilidad de Gestión, 9 (19), pp. 25-39.

Rowe, F., Truex D. P. y Kvasny, L. (2004). Cores and Definitions: Building the Cognitive Legitimacy of the Information Systems Discipline Across the Atlantic, IFIP International Federation for Information Processing, 143, pp. 83-101.

Lopes, S. A. (2010). Teoria da Contabilidade. São Paulo: Editora Atlas, 5a. edição.

Sacramento, C. (1998). O ensino de teoria da contabilidade no Brasil. Cadernos de estudos, 18.

Santos, R. V. (2003). Jogos de Empresas Aplicados ao Processo de Ensino e Aprendizagem de Contabilidade. Revista de Contabilidade et Finanças da USP, 31, pp. 78-95.

Scott, W. R. (2001). Institutions and Organizations. 2 ed. London: Sage Publications.

Shiroma, E. O., Moraes, M. C. M., y Evangelista, O. (2000). Política Educacional. Rio de Janeiro: DP and A.

Soares, S. V., Ebsen, K. S. y Pfitscher, E. D. (2010). Formação Acadêmica dos Pesquisadores em Ciências Contábeis no Brasil: uma Análise Descritiva em Níveis de Doutorado, Pós-Doutorado e Livre-Docência. Trabalho. Apresentado em 10º Congresso USP de Controladoria e Contabilidade e 7º Congresso USP de Iniciação Científica em Contabilidade, 2010, São Paulo.

Soares, S. V., Silva, G. R. y Pfitscher, E. D. (2012). Teoria da Contabilidade: o que se ensina nos cursos de Ciências Contábeis das Universidades Federais Brasileiras? In: Congresso Brasileiro de Contabilidade, 19, Belém. Anais. Belém: CFC.

Souza, A. A., Avelar, E. A., Boina, T. M. y Rodrigues, L. T. (2008). Ensino de Contabilidade Gerencial: Estudo dos Cursos de Ciências Contábeis das Melhores Universidades Brasileiras. Revista Contemporânea de Contabilidade, Florianópolis, 1 (10), pp. 69-90.

Theóphilo, C. R., Sacramento, C .O. J., Neves, F. y Souza, P. L. (2000). O ensino da Teoria da Contabilidade no Brasil. Contabilidade Vista and Revista, Belo Horizonte, 11 (3), pp. 3-10.

Zimmerman, M. A. y Zeitz, G. J. (2002). Beyond Survival: Achieving New Venture Growth By Building Legitimacy. Academy of Management Review, 27 (3), pp. 414-431.

Zott, C. y Huy, Q. N. (2007). How entrepreneurs use symbolic management to acquire resources. Administrative Science Quarterly, 52, pp. 70–105.




Copyright (c) 2016 REICE. Revista Iberoamericana sobre Calidad, Eficacia y Cambio en Educación

REICE. Revista Iberoamericana sobre Calidad, Eficacia y Cambio en Educación está indexada en:

Scopus, Emerging Sources Citation Index (ESCI), Google Académico, Dialnet, ISOC, Redalyc, EBSCO Fuente Académica Premier, EBSCO Fuente Académica Plus, ERIH PLUS, CIRC, DICE, GENAMICS, Latindex, MIAR, Resh, Biblioteca de la OEI, In-Recs, Iresie, REDIB, REDIAL, DOAJ, Dulcinea, EZB, BNE, GLOOBAL, REBIUN, Sudoc, WorldCat y Georgetown University Library, Copac *.