Vol. 10 Núm. 4 (2012): El Diseño Curricular como Factor de Calidad Educativa
Artículos

Avaliações Externas e Ensino Fundamental: Do Currículo para a Qualidade ou da “Qualidade” para o Currículo?

Publicado enero 14, 2016

Palabras clave:

Avaliação educacional, responsabilização e currículo.

Resumen

O presente artigo tem por objetivo discutir a relação do processo de criação de Sistemas de Avaliação Educacional em Larga Escala em âmbito nacional e estadual com o currículo escolar do ensino fundamental. Nesse sentido, discute a criação do SAEB e da Prova Brasil e suas interfaces com o currículo, a criação e a expansão dos Sistemas Estaduais de Avaliação, as repercussões no currículo e algumas possibilidades de uso dos resultados de modo a contribuir para a qualidade do ensino fundamental ofertado na rede pública de ensino. O que se encontrou por meio da análise documental das matrizes de referência de sistemas de avaliação selecionados é que há preocupação em diferenciá-las da proposta curricular, mas o levantamento bibliográfico de estudos de caso de redes locais e estaduais de ensino indica que na prática a realidade é diferente e ao contrário do esperado, as contribuições e alterações no sentido de buscar uma educação de melhor qualidade não se dão no sentido currículo-avaliação, mas sim no sentido avaliação-currículo, o que se não for planejado e monitorado pode ter como consequência a redução curricular e perda da diversidade no ensino fundamental. 

 

Citas

Almeida, Tenório e Schmitz (2011). O uso dos resultados da Prova Brasil na tomada de decisão em âmbito escolar. Anais do XX EPENN. Manaus, AM, Brasil.

Bonamino, A. e Sousa, S. (2012). Três gerações de avaliação da educação básica no Brasil: interfaces com o currículo da/na escola. Revista Educação e Pesquisa, 38 (2), pp. 373-388.

Coll, C. (1996) Psicologia e currículo. São Paulo: Ática.

Fernandes, R. (2007) Índice de desenvolvimento da educação básica. Série Documental. Brasília: INEP.

Freire (2008). SARESP 2005.As vicissitudes da avaliação em uma escola da rede estadual. Dissertação,SP: Faculdade de Educação USP, São Paulo.

Freitas e Ovando (2011). As iniciativas de avaliação nas redes escolares municipais. En D. Freitas, e G. Real, Políticas e monitoramento da qualidade do ensino fundamental cenários municipais. Dourados: UFGD.

Ovando (2011). A avaliação na política educacional de municípios sul-mato-grossenses. En D.Freitas, e S. Lima, (Ed) Políticas e Qualidade de Ensino em Redes Escolares Municipais Sul-Mato-Grossenses. Dourados: UFGD.

Pereira, M. e Mori, N.(2011) Diretrizes curriculares e desempenho dos alunos paranaenses da 8ª série do ensino fundamental na Prova Brasil. Revista Brasileira de Pós-Graduação, 8, pp. 121-143.

Silva e Lira (2011). Impactos do Índice de Desenvolvimento da Educação (IDEB) na organização escolar e no trabalho docente em uma escola municipal de Campina Grande. IN: Anais do XX EPENN. Manaus, AM, Brasil.

Sousa, S. e Arcas, P. (2010). Implicações da Avaliação em Larga Escala no Currículo: revelações de escolas estaduais de São Paulo. Educação: teoria e Prática, 20 (35), pp.181-199.

Strasburg (2010). Relato de experiência da SMED de São Leopoldo a respeito da avaliação de larga escala. En F.Werle, (Ed) Avaliação em larga escala Foco na Escola. São Leopoldo: Oikos.

Vieira e Vidal (2011). Gestão educacional e resultados no IDEB: um estudo de caso em dez municípios cearenses. En F.D.reitas y G.Real, (Eds) Políticas e monitoramento da qualidade do ensino fundamental cenários municipais.Dourados:UFGD.