Os Municípios e as AEC: Tendências Descentralizadoras da Política Educativa em Portugal

Neusa Castanheira, Manuela Gonçalves

Resumen


Em Portugal, no período pós-25 de abril de 1974, o município passou a desempenhar um papel crescentemente relevante em matérias educativas. Este papel foi reforçado com a implementação do Programa de Atividades de Enriquecimento Curricular (AEC) numa lógica de sustentar o conceito de Escola a Tempo Inteiro. Neste artigo, analisa-se o projeto das AEC como um contributo para uma descentralização de competências com base no município. Neste contexto, perspetiva-se a implementação do Programa e a ação educativa do município, por um lado, e discutem-se as políticas educacionais de descentralização e desconcentração em Portugal, após o 25 de abril, por outro. Aplicando uma metodologia qualitativa através da realização de entrevistas semiestruturadas em três municípios contíguos, foi desenvolvido um estudo empírico, a partir do qual é possível afirmar que a relação escola-município se encontra claramente reforçada. Contudo, os agentes escolares encaram ainda tal projeto como uma componente extra-escolar traduzindo o receio e o desacordo face a uma real descentralização de competências para os municípios. 

 


Palabras clave


Descentralização; Desconcentração; Municipalização; Atividades de enriquecimento curricular.

Texto completo:

PDF (Português (Portugal))

Referencias


Baixinho, A.F. (2008). Educação e autarquias em Portugal. Lógicas de ação do poder autárquico em face do poder central e dos micropoderes locais. EccoS Revista Científica, 10(1), 233-254.

Baixinho, A. F. (2009). O Município e a construção da política local de educação: estudo de caso numa autarquia do oeste. EccoS Revista Científica, 11(2), 433-455.

Barreto, A. (1995). Centralização e descentralização no sistema educativo. Análise Social, 1(130), 159-173.

Barroso, J. (1999). A escola entre o local e o global. Perspetivas para o século XXI. O caso de Portugal. En J. Barroso (Org.). A escola entre o local e o global. Perspetivas para o século XXI (pp. 129-142). Lisboa: Educa.

Bitar, M.S. (2006). A política educacional francesa em foco: um breve estudo sobre o processo de descentralização da educação na França. Pro-posições, 17(2), 175-194.

CAP (2006). Comissão de acompanhamento do programa (2006). Relatório intercalar de acompanhamento das atividades de enriquecimento curricular-programa de generalização do ensino do inglês nos 3º e 4º anos e de outras atividades de enriquecimento curricular no 1º ciclo do ensino básico. Lisboa: Ministério da Educação.

Carvalho, M.I. (2012). A (des) centralização e a intervenção dos municípios na educação: a percepção dos diversos actores educativos. Dissertação de Mestrado não publicada, Universidade Católica Portuguesa, Viseu.

Carvalho, E.J. (2014). Reformas na administração educacional: uma análise comparada entre Brasil e Portugal. Revista Portuguesa de Educação, 27(1), 29-54.

Casassus, J. (1990). Descentralização e desconcentração educacional na América Latina: fundamentos e crítica. Cadernos de Pesquisa, 74, 11-19.

Castro, C.S. (2007). Administração e organização escolar: o direito administrativo da escola. Porto: Porto Editora.

Cerca, I. (2008). Poder Local e educação: que relação? Cadernos do observatório dos poderes locais, 13, 1-24.

Delgado, P. e Souto, P.M. (2010). As competências educativas locais na Península Ibérica: legislação educativa e normativa municipal de Espanha e Portugal. Revista Iberoamericana de Educación, 54(3), 14-38.

Esteves, T. (2009). A descentralização da administração da educação: as autarquias locais enquanto promotoras do programa das actividades de enriquecimento curricular no 1º CEB. Dissertação de Mestrado não publicada, Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação, Universidade de Lisboa, Lisboa.

Fernandes, A.S. (1996). Os municípios portugueses e a educação. As normas e as práticas. En J. Barroso e J. Pinhal (Org.), A Administração da educação. Os caminhos da descentralização. Atas do seminário do fórum português de administração educacional (pp. 113-124). Lisboa: Edições Colibri.

Fernandes, A.S. (1999). Os municípios portugueses e a educação: entre as representações do passado e os desafios do presente. En J. Formosinho, A.S. Fernandes, M. Sarmento e F.I. Ferreira (Eds.), Comunidades educativas. Novos desafios à educação básica (pp. 159-180). Braga: Livraria Minho.

Fernandes, A.S. (2003). Descentralização da Administração Educacional. A emergência do município como interventor educativo. En L.L. Dinis e N. Afonso (Eds.), Atas do 2º congresso nacional do fórum português de administração educacional “a escola entre o estado e o mercado: o público e o privado na regulação da educação” (pp. 83-96). Lisboa: Fórum Português de Administração Educacional.

Fernandes, A.S. (2005). Descentralização, desconcentração e autonomia dos sistemas educativos: uma panorâmica europeia. En J. Formosinho, A.S. Fernandes, J. Machado e F.I. Ferreira (Eds.), Administração da educação. Lógicas burocráticas e lógicas de mediação (pp. 53-87). Lisboa: Edições Asa.

Formosinho, J. (2000). A autonomia das escolas. Lógicas territoriais e lógicas anifitárias. En J. Machado, A.S. Fernandes e J. Formosinho (Coords.), Atas do seminário autonomia contratualização e município (pp. 45-52). Braga: Centro de Formação de Associação de Escolas Braga Sul.

Formosinho, J. (2005a). Centralização e descentralização ma administração da escola de interesse publico. En J. Formosinho, A.S. Fernandes, J. Machado e F.I. Ferreira (Coords.), Administração da educação. Lógicas burocráticas e lógicas de mediação (pp. 13-87). Lisboa: Edições ASA.

Formosinho, J. (2005b). A construção da autonomia das escolas: lógicas territoriais e lógicas afinitárias. En J.Formosinho, A.S. Fernandes, J. Machado e F.I. Ferreira (Coords.), Administração da educação. Lógicas burocráticas e lógicas de mediação (pp. 307-319). Porto: Edições ASA.

Formosinho, J. e Machado, J. (2005). A administração da escola de interesse público em Portugal – Políticas recentes. En J.Formosinho, A.S. Fernandes, J. Machado e F.I. Ferreira (Coords.), Administração da educação. Lógicas burocráticas e lógicas de mediação (pp. 115-137). Lisboa: Edições Asa.

Grancho, J. (2008). A autonomia das escolas em Portugal. Quadro de desenvolvimento e influências internacionais. Foro de Educación, 6(10), 231-244.

Krawczyk, N. e Vieira, V. (2014). Uma perspectiva histórico-sociológica da reforma educacional na América Latina: Argentina, Brasil, Chile e México nos anos 1990. Revista Brasileira de Educação, 19(57), 513-516.

Lima, L.C. (2015). O programa "Aproximar Educação", os municípios e as escolas: descentralização democrática ou desconcentração administrativa. Questões Atuais de Direito Local, 5, 7-24.

Lopes, E.G. (2012). A descentralização do ensino: vontade do poder central ou exigência do poder local. Dissertação de Mestrado não publicada, Universidade Aberta, Lisboa.

Martins, H.M. (2007). Os municípios e a educação: estudo das modalidades de gestão das AEC. Dissertação de Mestrado não publicada, Universidade de Aveiro, Portugal.

Moraes, R. (1999). Análise de conteúdo. Revista da Educação, 22, 37-49

Neto-Mendes, A. e Simões, R. (junio, 2007). A Participação dos municípios na educação: subsídios para o estudo das políticas de descentralização em Portugal. Comunicação apresentada no V Congresso luso-brasileiro de política e administração da educação – por uma escola de qualidade para todos. Porto Alegre, Brasil.

Neves, M. (2012). A administração municipal da educação: o caso das atividades de enriquecimento curricular num município do leste da NUT III, alto Trás-os-Montes. Dissertação de mestrado não publicada, Escola Superior de Educação, Bragança.

Novaes, I.L. e Fialho, N.H. (2013). Descentralização educacional: características e perspectivas. Revista Brasileira de Política e Administração da Educação, 26(3), 46-59.

Pereira, H. e Vieira, M.C. (2006). Entrevista pela educação com António Nóvoa. Saber (e) Educar, 11, 111-126.

Pereira, M.R. (2010). Municípios e educação em Portugal: um processo de "municipalização"? Dissertação não publicada, Universidade de Aveiro, Portugal.

Pinhal, J. (1997). Os municípios e a descentralização educacional em Portugal. En A. Luís, J. Barroso e J. Pinhal (Eds.), A administração da educação: investigação, formação e práticas (pp. 177-195). Lisboa: Fórum Português de Administração Educacional.

Pinhal, J. (2011). A construção do sistema educativo local em Portugal: uma história recente. Revista Pensamento, 6(12), 13-27.

Pinho, L. (2012). A descentralização de atribuições e competências para as autarquias locais em matéria de educação. Dissertação de Mestrado não publicada, Universidade do Minho, Portugal.

Queirós, C.F. (2012). A organização das atividades de enriquecimento curricular. Dissertação de Mestrado não publicada, Universidade de Aveiro, Portugal.

Quintaneiro, A., Mendonça, A. e Bento, A. (2012). A autonomia das escolas básicas do 1.º ciclo com pré-escolar da região autónoma da madeira, da teoria à prática. Comunicação apresentada no VII Simpósio de organização e gestão escolar. Universidade de Aveiro, Portugal.

Rodrigues, A. e Sicca, N.A. (2013). O processo de municipalização dos anos iniciais do ensino fundamental: decorrencias na gestão do currículo. Nuances. Estudos sobre Educação, 24(2), 33-48.

Silva, F. (2006). A autarquia como promotora da política educativa local. O caso de um município. Dissertação de Mestrado não publicada, Universidade Aberta, Lisboa.

Soares, M. (2005). A descentralização do ensino no Brasil e a implementação dos sistemas municipais de ensino: Razões e determinações. Dissertação de Mestrado não publicada, Universidade Federal do Paraná, Curitiba.

Souza, D. e Faria, L. (2004). Reforma do estado, descentralização e municipalização do ensino no Brasil: a gestão política dos sistemas públicos de ensino pós-LDB 9.394/96. Ensaio, X, 925-944.

Souza, D., Castro, D. e Rothes, L. (2013). Políticas de descentralização da educação no Brasil e em Portugal: avanços e recuos da desconcentração de poderes. Revista Portuguesa de Educação, 26(2), 7-33.

Veiga, L. (2014). Descentralização orçamental: questões de autonomia e responsabilização. NIPE Working Papers Series, 17, 145-177.

Vieira, S.L. (2010). Poder local e educação no Brasil: dimensões e tensões. Revista Brasileira de Política e Administração da Educação, 27(1), 34-56.




DOI: http://dx.doi.org/10.15366/reice2016.14.1.004

Copyright (c) 2016 REICE. Revista Iberoamericana sobre Calidad, Eficacia y Cambio en Educación

REICE. Revista Iberoamericana sobre Calidad, Eficacia y Cambio en Educación está indexada en:

Scopus, Emerging Sources Citation Index (ESCI), Google Académico, Dialnet, ISOC, Redalyc, EBSCO Fuente Académica Premier, EBSCO Fuente Académica Plus, ERIH PLUS, CIRC, DICE, GENAMICS, Latindex, MIAR, Resh, Biblioteca de la OEI, In-Recs, Iresie, REDIB, REDIAL, DOAJ, Dulcinea, EZB, BNE, GLOOBAL, REBIUN, Sudoc, WorldCat y Georgetown University Library, Copac *.