Vol. 5 Núm. 2 (2020)
Artículos

Educação política e pensamento freireano: sistematizando o diálogo entre luta social e saúde

Leonardo Carnut
Universidad Autónoma de Madrid
Thais Teodoro Goraieb
Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo
Lúcia Dias da Silva Guerra
Universidade Anhanguera
Publicado junio 30, 2020

Palabras clave:

Crítica, educação, política, formação em saúde, sistema único de saúde

Resumen

As lutas sociais na saúde são cotidianas e datam, na história recente, desde a criação do Sistema Único de Saúde (SUS) no Brasil. Neste sentido, a formação de novos coletivos que adentram a cena sócio-política e se utilizam da prática pedagógica como um instrumento de luta social vem crescendo. Essa forma de ação/militância política é o que podemos chamar, em grande medida, como ‘educação política’. Assim, este relato de experiênciatem como objetivo refletir sobre a experiência de amadurecimento pedagógico do coletivo ‘Formação Política em Saúde’, identificando os elementos fundamentais do pensamento freireano para qualificar a ação de educação política crítica para a luta social na área da saúde. Para isso realizou-se uma sistematização de experiência sobre os estudos pedagógicos do grupo de leitura ‘Pedagogias Críticas e Saúde,’ cujo foco foi o pensamento freiriano. O grupo de leitura era composto por 12 trabalhadores/estudantes da saúde, que organizavam suas seções através do método da roda. A experiência dos estudos pedagógicos críticos sobre o pensamento freiriano contribuiu para expandir a crítica sobre o processo de formação política e sua práxis, e repensar os modos de emancipação do processo educativo ‘do-discente’ dos membros deste coletivo.

Citas

Abrasco (2019). Associação Brasileira de Saúde Coletiva. Disponível em https://bit.ly/36uTqs2

Apple, M. (2002). Pode as pedagogias críticas sustar as políticas de direita? Cadernos de Pesquisa, (116), 107-142. https://doi.org/10.1590/S0100-15742002000200006

Altamira, F. e Canarias, E. (2003). La sistematización de experiencias en el Sur y en el Norte: ¿iguales o diferentes? el proceso del grupo de trabajo de voluntariado de la CONGDE. Bilbao: INCYDE. Disponível em https://bit.ly/38HPXbm

Ayres, J.R. (2007). Uma concepção hermenêutica de saúde. Physis (UERJ. Impresso), (17), 43-62. https://doi.org/10.1590/S0103-73312007000100004

Bensaïd, D. (2008). Os irredutíveis: teoremas da resistência para o tempo presente. São Paulo: Boitempo.

Bravo, M.I.S. (2011). Serviço Social e Reforma Sanitária: lutas sociais e práticas profissionais. São Paulo: Cortez.

Bogdan, R. e Biklen, S. (1994). Investigação qualitativa em educação: uma introdução à teoria e aos métodos. Portugal: Porto.

Carnut, L., Pereira Frazão, M., Gomes de Moura, J. e Alves de Sá Silva, A.L. (2017). Principais desafios do acolhimento na prática da atenção à saúde bucal: subsídios iniciais para uma crítica. Revista da ABENO, 17(4), 46-62. https://doi.org/10.30979/rev.abeno.v17i4.448

Carvalho, Y.M. e Ceccim, R.B. (2006). Formação e educação em saúde: aprendizados com a saúde coletiva. En G.W.S. Campos, M.C.S. Minayo, M. Akerman, M. Drummond Júnior e Y.M. Carvalho (Coords.), Tratado de Saúde Coletiva (pp. 137-170). São Paulo: Editora Hucitec, Rio de Janeiro: Fiocruz.

Couto, M.T., Grangeiro, A., Venturi, G. e Levy R.B. (2017). Rendering visible heterosexually active men in Brazil: A national study on sexual behaviour, masculinities and HIV risk. Current Sociology, DOI: 10.1177/0011392117735360 https://doi.org/10.1177/0011392117735360

Cruz, N.R. (2016). A modernidade e a pós-modernidade como gênese do fascismo: o caso dos velhos e novos integralistas brasileiros. Outros Tempos, 13 (22), 26-48. https://doi.org/10.18817/ot.v13i22.543

Cruz, S.V. (1994). 1968: Movimento estudantil e crise na política brasileira. Revista de Sociologia e Política, (2), 37-55.

D'Ascenzi, L. e Lima, L.L. (2013). Análise da implementação do método da roda no sistema de saúde de campinas, SP. Sociais e Humanas, 26(01), 67-78.

Ferrara, F.A. (1993). Teoría política y salud - tomo segundo: abordando la salud. Buenos Aires: Catálogos.

Freire, P. (1978). Pedagogia do Oprimido. São Paulo: Paz e Terra.

Freire, P. (1985). Virtudes do educador. Verede: Centro de Estudos em Educação.

Freire, P. (1996). Não há docência sem discência. Em P. Freire (Coord.), Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa (pp. 21-45). São Paulo: Paz e Terra.

Freire, P. (2014). Pedagogia da solidariedade. São Paulo: Paz e Terra, 2014.

Freire, P. (2015). Política e Educação. São Paulo: Paz e Terra.

Freire, P. (2018). Pedagogia do Compromisso: América-Latina e Educação Popular. São Paulo: Paz e Terra.

Guimarães, E.M.S. (2017). Expressões conservadoras no trabalho em saúde: a abordagem familiar e comunitária em questão. Serviço Social e Sociedade, (130), 564-582. https://doi.org/10.1590/0101-6628.124

Holliday, O.J. (2006). Para sistematizar experiências. Brasília: Ministério do Meio Ambiente. Disponível em https://bit.ly/36JAx4J

Jinkings, I., Doria, K. e Cleto, M. (2016). Por que gritamos Golpe? Para entender o impeachment e a crise política no Brasil. São Paulo: Boitempo.

Libâneo, J.C. (1982). Tendências pedagógicas na prática escolar. Revista da Ande, (6), 1-35.

Mariátegui, J.C. (2010). Sobre a Educação. Em J.C. Mariátegui (Coord.), Sete ensaios de interpretação da realidade peruana (pp. 86-123). Caracas: Fundación Biblioteca Ayacucho.

Marx, K. (2012). Crítica ao programa de Gotha. São Paulo: Boitempo.

Marx, K. e Engels, F. (2007). O manifesto comunista. São Paulo: Boitempo.

Merhy, E.E. (2007). A cartografia do trabalho vivo. São Paulo: Hucitec.

Moreira, G.O., Ferraresi, F.H., Carvalho, E.M. e Amaral, E. (2017). Inclusão social e ações afirmativas no ensino superior no Brasil: para quê? Ensino Superior. Disponível em https://bit.ly/2S1Y10D

Moura, M.R.L. (2010). O Grêmio Estudantil na gestão da escola democrática: protagonismo e resiliência ou despolitização das práticas formativas? Revista de Ciências da Educação UNISAL, (23), 273-292. https://doi.org/10.19091/reced.v0i23.70

Peloso, R. (2012). Trabalho de base: seleção de roteiros selecionados pelo Cepis. São Paulo: Expressão Popular.

Pereira, A.L.F. (2003). As tendências pedagógicas e a prática educativa nas ciências da saúde. Caderno de Saúde Pública, 19 (5), 1527-1534. https://doi.org/10.1590/S0102-311X2003000500031

Schraiber, L.B. (2008). O médico e suas interações: a crise dos vínculos de confiança. São Paulo: Hucitec.

Schwartz, G.A.D. (2002). A saúde na pós-modernidade. Revista de Direito Sanitário, 3(1), 29-37. https://doi.org/10.11606/issn.2316-9044.v3i1p29-37

Tragtenberg, M. (2004). Sobre educação, política e sindicalismo. São Paulo: Editora Unesp. https://doi.org/10.7476/9788539303427