Vol. 5 Núm. 2 (2020)
Artículos

Educação política e pensamento freireano: sistematizando o diálogo entre luta social e saúde

Leonardo Carnut
Universidad Autónoma de Madrid
Thais Teodoro Goraieb
Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo
Lúcia Dias da Silva Guerra
Universidade Anhanguera
Portada del volumen 5 número 2 de la Revista de Educación, Política y Sociedad
Publicado junio 30, 2020

Palabras clave:

Crítica, educação, política, formação em saúde, sistema único de saúde
Cómo citar
Carnut, L., Goraieb, T. T., & Dias da Silva Guerra, L. (2020). Educação política e pensamento freireano: sistematizando o diálogo entre luta social e saúde. Revista Educación, Política Y Sociedad, 5(2), 94-117. https://doi.org/10.15366/reps2020.5.2.005

Resumen

As lutas sociais na saúde são cotidianas e datam, na história recente, desde a criação do Sistema Único de Saúde (SUS) no Brasil. Neste sentido, a formação de novos coletivos que adentram a cena sócio-política e se utilizam da prática pedagógica como um instrumento de luta social vem crescendo. Essa forma de ação/militância política é o que podemos chamar, em grande medida, como ‘educação política’. Assim, este relato de experiênciatem como objetivo refletir sobre a experiência de amadurecimento pedagógico do coletivo ‘Formação Política em Saúde’, identificando os elementos fundamentais do pensamento freireano para qualificar a ação de educação política crítica para a luta social na área da saúde. Para isso realizou-se uma sistematização de experiência sobre os estudos pedagógicos do grupo de leitura ‘Pedagogias Críticas e Saúde,’ cujo foco foi o pensamento freiriano. O grupo de leitura era composto por 12 trabalhadores/estudantes da saúde, que organizavam suas seções através do método da roda. A experiência dos estudos pedagógicos críticos sobre o pensamento freiriano contribuiu para expandir a crítica sobre o processo de formação política e sua práxis, e repensar os modos de emancipação do processo educativo ‘do-discente’ dos membros deste coletivo.

Descargas

Los datos de descargas todavía no están disponibles.

Citas

Abrasco (2019). Associação Brasileira de Saúde Coletiva. Disponível em https://bit.ly/36uTqs2

Apple, M. (2002). Pode as pedagogias críticas sustar as políticas de direita? Cadernos de Pesquisa, (116), 107-142. https://doi.org/10.1590/S0100-15742002000200006

Altamira, F. e Canarias, E. (2003). La sistematización de experiencias en el Sur y en el Norte: ¿iguales o diferentes? el proceso del grupo de trabajo de voluntariado de la CONGDE. Bilbao: INCYDE. Disponível em https://bit.ly/38HPXbm

Ayres, J.R. (2007). Uma concepção hermenêutica de saúde. Physis (UERJ. Impresso), (17), 43-62. https://doi.org/10.1590/S0103-73312007000100004

Bensaïd, D. (2008). Os irredutíveis: teoremas da resistência para o tempo presente. São Paulo: Boitempo.

Bravo, M.I.S. (2011). Serviço Social e Reforma Sanitária: lutas sociais e práticas profissionais. São Paulo: Cortez.

Bogdan, R. e Biklen, S. (1994). Investigação qualitativa em educação: uma introdução à teoria e aos métodos. Portugal: Porto.

Carnut, L., Pereira Frazão, M., Gomes de Moura, J. e Alves de Sá Silva, A.L. (2017). Principais desafios do acolhimento na prática da atenção à saúde bucal: subsídios iniciais para uma crítica. Revista da ABENO, 17(4), 46-62. https://doi.org/10.30979/rev.abeno.v17i4.448

Carvalho, Y.M. e Ceccim, R.B. (2006). Formação e educação em saúde: aprendizados com a saúde coletiva. En G.W.S. Campos, M.C.S. Minayo, M. Akerman, M. Drummond Júnior e Y.M. Carvalho (Coords.), Tratado de Saúde Coletiva (pp. 137-170). São Paulo: Editora Hucitec, Rio de Janeiro: Fiocruz.

Couto, M.T., Grangeiro, A., Venturi, G. e Levy R.B. (2017). Rendering visible heterosexually active men in Brazil: A national study on sexual behaviour, masculinities and HIV risk. Current Sociology, DOI: 10.1177/0011392117735360 https://doi.org/10.1177/0011392117735360

Cruz, N.R. (2016). A modernidade e a pós-modernidade como gênese do fascismo: o caso dos velhos e novos integralistas brasileiros. Outros Tempos, 13 (22), 26-48. https://doi.org/10.18817/ot.v13i22.543

Cruz, S.V. (1994). 1968: Movimento estudantil e crise na política brasileira. Revista de Sociologia e Política, (2), 37-55.

D'Ascenzi, L. e Lima, L.L. (2013). Análise da implementação do método da roda no sistema de saúde de campinas, SP. Sociais e Humanas, 26(01), 67-78.

Ferrara, F.A. (1993). Teoría política y salud - tomo segundo: abordando la salud. Buenos Aires: Catálogos.

Freire, P. (1978). Pedagogia do Oprimido. São Paulo: Paz e Terra.

Freire, P. (1985). Virtudes do educador. Verede: Centro de Estudos em Educação.

Freire, P. (1996). Não há docência sem discência. Em P. Freire (Coord.), Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa (pp. 21-45). São Paulo: Paz e Terra.

Freire, P. (2014). Pedagogia da solidariedade. São Paulo: Paz e Terra, 2014.

Freire, P. (2015). Política e Educação. São Paulo: Paz e Terra.

Freire, P. (2018). Pedagogia do Compromisso: América-Latina e Educação Popular. São Paulo: Paz e Terra.

Guimarães, E.M.S. (2017). Expressões conservadoras no trabalho em saúde: a abordagem familiar e comunitária em questão. Serviço Social e Sociedade, (130), 564-582. https://doi.org/10.1590/0101-6628.124

Holliday, O.J. (2006). Para sistematizar experiências. Brasília: Ministério do Meio Ambiente. Disponível em https://bit.ly/36JAx4J

Jinkings, I., Doria, K. e Cleto, M. (2016). Por que gritamos Golpe? Para entender o impeachment e a crise política no Brasil. São Paulo: Boitempo.

Libâneo, J.C. (1982). Tendências pedagógicas na prática escolar. Revista da Ande, (6), 1-35.

Mariátegui, J.C. (2010). Sobre a Educação. Em J.C. Mariátegui (Coord.), Sete ensaios de interpretação da realidade peruana (pp. 86-123). Caracas: Fundación Biblioteca Ayacucho.

Marx, K. (2012). Crítica ao programa de Gotha. São Paulo: Boitempo.

Marx, K. e Engels, F. (2007). O manifesto comunista. São Paulo: Boitempo.

Merhy, E.E. (2007). A cartografia do trabalho vivo. São Paulo: Hucitec.

Moreira, G.O., Ferraresi, F.H., Carvalho, E.M. e Amaral, E. (2017). Inclusão social e ações afirmativas no ensino superior no Brasil: para quê? Ensino Superior. Disponível em https://bit.ly/2S1Y10D

Moura, M.R.L. (2010). O Grêmio Estudantil na gestão da escola democrática: protagonismo e resiliência ou despolitização das práticas formativas? Revista de Ciências da Educação UNISAL, (23), 273-292. https://doi.org/10.19091/reced.v0i23.70

Peloso, R. (2012). Trabalho de base: seleção de roteiros selecionados pelo Cepis. São Paulo: Expressão Popular.

Pereira, A.L.F. (2003). As tendências pedagógicas e a prática educativa nas ciências da saúde. Caderno de Saúde Pública, 19 (5), 1527-1534. https://doi.org/10.1590/S0102-311X2003000500031

Schraiber, L.B. (2008). O médico e suas interações: a crise dos vínculos de confiança. São Paulo: Hucitec.

Schwartz, G.A.D. (2002). A saúde na pós-modernidade. Revista de Direito Sanitário, 3(1), 29-37. https://doi.org/10.11606/issn.2316-9044.v3i1p29-37

Tragtenberg, M. (2004). Sobre educação, política e sindicalismo. São Paulo: Editora Unesp. https://doi.org/10.7476/9788539303427