Vol. 30 (2017): Estilos de enseñanza y estilos de aprendizaje I
Monográfico

Docencia y cultura digital: la formación del ciberprofesor

Luci Mary Duso Pacheco
Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missoes
Elisabete Cerutti
Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missoes
Publicado julio 4, 2017

Palabras clave:

formación del profesorado, profesores digitales, cultura digital, conocimiento de enseñanza, ciberprofesor

Resumen

La formación del profesor es un tema instigador, siendo necesario su debate, principalmente en lo que atañe a la temática de la cultura digital. La cibercultura está presente en las relaciones sociales, educativas y culturales, y cabe a quienes piensan la formación docente ampliar su mirada hacia el ciberprofesor. Estar actualizado y conectado con las nuevas demandas tecnológicas en la esfera educacional es uno de los retos para el profesor y también para la escuela. Este ensayo teórico busca reflexionar sobre la presente cultura digital como desafío en la formación de profesores digitales, en un contexto de formación permanente, con el objetivo de debatir sobre el asunto y señalar algunos caminos posibles para los saberes necesarios al contexto educacional.

Citas

Candau, V. M. (Org.). (1997). Magistério: construção cotidiana. Petrópolis: Vozes.

Cerutti, E. & Giraffa, L. M. M. (2015). Uma nova juventude chegou à universidade: E agora, professor? Curitiba, Brasil: EDITORA CRV.

Cristensen, M.; Horn, M. & Staker, H. (2013). Ensino Híbrido: uma inovação disruptiva. Uma introdução à teoria dos híbridos. Instituto Península (Trad.). Fundação Lemann. Porto Alegre: Penso.

Cunha, M. I. (2003). O Bom Professor e sua Prática. 10. ed. Campinas, SP: Papirus.

Fadel, C.; Bialik, M. & Trilling, B. (2015). Educação em Quatro Dimensões: As competências que os estudantes devem ter para atingir o sucesso. Instituto Península e Instituto Ayrton Senna (trad.)

Fazenda, I. C. A. (1991). Interdisciplinaridade: um projeto em parceria. 5ª edição. São Paulo. Edições Loyola.

Freire, P. (1982). Ação Cultural Para a Liberdade. 6 ed., Rio de Janeiro,

Paz e Terra.

Freire, P. (2002). Pedagogia da Autonomia: Saberes necessários à prática educativa. 24. ed. São Paulo. Paz e Terra.

Freire, W. (org.) (2011). Tecnologia e educação: As mídias na prática docente. 2. ed. Rio de Janeiro: WAK. https://doi.org/10.5902/198464441465

Horn, M.; Cristensen, M. & Staker, H. (2013). Ensino Híbrido: uma inovação disruptiva. Uma introdução à teoria dos híbridos. Instituto Península (Trad.). Fundação Lemann. Porto Alegre: Penso.

Imbernón, F. (2009). Formação permanente do professorado, novas tendências. São Paulo: Cortez.

Imbernón, F. (2011). Formação Docente e Profissional: formar-se para a mudança e a incerteza. 9 ed – São Paulo: Cortez, 2011.

Lévy, P. (1999). Cibercultura. Tradução Carlos Irineu da Costa. São Paulo: Editora 34.

Martins, F. S. S. (2012). A utilização das novas mídias na sala de aula. Profissão Mestre. v. 2. n. 153. Julho 2012.

Nóvoa, A. (1992). Os Professores e a sua Formação. Coleção temas de Educação. Portugal: Dom Quixote LTDA.

Nóvoa, A. (2015). Nada será como antes. Revista Pátio. Porto Alegre. n. 72. p. 18-21 nov/jan.

Papert, S. (2002). A máquina das crianças: repensando a escola na era da informática. Porto Alegre. ARTMED, 2002.

Pimenta, S. G. & Lima, M. S. (1999). Estágio e docência. 5a ed. São Paulo: Cortez.

Pimenta, S. G. (2011). Didática e Formação de professores: percursos e perspectivas no Brasil e em Portugal. 6ª Ed. São Paulo: Cortez.

Prensky, M. (2005). Digital natives, digital immigrants. MCB University Press, 2001. Traducido por Roberta de Moraes Jesus de Souza. Disponible en: http://www.colegiongeracao.com.br/novageracao/2_intencoes/nativos.pdf Acceso en: oct, 2005.

Pretto, N. L. & Silveira, S. A. (2008). Além das redes de colaboração: internet, diversidade cultural e tecnologias do poder. Salvador. EDUFBA. https://doi.org/10.7476/9788523208899

Ramal, A. (2010). Os desafios da década para a inclusão digital na escola. Pátio: Revista pedagógica. n. 53, ano 14. Abril.

Tardif, M. (2008). Saberes Docentes e Formação Profissional. 4. ed. Petrópolis, RJ: Vozes.

Valente, J. A. (2014). Blended learning e as mudanças no ensino superior: a proposta da sala de aula invertida. Educar em Revista, Curitiba, Brasil, Edição Especial. Ed. UFPR. https://doi.org/10.1590/0104-4060.38645

Varis, T. & Torneiro, José Manuel Pérez (2012). Civilización Tecnológica y Cultura Mediática. In: Alfantización Mediática y nuevo humanismo. UNESCO.