UM OLHAR SOBRE A ESCOLA E A AÇÃO DOCENTE NA SOCIEDADE CONTEMPORÂNEA: DILEMAS E DESAFIOS

Ivone Neves

Resumen


Este trabajo tiene por objetivo reflexionar sobre la relación entre la sociedad y la escuela teniendo en cuenta las determinaciones e implicaciones que las políticas educativas del sistema educativo portugués tuvieron en la escuela misma así como en la acción del profesor. El planteamiento partirá desde el discurso crítico de algunas teorías sociológicas y enfocará particularmente los siglos XX y XXI. El contexto pos-moderno, caracterizado por su fuerte vivencia de pluralismos de todas las naturalezas, se nos aparece como siendo un caldo de cultivo para nuestra reflexión. Esto porque nos centraremos en el análisis de un nuevo paradigma de escuela que responde a diferentes públicos, de forma a no homogeneizar los caminos de los alumnos pero si a su diferenciación, así como a la necesidad de redefinición del papel del profesor con vista a responder a los retos que la sociedad contemporánea le pide. Este texto todavía se acerca a las percepciones de un grupo de maestros de kindergarten, que nos dicen de los dilemas y desafíos que enfrentan en su vida cotidiana. En términos generales, reconocer las escuelas como realidades multiculturales que requieren una pedagogía diferenciada.

 


Palabras clave


Escuela ; profesor inter multicultural ; educación problematizadora ; equidad educativa.

Texto completo:

RESUMEN / ABSTRACT PDF

Referencias


Alarcão, I. (2001). Professor-investigador. Que sentido? Que formação? Revista Portuguesa de Formação de Professores, vol.1, 21-31.

Alarcão, I.& Tavares (2003). Supervisão da prática pedagógica- uma perspectiva de desenvolvimento e aprendizagem. Coimbra: Almedina.

Banks, A, & Banks (1993). A educação Multicultural das Crianças em idade pré-escolar. Atitudes raciais e étnicas e sua alteração. In B. Spodek (Org.) Manual de Investigação em Educação de Infância (pp.527-553).Lisboa :Ed. Fundação Calouste Gulbenkian.

Barroso. J. (2001). A escola como espaço público local. In A. Teodoro (org.).Educar, Promover, Emancipar. Os contributos de Paulo Freire e Rui Grácio para uma pedagogia emancipatória (pp.201-222). Lisboa:

Edições Universitárias Lusófonas.

Bernstein, Basil (1982). A educação não pode compensar a sociedade. In S. Grácio, e S. Stoer (1982). Sociologia da educação II – Antologia. A construção social das práticas educativas. (pp.19-31). Lisboa: Livros

Horizonte.

Bourdieu, Pierre (2003). Questões de Sociologia. Lisboa: Fim de Século.

Cosme, A. (2009). Ser professor: A acção docente como uma acção de interlocução qualificada. Porto: LivPsic.

Cosme, A., & Trindade, R. (2010). Educar e aprender na escola – Questões, desafios e respostas pedagógica. Fundação Manuel Leão.

Cortesão, L, & Stoer (1996). A interculturalidade e a educação escolar: dispositivos pedagógicos e a construção da ponte entre culturas.Inovação, vol.9. IIE, Nº.1 e 2, 35-51.

Costa, J.A (1998). Imagens organizacionais da escola.(pp.7-38). Porto: Edições Asa.

Dewey, J (1953). Como Pensámos. S. Paulo: Companhia Editora Nacional.

Formosinho, J. (2001). A formação prática dos professores: da prática docente na instituição de formação à prática pedagógica nas escolas. Revista

Portuguesa de Formação de Professores,1, 37-54.

Freire, P. (1975). Pedagogia do oprimido. Porto: Afrontamento.

Freire, P. (1997). Pedagogia da autonomia. S. Paulo: Editora Paz e Terra.

Lesne, M. (1984). Trabalho pedagógico e formação de adultos. Lisboa: Ed. Gulbenkian.

Morrow, R. A.& Torres, C.A. (1998). Jurgen Habermas, Paulo Freire e a Pedagogia Crítica: Novas orientações para a Educação Comparada. Educação, Sociedade & Culturas, 10,123-155.

Nóvoa, A. (1991).A Formação contínua entre a Pessoa – Professor e a Organização-Escola. Inovação (I.I.E.), 4, (1).

Nóvoa, A. (2002). Formação de Professores e Trabalho Pedagógico. Lisboa: Educa.

Nunes, Jorge, (2000). O professor e a acção reflexiva: portfólios, ”vês“heurísticos e mapas de conceitos como estratégias de desenvolvimento profissional. Porto: Ed. Asa.

Perrenoud, P. (2002). A escola e a aprendizagem da democracia. Porto: Ed. Asa.

Santos, B. S. (1991). Ciência in Manuel M.ª Carrilho (org.) Dicionário do pensamento contemporâneo. (pp.23-43). Lisboa: Dom Quixote.

Silva, P. (2003). Escola - Família, uma relação armadilhada: Interculturalidade e relações de poder. Porto: Edições Afrontamento.

Stoer, S (1994). Construindo a escola democrática através do campo da recontextualização pedagógica. Educação, Sociedade & Culturas, 1,7-27.

Tardif, M. & Lessard, M.(2007). O trabalho docente: elementos para uma teoria da docência como profissão de interações humanas. Pétropolis : Ed. Vozes.

Teodoro, A. ( 2003). Globalização e educação: políticas educacionais e novos modos de governação. Porto: Edições Afrontamento.

Teodoro, A. (2010). Educação, globalização e neoliberalismo: Os novos modos de regulação transnacional das políticas da educação. Lisboa: Edições

universitárias lusófona.

Trindade, R.(2011). Currículo, equidade e qualidade: Entre o pragmatismo curricular e pedagógico e a necessidade de interpelação política das escolas. In Leite, C.; Pacheco, J. A.; Moreira, A.F.B.; Mouraz, A.

(Orgs.), Políticas, fundamentos e práticas do currículo (pp.70-79). Porto: Porto Editora.


Enlaces refback

  • No hay ningún enlace refback.


Copyright (c) 2015 Tendencias Pedagógicas

Tendencias Pedagógicas

ISSN-L: 1133-2654 | ISSN-e: 1989-8614

DOI prefix: 10.15366/tp

URL: https://revistas.uam.es/tendenciaspedagogicas 

Licencia de Creative Commons
This work is licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial 4.0 International License

¡Síguenos en redes sociales!