Vol. 12 Núm. 1 (2014)
Artículos

Uma Década de Auto Avaliação Institucional: O que Mudou na Percepção dos Docentes?

Publicado enero 1, 2016

Palabras clave:

Avaliação, Auto Avaliação Institucional, Ensino Superior, Docentes, Satisfação, Longitudinal. 

Resumen

Os estudos acerca da avaliação institucional no Brasil ocorrem desde os anos 80, mas tem se intensificado a partir dos anos 90. Neste período, as diferentes políticas educacionais implantaram vários programas com a finalidade de controlar e avaliar o ensino superior, e dessa forma justificar os gastos nesta área e ao mesmo tempo fornecer profissionais mais qualificados ao mercado. Este artigo busca comparar a satisfação dos docentes com a AAI em uma Instituição de Ensino Superior Federal em 2001 e 2011. A metodologia utilizada no trabalho foi uma pesquisa descritiva, onde foi aplicado um questionário em uma amostra de 217 docentes. Os dados foram analisados com o apoio do software SPSS, para realizar a estatística descritiva e comparar as médias com o Teste T. Os principais resultados encontrados indicam que comparando os estudos de 2001 com o de 2011, foi observado que, dos 45 itens pesquisados, 49% mantiveram o mesmo nível de satisfação, 4% melhoraram e 47% apresentam uma satisfação menor. Conclui-se que os principais motivos para uma piora na avaliação é a sobrecarga de trabalho dos docentes, que não tem tempo para dedicar-se ao processo de AAI, e a falta de resultados concretos do processo, já que não há uma clara relação entre as demandas encontradas e às ações praticadas pela instituição no sentido de melhorá- las.

 

Citas

Augusto, R., & Balzan, N.C. (2007). A vez e a voz dos coordenadores das CPAs das IES de Campinas que integram o SINAES. Avaliação, 12, 597-624.

Belloni, I. (2000). A função social da avaliação institucional. Em J. Dias Sobrinho, & D.I. Ristoff, Universidade desconstruída: avaliação institucional e resistência (pp. 54-78). Florianópolis: Insular.

Brasil, A.R., Barbosa, C.I.V., Rodrigues, F.P.M., Blois, M.D., Cunha, M.S., & Xavier, R.T.O. (2007). O processo da avaliação institucional como multiplicador de iniciativas para o aperfeiçoamento docente: 2ª parte. Avaliação, 12, 663-684.

CONAES - Comissão Nacional de Avaliação da Educação Superior (2004a). Diretrizes para a avaliação das instituições de educação superior. Brasília: Ministério da Educação.

CONAES - Comissão Nacional de Avaliação da Educação Superior (2004b). Orientações gerais para o roteiro da autoavaliação das instituições. Brasília: Ministério da Educação.

Costa, E.M., Ribeiro, C.M. & Vieira, R.B.B. (2010). Avaliação em movimento: do PAIUB ao PGE o caso da Universidade Federal de Goiás. Avaliação, 15, 87-108.

Dias Sobrinho, J. (2005). Avaliação como instrumento da formação cidadã e do desenvolvimento da sociedade democrática: por uma ético-epistemologia da avaliação. Em D. Ristoff (org.), Avaliação participativa: perspectivas e debates (pp. 89-128). Brasília: INEP.

Dias Sobrinho, J. (2008). Qualidade, avaliação: do SINAES a índices. Avaliação, 13, 818-825.

Dias Sobrinho, J. (2010). Avaliação e transformações da educação superior brasileira (1995-2009): do provão ao SINAES. Avaliação, 15, 195-224.

Gil, A.C. (1999). Métodos e técnicas de pesquisa social. São Paulo: Atlas.

House, E.R (1997). Evaluación, ética y poder. Madrid: Morata.

Leite, D. (2008). Ameaças pós-rankings: sobrevivência das CPA’s e da Auto-Avaliação. Avaliação, 13, 833-840.

Morales, R.E. (2001). A avaliação institucional da UFSM na percepção dos seus docentes. Dissertação de mestrado. Universidade Federal de Santa Catarina, Floriánopolis.

Neiva, C.C. (1989). A avaliação como instrumento de apoio ao planejamento e tomada de decisões: a perspectiva da eficiência institucional e da qualidade do ensino dentro de um enfoque político. Florianópolis: Insular.

Peixoto, M.C. (2011). Avaliação institucional externa no SINAES: considerações sobre a prática recente. Avaliação, 16, 11-36.

Polidori, M.M., Fonseca, D.G. y Larrosa, S.F.T. (2007). Avaliação institucional participativa. Avaliação, 12, 333-348.

Ristoff, D. (1999). Universidade em foco: reflexões sobre a educação superior. Florianópolis: Insular.

Rodrigues, C.M. (2003). Proposta de avaliação integrada ao planejamento anual: um modelo para as UCGs. Tese de doutorado. Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre.

Santos, E.G., Sadala, M.G. y Borges, S.X. (2012). Avaliação institucional: por que os atores silenciam? Educação e Realidade, 37, 551-568.

Schlickmann, R., Melo, P.A., & Alperstedt, G.D. (2008). Enfoques da teoria institucional nos modelos de avaliação institucional brasileiros. Avaliação, 13, 153-168.

Silva, A.L., & Gomes, A.M. (2011). Avaliação institucional no contexto do SINAES: a CPA em questão. Avaliação, 16, 573-601.

SINAES–Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior (2004). Da concepção à regulamentação. Brasília: Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais.

Sordi, M.R. y Ludke, M. (2009). Da avaliação da aprendizagem à avaliação institucional: aprendizagens necessárias. Avaliação, 14, 313-336.

Van Dalen, D. y Meyer, W.J, (1979). Manual de técnica de la investigación educacional. Buenos Aires: Paidos.

Yin, R. (2005). Estudo de caso: planejamento e métodos. 3. ed. Porto Alegre: Bookman.

Venturini, J.C., Pereira, B.A.D., Morales, R., Fleck, C.F., Batistella Junior, Z., & Nagel, M. (2010). Percepção da avaliação: um retrato da gestão pública em uma instituição de ensino superior (IES). Revista de Administração Pública, 44, 31-53.

Vieira, R.L.B., & Freitas, K.S. (2010). O SINAES na universidade pública estadual: análise do processo de construção da avaliação interna na Universidade do Estado da Bahia (UNEB). Ensaio: Avaliação e Políticas Públicas, 18, 443-464.

(c) RINACE (2003-2019) e-mail: rinace@uam.es