UM ESPAÇO DEVOCIONAL DA CORTE PORTUGUESA: A IGREJA DE NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO DE VILA VIÇOSA (SÉCULOS XVII E XVIII)

Francisco José Pegacha Pardal

Resumen


Esta investigação centra-se na análise do culto à Imaculada Conceição, por parte da Corte portuguesa, na igreja de Vila Viçosa, nos reinados de D. Pedro II e D. João V. Interessou-nos averiguar se as ofertas da família real e da nobreza à Padroeira de Portugal, através da Régia Confraria de Nossa Senhora da Conceição, tinham relevância para o seu culto. As principais fontes utilizadas no nosso estudo foram os inventários de bens da confraria, elaborados em 1679 e 1719. A análise da documentação revelou um considerável número de joias e de objetos de culto oferecidos à Padroeira de Portugal, confirmando, deste modo, a igreja como um espaço devocional de relevância.

Palabras clave


Vila Viçosa; Imaculada Conceição; Confraria; Devoção; Ofertas

Texto completo:

PDF (Português (Portugal))

Referencias


Fontes Manuscritas:

Arquivo Paroquial da Igreja Matriz de Vila Viçosa:

Régia Confraria de Nossa Senhora da Conceição de Vila Viçosa, Códices 1, 11, 12, 13, 14, 15, 16, 17, 18, 19, 20, 21, 22, 23, 24, 25, 26, 27, 28, 29, 122 e 123.

Fontes Impressas:

Tristão da Cunha de Ataíde, Portugal, Lisboa e a Corte nos Reinados de D. Pedro II e D. João V, Lisboa: Chaves Ferreira, 1990.

João Baptista Domingues, Vida do Principe D. Theodosio, oferecida a Santa Joana, Princeza de Portugal, Lisboa: Oficina dos Herdeiros de António Pedrozo Galram, 1747.

Inácio Barbosa Machado, Relaçam da enfermidade, ultimas acçoens, morte e sepultura do muito alto e poderoso Rey e Senhor D. João V..., Lisboa: Oficina de Inácio Rodrigues, 1750.

Frei José de Oliveira, Serman pregado nas exéquias do Serenissimo Senhor D. Pedro II… na Santa, e Real Casa da Misericordia na cidade de Lisboa…, Lisboa: Oficina de Miguel Manescal, 1707.

[Frei Alexandre da Paixão], Monstruosidades do Tempo e da Fortuna, 1. Porto: Companhia Editora do Minho, 1938.

Joaquim de Santa Ana, Oração sagrada, histórica, e parragirica do misterio da Conceição... na Real Capela de Vila Viçosa..., Lisboa: Oficina Patriarcal de Francisco Luiz Ameno, 1760.

Frei Agostinho de Santa Maria, Santuário Mariano e História das Imagens milagrosas de Nossa Senhora e das milagrosamente apparecidas, em graça dos Prégadores , & devotos da mesma Senhora, que compreende as Imagens de Nossa Senhora, que se venerão na Corte, e Cidade de Lisboa, I, Lisboa: Oficina de António Pedrozo Galram, 1707-1718.

Francisco Xavier da Silva, Elogio funebre, e historico do muito alto, poderoso, augusto, pio, e Fidelissimo Rey de Portugal, e Senhor D. Joaõ V..., Lisboa: Régia Oficina Sylviana e da Academia Real, 1750.

António Caetano de Sousa, História Genealógica da Casa Real Portuguesa 7. Lisboa: Régia Oficina Silviana, 1740.

Estudos:

Ana Cristina Araújo, “Ritualidade e poder na corte de D. João V: a génese simbólica do regalismo político”. Revista de História das Ideias 22 (1984): 175-208. https://doi.org/10.14195/2183-8925_22_7

Maria Marta Lobo de Araújo, “Servir a dois Senhores: a real confraria de Nossa Senhora da Conceição de Vila Viçosa através dos seus estatutos de 1696”. Callipole 9 (2001): 127-139.

Maria Ângela Beirante, Confrarias Medievais Portuguesas. Lisboa: M. A. Beirante, 1990.

Francisco Bethencourt, Os Equilíbrios Sociai do Poder. In José Mattoso, (dir.). Joaquim Romero Magalhães (coord.), História de Portugal 3. Lisboa: Editorial Estampa, 1997, 139-151.

Isabel Drumond Braga, “As Pratas da Princesa D. Isabel Luísa Josefa (1669-1690)”. Revista de Artes Decorativas 5 (2012), 143-160.

Paulo Drumond Braga, D. Pedro II. Lisboa: Tribuna da História, 2006.

Paulo Drumond Braga, “Igreja, Igrejas e Culto”. In Joel Serrão e A. H. de Oliveira Marques (dir.), Avelino de Freitas de Menezes (coord.), Nova História de Portugal 7. Lisboa: Editorial Presença, 2001, 90-129.

Eduardo Brazão, Subsídios para a História do Patriarcado de Lisboa. Porto: Livraria Civilização, 1943.

Pedro Cardim, “A corte régia e o alargamento da esfera privada”, in José Mattoso (dir.), Nuno Gonçalo Monteiro (coord.), História da Vida Privada em Portugal. A Idade Moderna. Lisboa, Círculo de Leitores: 2011, 160-201.

Possidónio Mateus Laranjo Coelho, A Cristianização do Alto Alentejo e o Culto Mariano. Lisboa: Ramos, Afonso & Moita Lda, 1963.

Leonor Freire Costa e Mafalda Soares da Cunha, D. João IV. Lisboa: Temas & Debates, 2008.

Mafalda Ferin Cunha, Reforma e Contra-Reforma. Lisboa: Quimera Editores, 2002.

Mafalda Soares da Cunha, A Casa de Bragança 1560-1640. Práticas senhoriais e redes clientelares. Lisboa: Editorial Estampa, 2000.

Diogo Ramada Curto, “A Capela Real: um espaço de conflitos (séculos XVI a XVIII)”. Revista da Faculdade de Letras da Universidade do Porto (1993): 143-154.

Túlio Espanca, Inventário Artístico de Portugal, IX. Lisboa: Academia Nacional de Belas Artes, 1978.

Francisco Leite de Faria, “Crença e Culto da Imaculada Conceição em Portugal”. Revista Española de Teologia 44-1 (1984): 137-160.

Gregorio P. de Gereño, “O Beato Duns Escoto e a Imaculada Conceição”. Cadernos de Espiritualidade Franciscana nº 31 (2007): 6-20.

Saul António Gomes, “Notas e documentos sobre as confrarias portuguesas, entre o fim da Idade Média e o século XVII: O protagonismo dominicano de Santa Maria da Vitória”. Lusitania Sacra. 2ª Série 7 (1995): 89-150.

Joaquim Chorão Lavajo, “A Imaculada Conceição de Vila Viçosa no Contexto Eclesial e Nacional”. In Manuela Mendonça (coord.), Primeiras Jornadas de História de Vila Viçosa: Actas. Lisboa: Academia Portuguesa da História, 2005: 109-151.

Maria Paula Marçal Lourenço, D. Pedro II. Lisboa: Temas & Debates, 2010.

Maria Paula Marçal Lourenço e Ricardo Fernando Pinto, D. Luísa de Gusmão (1613-1666) Restaurar, Reinar e Educar. Lisboa: Gradiva, 2012.

Maria Paula Marçal Lourenço, Rainhas no Portugal Moderno. Lisboa: Edições Colibri, 2012.

Jesús Bravo Lozano, “La capilla real de Felipe IV: ceremonial de exaltación en un espacio integrador”. Librosdelacorte.es, nº11, año 5 (2015): 28-50.

João Francisco Marques, “Oração e Devoções”. In Carlos Moreira Azevedo (dir.), João Francisco Marques, António Camões Gouveia (coord.), História Religiosa de Portugal 2. Lisboa: Círculo de Leitores, 2000: 603-663.

Nobreza de Portugal e do Brasil, direção, coordenação e compilação de Afonso Eduardo Martins Zureque. 1960-89. 3 vols. Lisboa: Editorial Enciclopédia, 1960-89.

Miguel de Oliveira e Francisco Moreira das Neves, A Padroeira de Portugal. Notas e Documentos. Lisboa: Letras e Artes, 1940.

Pedro Penteado, “Arquivo de Confrarias e Irmandades: Alguns pressupostos para o sucesso de uma intervenção arquivística”. In Arquivística e Arquivos Religiosos: Contributos para uma reflexão Dir. de Carlos A. Moreira Azevedo. Lisboa: Centro de Estudos de História Religiosa da Universidade Católica Portuguesa, 2000, 163-189.

Pedro Penteado, “Confrarias Portuguesas da Época Moderna: Problemas, resultados e tendências de investigação”. Lusitania Sacra, 2ª Série 7 (1995): 15-52.

Alberto Pimentel, História do Culto de Nossa Senhora em Portugal. Lisboa: Livraria Guimarães, Libânio & Companhia, 1899.

Pedro Rodriguez e Raul Lanzetti, El manuscrito original del Catecismo Romano. Pamplona: Universidad de Navarra, 1985.

Maria Beatriz Nizza da Silva, D. João V. Lisboa: Temas & Debates, 2009.

Luís Gonzaga de Lencastre e Távora, O culto mariano na sigilografia medieval portuguesa. Guimarães: Congresso Histórico de Guimarães e sua Colegiada, 1981.

Joana Almeida Troni, Catarina de Bragança (1638-1705). Lisboa: Edições Colibri, 2008.

Ângela Barreto Xavier e Pedro Cardim, D. Afonso VI. Lisboa: Temas & Debates, 2008.




DOI: http://dx.doi.org/10.15366/ldc2018.10.17.008

Enlaces refback

  • No hay ningún enlace refback.


Copyright (c) 2019 Librosdelacorte.es

Librosdelacorte.es

ISSN: 1989-6425