Provinha Brasil e suas Interfaces no Cotidiano de uma Escola Pública da Baixada Fluminense

Maria Océlia Mota

Resumen


Este estudo foi realizado em uma turma do 2º ano do ensino fundamental, em uma escola pública do município de Duque de Caxias no estado do Rio de Janeiro. O trabalho buscou pistas e indícios das possíveis implicações da Provinha Brasil no cotidiano escolar, procurando compreender como elas são ressignificadas pelos sujeitos participantes do cotidiano escolar e suas contribuições para a aprendizagem dos/as alunos/as. No campo teórico-metodológico, Ginzburg (1989) e Certeau (2012) proporcionaram as principais referências para investir no desafio da pesquisa do cotidiano. Para a construção dos dados foram utilizadas observação direta, entrevistas e análise de documentos. Como indício reativo e, também, de resistência, tanto a escola como a professora da turma 2B demonstraram indiferença quanto ao uso da Provinha Brasil como diagnóstico e ajuda no planejamento pedagógico, o que implica desusos. As práticas investigadas na turma 2B transbordaram as barreiras da avaliação e revelaram a complexidade e multiplicidade dos fios que tecem o cotidiano escolar.

Palavras-chave: Avaliação, Alfabetização, Cotidiano escolar.

 

Provinha Brasil and Interfaces in Quotidian of a Public School from Baixada Fluminense

This study was conducted in a 2nd year class of an elementary public school in the municipality of Duque de Caxias in state of Rio de Janeiro. The research sought clues and evidence of possible effects and implications of Provinha Brazil in school quotidian, trying to understand how they are re-signified by subjects participating in, the school context practitioners and their contributions to the students learning. In theoretical and methodological field, Ginzburg (1989) and Certeau (2012) provided the main references to invest in the challenge of school context research. For the construction of the data it was used direct observation, interviews and analysis of documents. As reactive clue and also resistance, both the school and the teacher of the class 2B demonstrated indifference regarding the use of “Provinha Brazil” diagnosis and its help in educational planning, which implies disuses. The practices investigated in the class 2B overflowed the barriers of the assessment and revealed the complexity and multiplicity of the threads that weave the school context.

Keywords: Evaluation, Literacy, School quotidian.


Texto completo:

PDF (Português (Brasil))

Referencias


Afonso, A. J. (2009). Avaliação educacional: Regulação e emancipação: Para uma sociologia das políticas avaliativas contemporâneas. São Paulo: Cortez.

Assumpção, E. A. (2013). Correlação das práticas avaliativas no interior da escola com a política de controle público por meio da avaliação: Um estudo em Duque de Caxias/RJ. (Dissertação de Mestrado). Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro.

Certeau, M. A. (2012). Invenção do cotidiano: Artes de fazer. Petrópolis, RJ: Vozes.

De Morais, A. G., Leal, T. F. e Albuquerque, E. B. C. (2009). Provinha Brasil: Monitoramento da aprendizagem e formulação de políticas educacionais. RBPAE, 25(2), 301-320.

De Morais, A. G. (2014). Precisamos de boas políticas públicas de avaliação da alfabetização: análise das razões de tal necessidade e de fatores que impedem que avancemos no cumprimento dessa republicana tarefa. Em I. C. Frade (Ed.), Alfabetização e seus sentidos: O que sabemos, fazemos e queremos? (pp. 281-301). São Paulo: UNESP.

Frade, I. C. (2014). Alfabetização e seus sentidos: O que sabemos, fazemos e queremos? São Paulo: UNESP.

Esteban, M. T. (2012). Considerações sobre a política de avaliação da alfabetização: pensando a partir do cotidiano escolar. Revista Brasileira de Educação, 17(51), 573-592. https://doi.org/10.1590/s1413-24782012000300005

Esteban, M. T. (2003). Sujeitos singulares e tramas complexas-desafios cotidianos e à pesquisa. Em R. L. Garcia (Org.), Método, métodos, contramétodo (pp. 125-146). São Paulo: Cortez.

Ginzburg, C. (1989). Mitos, emblemas e sinais: Morfologia e história. São Paulo: Companhia das Letras.

INEP. (2012). Prova Brasil. Brasília: Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Anísio Teixeira.

INEP. (2013). Provinha Brasil. Matriz de referência para avaliação da alfabetização e do letramento inicial. Brasília: Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Anísio Teixeira.

INEP. (2013). Provinha Brasil. Guia correção e interpretação dos resultados. Brasília: Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Anísio Teixeira.

Malavasi, M. M. S. (2010). Avaliação institucional de qualidade potencializada pela participação dos vários segmentos da escola. Em E. T. Dalben (Org.), A convergências e tensões no campo da formação e do trabalho docente (pp. 84-103). Belo Horizonte: Autêntica.

Oliveira, J. B. A. e Silva, L. C. F. (2011). Para que servem os testes de alfabetização. Ensaio: Avaliação, Políticas Públicas e Educação, Rio de Janeiro, 19(73), 827-840. https://doi.org/10.1590/s0104-40362011000500006

Oliveira, R. M. (2012). Provinha Brasil: Limites e possibilidades para o trabalho pedagógico na alfabetização (Trabalho de Conclusão de Curso de Graduação). Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Brasil.

Silva, C. S. R. e Cafieiro, D. (2010). Alfabetização e letramento de crianças de seis anos: As políticas para a implantação do ensino fundamental de nove anos. InterMeio: Revista do Programa de Pós-Graduação em Educação, Campo Grande, 16(32), 27-48.

Villas Boas, B. M. de F. e Dias, E. T. G. (2015). Provinha Brasil e avaliação formativa: Um diálogo possível? Educar em Revista, Curitiba, Brasil, Edição Especial, 1, 35-53. https://doi.org/10.1590/0104-4060.41421




DOI: http://dx.doi.org/10.15366/riee2017.10.2.002

Enlaces refback

  • No hay ningún enlace refback.


Revista Iberoamericana de Evaluación Educativa

ISSN: 1989-0397

doi: 10.15366/riee