A Qualidade da Escola: Debatendo Princípios Rumo à Construção de uma Qualidade Socialmente Referenciada

Luana Costa Almeida, Geraldo Antonio Betini

Resumen


Falar em qualidade nem sempre nos remete ao mesmo conceito ou objetivo de nossos interlocutores já que este termo é passível de diversas compreensões, as quais dependem das concepções e contextos teóricos e políticos aos quais se vinculam. Este artigo problematiza tanto o próprio conceito de qualidade, que não é único ou neutro, quanto a necessidade de abarcarmos os fatores internos e externos à escola se vislumbramos a construção da qualidade social. Dialogando com o conceito de educabilidade e com discussões atuais, em especial as voltadas à avaliação educacional, evidenciamos a necessidade de condições propícias ao trabalho escolar, assim como de que as escolas assumam efetivamente seu papel para a garantia da qualidade social.

Palavras-chave: Qualidade, Escola, Condições de escolarização.

 

The School Quality: Discussing Principles towards Building a Socially Quality Referenced

Talking about school quality not always refers to the same concept or purpose as our interlocutors since this term is liable of different understandings, which rely on conceptions, and the theoretical and political contexts to which they are attached. This article discusses both the concept of school quality, which is not unique or neutral, as the necessity of encompassing internal and external factors to the school if the construction of social quality is pursued. Using the educability concept and current discussions, especially those on educational evaluation, we highlight the need for proper conditions at the school work, such as for schools effectively assuming their role to assure social quality.

Keywords: School quality, Sschool, Educability conditions.


Texto completo:

PDF (Português (Brasil))

Referencias


Almeida, L. C. (2014). Relação entre o desempenho e o entorno social em escolas municipais de Campinas: A voz dos sujeitos. (Tese de Doutorado, Universidade Estadual de Campinas, Campinas-SP, 326f).

Almeida, L. C., Dalben, A. e Freitas, L. C. (2013). O IDEB: Limites e ilusões de uma política educacional. Educação & Sociedade, 34(125), 1153-1174. doi:10.1590/s0101-73302013000400008

Balzan, N. C. (1995). A voz do estudante – Sua contribuição para a deflagração de um processo de avaliação institucional. Em N. C. Balzan e J. Dias Sobrinho (Eds.), Avaliação institucional: Teoria e experiências (pp. 115-147). São Paulo: Cortez.

Barroso, J. (2005). O Estado, a educação e a regulação das políticas públicas. Educação & Sociedade, 26(92), 725-751. doi:10.1590/s0101-73302005000300002

Bello, M. e Villarán, V. (2009). Las relaciones de la escuela con la familia y la comunidad, en el camino hacia la equidad. Em N. López (Ed.), De relaciones, actores y territorios: Hacia nuevas políticas para la educación en América Latina (pp. 115-170). Buenos Aires: IIPE-UNESCO.

Betini, G. A. (2009). Indicadores para um plano de ação em avaliação institucional participativa: Uma possibilidade. Em M. R. L. Sordi e E. S. Souza (Ed.), A avaliação como instância mediadora da qualidade da escola pública (pp. 117-132). Campinas: Millennium Editora.

Bondioli, A. (Ed.). (2004). O projeto pedagógico da creche e sua avaliação: A qualidade negociada. Campinas: Autores Associados.

Brasil. (1988). Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Disponível em http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicao.htm

Cabrito, B. G. (2009). Avaliar a qualidade em educação: Avaliar o quê? Avaliar como? Avaliar para quê? Cadernos Cedes, 29(78), 178-200. doi:10.1590/s0101-32622009000200003

Chaui, M. (2003). A universidade pública sob nova perspectiva. Revista Brasileira de Educação, (24), 5-15. doi:10.1590/s1413-24782003000300002

Davok, D. F. (2007). Qualidade em Educação. Avaliação, 3(12), 505-513. Disponível em http://www.scielo.br/pdf/aval/v12n3/a07v12n3.pdf

Dias Sobrinho, J. (1995). Universidade: Processos de socialização e processos pedagógicos. Em J. Dias Sobrinho e N. C. Balzan (Eds.), Avaliação institucional: Teoria e experiências (pp. 15-35). São Paulo: Cortez Editora.

Fernández Enguita, M. (1999). O discurso da qualidade e a qualidade do discurso. En P. Gentili e T. T. Silva (Eds.). Neoliberalismo, Qualidade Total e Educação (4ª ed., pp. 93-110). Petrópolis/RJ: Vozes.

Fonseca, M. (2009). Políticas públicas para a qualidade da educação brasileira: Entre o utilitarismo econômico e a responsabilidade social. Gestão institucional e qualidade social da educação. Caderno Cedes, 29(78), 153-177. doi:1590/s0101-32622009000200002

Franco, M. L. P. B. (1992). Qualidade do ensino: Velho tema, novo enfoque. Cadernos de Pesquisa, 83, 64-70.

Freitas, D. N. (2007). A avaliação da educação básica no Brasil: Dimensão normativa, pedagógica e educativa. Campinas: Autores Associados.

Freitas, L. C. (2006). Níveis de avaliação/indicadores. Apresentação de trabalho feita aos pesquisadores do LOED. Campinas: Universidade Estadual de Campinas, Faculdade de Educação.

Freitas, L. C. (2005). Qualidade negociada: Avaliação e contra-regulação na escola pública. Educação & Sociedade, 26(92), 911-933. doi:10.1590/s0101-73302007000300018

Frigotto, G. (1996). A formação e a profissionalização do educador: Novos desafios. Em T. T. Silva e P. Gentili (Orgs.), Escola S.A.: Quem ganha e quem perde no mercado educacional do neoliberalismo (pp. 75-85). Brasília: CNTE.

Gentili, P. (1999). O discurso da “qualidade” como nova retórica conservadora no campo educacional. Em P. Gentili e T. T. Silva (Ed.), Neoliberalismo, qualidade total e educação (pp. 111-117). Petrópolis: Vozes.

López, N. (2005). Educación y equidad. Algunos aportes desde la noción de educabilidad. Em I. Hernaiz, E. S. Chávez e V. Villarán (Ed.), Educación y desarrollo local: Tensiones y perspectivas. Reflexiones sobre experiencias en la región andina (pp. 131-162). Buenos Aires: IIPE-UNESCO.

López, N. (Ed.). (2009). De relaciones, actores y territorios: Hacia nuevas políticas para la educación en América Latina. Buenos Aires: IIPE-UNESCO.

Moreira, A. F. B. e Kramer, S. (2007). Contemporaneidade, educação e tecnologia. Educação & Sociedade, 28(100), 1037-1057. doi:10.1590/s0101-73302007000300019

Navarro, L. N. (2004). La escuela y las condiciones sociales para aprender y enseñar: Equidad social y educación en sectores de pobreza urbana. Buenos Aires: IIPE-UNESCO.

Paro, V. H. (1997). Gestão democrática da escola pública. São Paulo: Editora Ática.

Rodrigues, N. (1984). Função da escola de 1º. Grau numa sociedade democrática. Revista da Associação Nacional de Educação, 4(8), 17-22.

Silva, M. A. (2009). Qualidade social da educação pública: Algumas aproximações. Cadernos Cedes, 29(78), 216-226. doi:10.1590/s0101-32622009000200005

Vieira, S. L. (1995). Concepções de qualidade e educação superior. Pró-posições, 6(1), 105-114.




DOI: http://dx.doi.org/10.15366/riee2016.9.2.003

Enlaces refback

  • No hay ningún enlace refback.


Revista Iberoamericana de Evaluación Educativa

ISSN: 1989-0397

doi: 10.15366/riee