Vol. 16 Núm. 4 (2018)
Artículos

Metodologia Ativa: Sala de Aula Invertida e suas Práticas na Educação Básica

Zeni Terezinha Gonçalves Pereira
Universidade La Salle, Brasil
Denise Quaresma da Silva
Universidade La Salle, Brasil
Publicado septiembre 19, 2018

Palabras clave:

Educação básica, Teses, Salas de aula, Ensino, Métodos de ensino.

Resumen

Este estudo propõe uma investigação sobre a metodologia ativa chamada "sala de aula invertida" e suas práticas na educação básica, problematizando como estas ocorrem. Na introdução, justificamos a importância da temática como foco investigativo. Metodologicamente, trata-se de um estudo qualitativo, utilizou-se de uma revisão bibliográfica em dissertações produzidas em âmbito nacional que contemplaram os temas metodologia ativa, sala de aula invertida, sendo que a busca dos dados foi realizada no período de 2014 a 2018, na base de dados da capes de teses e dissertações a partir dos descritores "metodologia ativa" e "sala de aula inversa." Os resultados preliminares apontaram 36 dissertações, desse total 8 atenderam aos critérios de inclusão sendo 06 de mestrado scrito sensu e 02 de mestrado profissional, as demais foram excluídas por não estabelecer um diálogo adequado e em consonância com a temática. As conclusões apontaram que ao se pensar na sala de aula invertida como uma prática devemos considerar o papel fundamental da tecnologia, bem como a mudança de papel do professor que se torna o mediador do processo e entendemos que a sala de aula invertida se enquadra como uma estratégia de ensino-aprendizagem. Todavia, a educação básica demanda novos formatos de interação discente-docente-discente e ao que tudo indica as metodologias ativas estão conquistando espaço, mas ainda requerem apropriação por parte dos professores e demais envolvidos nos processos acadêmicos. 

Citas

Anastasiou, L. G. C. e Alves, L. P. (2007). Processos de ensinagem na universidade: Pressupostos para as estratégias de trabalho em aula/org. Santa Catarina: Univille Universidade.

Bergmann, J. e Sams, A. (2018). Sala de aula invertida: Uma metodologia ativa de aprendizagem. Rio de Janeiro: LTC.

Camargo, F. e Daros, T. (2018). A sala de aula inovadora: Estratégias pedagógicas para fomentar o aprendizado ativo. Porto Alegre: Penso.

Carranza Alcántar, M. R. e Caldera Montes, J. F. (2018). Percepción de los estudiantes sobre el aprendizaje significativo y estrategias de enseñanza en el Blended Learning. REICE. Revista Iberoamericana sobre Calidad, Eficacia y Cambio en Educación, 16(1), 73-88. https://doi.org/10.15366/reice2018.16.1.005

Díaz Barriga, F. B. (2010). Estrategias docentes para un aprendizaje significativo. Ciudad de México: Mc Graw Hill.

Flipped Learning Network. (2014). The four pillars of F-L-I-P. Recuperado de http://www.flippedlearning.org/domain/46

Freire, P. (1987). Pedagogía do oprimido. Rio de Janeiro: Paz e Terra.

Gil, A. C. (2007). Como elaborar projetos de pesquisa. São Paulo: Atlas.

Hattie, J. (2017). Aprendizagem visível para professores: Como maximizar o impacto da aprendizagem. Porto Alegre: Penso.

Horn, M. B e Staker, H. (2015). Blended: Usando a inovação disruptiva para aprimorar a educação. Porto Alegre: Penso.

LDB-Lei de diretrizes e bases da educação nacional. Lei nº 9.394/1996. Brasília: Senado Federal. Recuperado de http://www2.senado.leg.br/bdsf/item/id/529732

Martins da Silva, F. C., Sampaio Lima, A. e Bandeira Andriola, W. (2016). Avaliação do suporte de TDIC na formação do pedagogo: Um estudo em Universidade Brasileira. REICE. Revista Iberoamericana sobre Calidad, Eficacia y Cambio en Educación, 14(3), 77-93. https://doi.org/10.15366/reice2016.14.3.004

Mora Reyes, J. Z. e Morales Rivera, S. P. (2016). Fortalecimiento en los procesos lecto-escritos en primera infancia a través de blended-learning. REICE. Revista Iberoamericana sobre Calidad, Eficacia y Cambio en Educación, 14(1), 112-135. https://doi.org/10.15366/reice2016.14.1.007

Moran, J. (2013). Educação híbrida: Um conceito-chave para a educação. En T. N. Bacich (Org.), Ensino híbrido: Personalização e tecnologia na educação (pp. 28-45). Porto Alegre: Penso.

Moran, J. e Bacich, L. (2018). Metodologias ativas para uma educação inovadora: Uma abordagem teórico-prática. Porto Alegre: Penso.

Saks, F. C. (2005). Busca booleana: Teoria e prática. Curitiba: Universidade Federal do Paraná.

Tardif, M. (2014). Saberes docentes e formação profissional. Petrópolis: Vozes.

Tozoni-Reis, M. F. C. (2009). Metodologia da pesquisa. Curitiba: IESDE Brasil S.A.