Estilos de Aprendizagem e Rendimento Acadêmico na Universidade

Alison Martins Meurer, Daiana Rafaela Pedersini, Ricardo Adriano Antonelli, Simone Bernardes Voese

Resumen


A pesquisa teve como objetivo analisar se o rendimento acadêmico dos alunos do curso de Ciências Contábeis é distinto entre os estilos de aprendizagem e características observáveis nos discentes e docentes. Os dados foram coletados por meio da aplicação do Inventário de Estilos de Aprendizagem de Kolb (1984), em uma amostra com 94 alunos e 23 professores. Na análise dos dados foram utilizados testes de médias e regressão linear simples. Os resultados indicaram que 45,74% dos acadêmicos são do estilo convergente e 43,48% dos docentes são do estilo de aprendizagem assimilador. Dos vinte e seis agrupamentos analisados, sete apresentaram diferenças significativas no rendimento acadêmico, as quais são: reprovação, horas dedicadas semanalmente aos estudos extraclasse, nota de ingresso do enem, facilidade em Matemática e estilos coincidentes de aprendizagem docente com o discente. Os alunos que possuem o mesmo estilo de aprendizagem do professor tendem a ter um menor índice de reprovação, comprovando a teoria proposta por Kolb (1984). Com isto, a plataforma teórica abordada por Kolb (1984) auxilia a fomentar o debate e sustenta o desenvolvimento de estratégias para um ensino cíclico que atenda ao máximo as necessidades de aprendizagem existentes, em especial, para que a ação docente consiga atingir a todos os estilos de aprendizagem dos alunos.


Palabras clave


Rendimento acadêmico; Aprendizagem; Universidades; Docente; Brasil.

Texto completo:

PDF (Português (Brasil))

Referencias


Albuquerque, L. S. Nunes, H. F. R. de A., Bastista, F. F., Luz, J. R. de M. Y Carvalho, J. R. M. de. (2015, julho). Análise dos estilos de aprendizagem dos discentes do curso de ciências contábeis da UFCG a partir do inventario de Kolb. Comunicação apresentada em XII Congresso USP de Iniciação Científica em Contabilidade. São Paulo, Brasil.

Andrade, J. X. (2007). Condicionantes do desempenho dos estudantes de contabilidade: Evidências empíricas de natureza acadêmica, demográfica e econômica. Revista de Contabilidade da UFBA, 1(1), 24-43.

Araújo, E. A. T., Camargos, M. A., Camargos, M. C. S. e Dias, A. T. (2014). Desempenho acadêmico de discentes do curso de ciências contábeis: Uma análise dos seus fatores determinantes em uma IES privada. Contabilidade Vista & Revista, 24(1), 60-83.

Basílio, V. B. y Vasconcellos, L. (2011, outubro). Estilos de aprendizagem e desempenho acadêmico: Um estudo dos alunos de administração da FEA-USP. Comunicação apresentada em Seminários em Administração. São Paulo, Brasil.

Bordenave, J. D. e Pereira, A. M. (2011). Estratégias de ensino-aprendizagem. Petrópolis: Vozes.

Butzke, M. A. e Alberton, A. (2017). Estilos de aprendizagem e jogos de empresa: A percepção discente sobre estratégia de ensino e ambiente de aprendizagem. REGE. Revista Gestão, 24(1), 72-84. https://doi.org/10.1016/j.rege.2016.10.003

Campbell, M. M. (2011). Motivational systems theory and the academic performance of college students. Journal of College Teaching & Learning, 4(7), 59-71. https://doi.org/10.19030/tlc.v4i7.1561

Campbell, L., Campbell, B. e Dickinson, D. (2000). Ensino e aprendizagem por meio das inteligências múltiplas. Porto Alegre: Artes Médicas Sul.

Cerqueira, T. C. S. (2000). Estilos de aprendizagem em universitários (Tese de Doutorado). Universidade Estadual de Campinas, Brasil.

Correia, R. R. e Moura Júnior, P. C. (2017). Aprendizagem e procrastinação: Uma revisão de publicações no período 2005-2015. REICE. Revista Iberoamericana sobre Calidad, Eficacia y Cambio en Educación, 15(2), 111-128. https://doi.org/10.15366/reice2017.15.2.006

Dib, C. Z. (1994, outubro). Estrategias no formales para la innovación en educación: Concepto, importancia y esquemas de implementación. Comunicação apresentada em International Conference Science and Mathematics Education. Concepción, Chile.

Freitas, A. A. M. (2004). Acesso ao ensino superior: Estudo de caso sobre características de alunos do ensino superior privado. Revista Inter-Ação, Educação e Movimento Social da Faculdade de Educação da UFG, 29(2), 261-276.

Miranda, G. J., da Silva Lemos, K. C., de Oliveira, A. S. e Ferreira, M. A. (2015). Determinantes do desempenho acadêmico na área de negócios. Revista Meta: Avaliação, 7(20), 175-209. https://doi.org/10.22347/2175-2753v7i20.264

Honn, D. D. e Ugrin, J. C. (2012). The effects of cognitive misfit on students’ accounting task performance. Accounting Education, 27(4), 979-998. https://doi.org/10.2308/iace-50258

Kolb, D. A. (1984). Experimental learning: Experience as the source of learning and development. Upper Saddle River, NJ: Prentice-Hall.

Kolb, D. A., Baker, A. C. e Jensen, P. J. (1997). Conversational learning: An experiential approach to knowledge creation. Westport, CT: Quorum.

Kuri, N. P. (2004). Tipos de personalidade e estilos de aprendizagem: Proposições para o ensino de engenharia (Tese de Doutorado). Universidade Federal de São Carlos, Brasil.

Larsen, H. H. (2004). Experiential learning as management development: Theoretical perspectives and empirical illustrations. Developing Human Resources, 6(4), 486-503. https://doi.org/10.1177/1523422304268383

Leite Filho, G. A., Batista, I. V. C., Junior, J. P. e Siqueira, R. L. (2008, fevereiro). Estilos de aprendizagem x desempenho acadêmico. Uma aplicação do teste de Kolb em acadêmicos no curso de ciências contábeis. Comunicação apresentada em Congresso USP de Iniciação Científica em Contabilidade. São Paulo, Brasil.

Lima Filho, R. N., Bezerra, E. S. e Silva, T. B. J. (2016). Estilo de aprendizagem dos alunos do curso de ciências contábeis. Revista GUAL, 9(2), 95-112. https://doi.org/10.5007/1983-4535.2016v9n2p95

Lima, T. B. e Silva, A. B. (2013). Difusão das perspectivas teóricas da aprendizagem na formação de administradores. REICE. Revista Iberoamericana sobre Calidad, Eficacia y Cambio en Educación, 11(3), 5-30.

Luckesi, C. C. (2002). Maneiras de avaliar a aprendizagem. Revista Pátio, 3(12), 7-11.

Miranda, G. J., Ferreira, M. A., Lemos, K. C. S. e Pimenta, A. S. (2013). Determinantes do desempenho acadêmico na área de negócios. Revista Meta: Avaliação, 7(20), 175-209. https://doi.org/10.22347/2175-2753v7i20.264

Moretto, P. V. (2005). Prova um momento privilegiado de estudos e não um acerto de contas. Rio de Janeiro: DP&A Editora.

Munhoz, A. M. H. (2004). Uma análise multidimensional da relação entre inteligência e desempenho acadêmico em universitários ingressantes (Tese Doutorado). Universidade Estadual de Campinas, Brasil.

Nogueira, D. R., Costa, J. M., Takamatsu, R. T. e Reis, L. G. (2012). Fatores que impactam o desempenho acadêmico: Uma análise com discentes do curso de ciências contábeis no ensino presencial. Revista de Informação Contábil, 7(3), 51-62.

Oliveira, A. J., Raffaelli, S. C. D., Colauto, R. D. e Casa Nova, S. P. (2013). Estilos de aprendizagem e estratégias ludopedagógicas: Percepções no ensino da contabilidade. Advances in Scientific and Applied Accounting, 6(2), 236-262. https://doi.org/10.14392/ASAA.2013060206

Oliveira, K. L. e Santos, A. A. A. (2005). Compreensão em leitura e avaliação da aprendizagem em universitários. Psicologia: Reflexão e Crítica, 18(1), 118-124. https://doi.org/10.1590/S0102-79722005000100016

Pellón, M., Nome, S. e Arán, A. (2013). Relação entre estilos de aprendizagem e rendimento acadêmico dos estudantes do quinto ano de medicina. Revista Brasileira de Oftalmologia, 72(3), 45-67. https://doi.org/10.1590/S0034-72802013000300008

Pereira, M. (2005). Ensino-aprendizagem em um contexto dinâmico. O caso de planejamento de transportes (Tese de Doutorado). Universidade de São Paulo, Brasil. https://doi.org/10.11606/T.18.2005.tde-17062005-182009

Pimentel, A. (2007). A teoria da aprendizagem experiencial como alicerce de estudos sobre desenvolvimento profissional. Estudos de Psicologia, 12, 159-168. https://doi.org/10.1590/S1413-294X2007000200008

Reis, L. G., Paton, C. e Nogueira, D. R. (2012). Estilos de aprendizagem: Uma análise dos alunos do curso de ciências contábeis pelo método Kolb. Enfoque: Reflexão Contábil, 31, 53-66. https://doi.org/10.4025/enfoque.v31i1.13853

Schmitt, C. da S. e Domingues, M. J. C. (2016). Estilos de aprendizagem: Um estudo comparativo. Avaliação, 21(2), 361-386. https://doi.org/10.1590/S1414-40772016000200004

Santos, C. A., Bacinello, E. e Hein, N. (2017). Fatores discriminantes dos estilos de aprendizagem dos acadêmicos de ciências contábeis. Revista de Educação, Ciência e Cultura, 22(3), 129-146. https://doi.org/10.18316/recc.v22i3.2848

Silva, R. F. da. (2013). Fatores que influenciam o desempenho acadêmico. Dissertação de Mestrado. Instituto de Ensino e Pesquisa do São Paulo, Brasil.

Silva, V. R. da, Oliveira, K. G. de, Rogers, P. e Miranda, G. J. (2015, setembro). Comportamento e desempenho acadêmico no curso de ciências contábeis. Comunicação apresentada em Congresso ANPCONT. Associação Nacional de Programas de Pós-graduação em Ciências Contábeis. Curitiba, Brasil.

Sobral, D. T. (1992). Inventário de estilo de aprendizagem de Kolb: Características e relação com resultados de avaliação no ensino pré-clínico. Psicologia: Teoria e Pesquisa, 8(3), 293-303.

Sobral, D. T. (2005). Estilos de aprendizagem dos estudantes de medicina e suas implicações. Revista Brasileira de Educação Médica, 29(1), 5-12.

Sonaglio, A. L. B., Godoi, C. K. e Silva, A. B. (2013). Estilos de aprendizagem experiencial e aquisição de habilidades: Um estudo com discentes de graduação em administração em instituições de ensino superior. Administração: Ensino e Pesquisa, 14, 123-159. https://doi.org/10.13058/raep.2013.v14n1.75

Souza, G. H. S., Costa, A. C. S. C., Penedo, A. S. T., Lima, N. C., Santos, P. da C. F. e Pontes Júnior, J. F. V. (2013). Estilos de aprendizagem dos alunos versus métodos de ensino dos professores do curso de administração. RACE. Revista de Administração, Contabilidade e Economia, 12, 9-44.

Turra, S., Jacomossi, F. A. e Biavatti, V. T. (2015). Análise da preferência do estilo de aprendizagem dos alunos de graduação em ciências contábeis. Revista de Contabilidade da UFBA, 9, 118-134.

Valente, N. T. Z., Abib, D. B. e Kusnik, L. F. (2007). Análise dos estilos de aprendizagem dos alunos e professores do curso de graduação em ciências contábeis de uma universidade pública do estado do paraná com a aplicação do inventário de David Kolb. Contabilidade Vista & Revista, 18(1), 51-74.




DOI: http://dx.doi.org/10.15366/reice2018.16.4.002

Copyright (c) 2018 REICE. Revista Iberoamericana sobre Calidad, Eficacia y Cambio en Educación

Licencia de Creative Commons
Este obra está bajo una licencia de Creative Commons Reconocimiento-NoComercial-SinObraDerivada 4.0 Internacional.

REICE. Revista Iberoamericana sobre Calidad, Eficacia y Cambio en Educación está idexada en:

Scopus, Emerging Sources Citation Index (ESCI), Google Académico, Dialnet, ISOC, Redalyc, CIRC, DICE, GENAMICS, Latindex, MIAR, Resh, Biblioteca de la OEI, In-Recs, Iresie, REDIB, REDIAL, DOAJ, Dulcinea, EZB, BNE, GLOOBAL, REBIUN, Sudoc y WorldCat.