A Contribuição de Anísio Teixeira para a Promoção do Bem-estar Docente

Hildegard Susana Jung, Ane Patrícia de Mira, Paulo Fossatti

Resumen


O objetivo o presente artigo consiste em problematizar a contribuição de Anísio Teixeira na promoção da gestão do bem-estar docente. A metodologia empregada para essa investigação é de cunho qualitativo, com coleta de dados na literatura e dados empíricos. A base teórica assenta-se principalmente no legado de Anísio Teixeira, que há mais de meio século já anunciava a vivência desse status nas condições de emprego do professor, bem como sua superação através de uma sólida e continuada formação docente. Os resultados apontam para uma proposta que leve em conta o trabalho colaborativo e a formação de redes intelectuais como forma de superação, e de alcance do bem-estar docente, tão necessário ao desenvolvimento de uma educação de qualidade. Foram encontrados ainda contundentes sinais sobre a responsabilidade da gestão escolar na promoção do bem-estar docente. O diálogo, a escuta e a atitude sensível do gestor foram considerados elementos-chave neste processo. Após a elaboração dessa pesquisa, concluímos que a formação, seja ela inicial ou continuada, a troca com os colegas de profissão, poderá atuar como aliada ao sujeito que está preenchido de algo que faz sentido para sua existência e se alimenta disso como estratégia de superação. A formação continuada, assumida pelos gestores e pelos docentes, surge como um antídoto ao mal-estar. 


Palabras clave


Qualidade de vida no trabalho; Condições de trabalho; Educação ao longo da vida; Ensino; Bem-estar social.

Texto completo:

PDF (Português (Brasil))

Referencias


Balestrin, M., Sponchiado, B. A., Beuren, E. C. e Jung, H. S. (2015). A contribuição de Anísio Teixeira para a formação do cidadão. En M. Balestrin, B. A. Sponchiado, E. Beuren e H. S. Jung (Eds.), Anais do VI Congresso Internacional de Educação (pp. 01-10). Santa Maria: Editorial Santa Maria.

Bauman, Z. (2001). Modernidade líquida. Rio de Janeiro: Zahar.

Bolívar, A. (mayo 2003). Didáctica y currículum. Retos actuales del Área de didáctica y organización escolar en el ámbito universitario: Experiencias, interrogantes e incertidumbres. Reunión del área de Didáctica y Organización Escolar, Valencia.

Damiani, M. F., Porto, T. M. E. e Schlemmer, E. (2009). Trabalho colaborativo / cooperativo em educação: Uma possibilidade para ensinar e aprender. Brasília: Liber Livro.

Demo, P. (2004). Universidade, aprendizagem e avaliação: Horizontes reconstrutivos. Porto Alegre: Mediação.

Devés, E. V. (2003). El pensamiento latinoamericano en el siglo XX. Desde la CEPAL al neoliberalismo (1950-1990). Santiago: Editorial Biblos.

Esteve, J. M. (1994). El malestar docente. Barcelona: Laia.

Esteves, M. (2010). Sentido da inovação pedagógica no ensino superior. En C. Leite (Org.), Sentidos da pedagogia no ensino superior (pp. 45-76). Porto: Legis Editora.

Fernández, J. T. (1995). El papel del profesor en la innovación educativa. Algunas implicaciones sobre la práctica innovadora. Educar, 19, 19-32.

Fossatti, P. (2009). A produção de sentido na vida de educadores: por uma logoformação (Tese de Doutorado). Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul. Porto Alegre.

Fossatti, P. (2013). Perfil docente e produção de sentido. Canoas: Editora Unilasalle.

Frankl, V. E. (2003). Em busca de sentido: Um psicólogo no campo de concentração. São Leopoldo: Sinodal.

Gadotti, M. (2009). Educação integral no Brasil: Inovações em processo. São Paulo: Editora e Livraria Instituto Paulo Freire.

Gatti, B., Barreto, E. S. e André, M. (2011). Políticas docentes no Brasil. Brasília: UNESCO.

Gomes de Oliveira, E. S. (2006). O “mal-estar docente” como fenômeno da pós-modernidade: Os professores no país das maravilhas. Revista Ciências e Cognição, 7, 27-41.

Jung, H. e Sudbrack, E. M. (2016). Educação e formação continuada: Uma análise do pacto nacional do ensino médio. Curitiba: Editora CRV.

Masetto, M. T. (1998). Professor universitário: Um profissional da educação na atividade docente. En M. T. Masetto (Org.), Docência na universidade. Campinas: Papirus.

Masetto, M. T. e Gaeta, C. (2013). Docência com profissionalidade no ensino superior. Brazilian Geographical Journal, 4(1), 299-310.

Mosquera, J. J. M. (1978). O professor como pessoa. Porto Alegre: Sulina.

Nogaro, A. e Silva, H. A. (2015). Professor reflexivo: Prática emancipatória. Curitiba: Editora CRV.

Nóvoa, A. (2009). Professores, imagens do futuro presente. Lisboa: Educa.

Nunes, C. (2000). Anísio Teixeira entre nós: A defesa da educação como direito de todos. Educação & Sociedade, 73, 9-40.

Oliveira, D. A. (2004). Reestruturação do trabalho docente: Precarização e flexibilização. Educação & Sociedade, 25, 1127-1144.

Picado, L. (2009). Ser professor: Do mal-estar para o bem-estar docente. Recuperado de www.psicologia.com.pt.

Pimenta, S. G. (2002). Formação de professores: identidade e saberes da docência. En S. G. Pimenta, Saberes pedagógicos e atividade docente (pp. 15-34). São Paulo: Cortez.

Santos, B. S. (2002). A Crítica da razão indolente: Contra o desperdício da experiência. Para um novo senso comum: a ciência, o direito e a política na transição paradigmática. São Paulo: Cortez.

Santos, B. S. (2009). Pensar el estado y la sociedad: Desafíos actuales. Buenos Aires: Waldhuter Editores.

Schön, D. (1992). Formar professores como profissionais reflexivos. En A. Nóvoa (Org.), Os professores e sua formação (pp.77-92). Lisboa: Dom Quixote

Silva, J. C. (2015). A influência do gestor escolar na promoção do bem-estar docente. Dissertação (Mestrado em Educação). Universidade la Salle. Canoas.

Teixeira, A. (1956). A educação e a crise brasileira. São Paulo: Companhia Editora Nacional.

Teixeira, A. (1957). Educação não é privilégio. São Paulo: Companhia Editora Nacional.

Teixeira, A. (1963). Mestres de Amanhã. Revista Brasileira de Estudos Pedagógicos, 40(92), 10-19.

Teixeira, A. (1966). O problema de formação do magistério. Estudo especial apresentado ao Conselho Federal de Educação. Revista Brasileira de Estudos Pedagógicos, 46(104), 278-287.

Timm, E. Z, Mosquera, J. J. M. e Stobäus, C. D. (2010). O mal-estar na docência em tempos líquidos de modernidade. Revista Mal-Estar e Subjetividade, 10(3), 865-885.




DOI: http://dx.doi.org/10.15366/reice2017.15.3.008

Esta obra es de acceso libre y gratuito y está registrada bajo una licencia de Creative Commons "Reconocimiento – NoComercial – SinObraDerivada (by-nc-nd)"

Licencia Creative Commons

REICE esta incluida en:

Emerging Sources Citation Index (ESCI), Google Académico, DOAJ, Dialnet, Latindex, Redalyc, MIAR, ISOC, CIRC, DICE,  Resh, GLOOBAL, REBIUN, Suco, WorldCat, In-Recs, Iresie, REDIB, REDIAL, Journal Seek, Biblioteca de la OEI, Dulcinea, EZB, Americanismo, BNE.