Impactos da Avaliação Externa nas Políticas de Gestão Educativa

Cristiane Machado

Resumen


Analisar a trajetória das avaliações externas e seus possíveis impactos na gestão das políticas educativas é o objetivo desse artigo. Introduz tecendo apontamentos sobre o contexto de emergência da avaliação externa e da gestão escolar. Explora a relação entre as iniciativas dos governos federal, estaduais e municipais de implementação de sistemas de avaliação externa com seus possíveis impactos na gestão das escolas. Nesse último caso, apoia-se na pesquisa nacional “Bons resultados no Ideb: Estudo exploratório de fatores explicativos”, que teve como objetivo analisar fatores da política educacional que explicariam bons resultados do Ideb de vinte municípios paulistas. Conclui-se, como resultado do estudo, que a avaliação externa veio para ficar e que há uma tendência crescente de implantação de políticas avaliativas no país com consequências que impactam cada vez mais na gestão e no cotidiano das escolas. Destaca alguns pontos que merecem cautela, como: observar se os alunos não estão sendo excessivamente submetidos a provas externas; desvelo na coleta dos dados e aplicação das provas e existência da promoção, pelos professores, do cotejamento dos resultados das avaliações externas com as avaliações internas. Ressalta que não cabe desconsiderar as avaliações externas e os resultados fornecidos por elas, mas sim de fortalecer seu papel de produzir elementos analíticos da realidade educacional e ressaltar seu potencial de ser um instrumento para a gestão escolar de construção de uma educação pública democrática e de qualidade para todos os alunos.  


Palabras clave


Calidad; Eficacia; Cambio; Mejora; Equidad; Innovación

Texto completo:

PDF (Português (Brasil))

Referencias


Alavarse, O., Bravo, M. H., Machado, C. (2012). Avaliação como diretriz das políticas educacionais dos governos federal, estaduais e municipais: o caso brasileiro. Trabalho aprovado para apresentação no III Congresso Ibero-Americano de Política e Administração da Educação. 14 a 17 de novembro, Zaragoza:Espanha.

Anderson, P. (1996). Balanço do neoliberalismo. Em Sader, E.; Gentili, P. (orgs.) Pós-neoliberalismo – as políticas sociais e o estado democrático. R.J.: Paz e Terra

Barretto, E. S. S. e Pinto, R. P. (Coord.). (2001). Avaliação na educação básica: 1990-1998. Cadernos de Pesquisa, 114, 49-88.

Bonamino, A. C. e Sousa, S. Z. (2012). Três gerações de avaliação da educação básica no Brasil: interfaces com o currículo da/na escola. Educação e Pesquisa, S.P., v. 38, n. 2, p. 373-388, abr./jun.

Bonamino, A. C. (2002). Tempos de avaliação educacional: o SAEB, seus agentes, referências e tendências. Rio de Janeiro: Quartet

Bonamino, A. C. e Bessa, N. (2004). O “estado da avaliação” nos Estados. Em Bonamino, A. C., Bessa, N., Franco, C. (Org.). Avaliação da educação básica: pesquisa e gestão. Rio de Janeiro: Editora PUC-Rio; São Paulo: Loyola, p. 65-78

Bresser Pereira, L. C. (1998). Reforma do estado para a cidadania. S.P.:Enap

Coelho, M. I. M. (2008). Vinte anos de avaliação da educação básica no Brasil: aprendizagens e desafios. Ensaio: Avaliação e Políticas Públicas em Educação, Rio de Janeiro, 16(59), 229-258, abr./jun.

Dias Sobrinho, J. (2000). Avaliação da educação superior. R.J.:Vozes

Fernandes, R. (2007). Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb). Brasília: Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), 26 p. (Série Documental. Textos para Discussão, 26)

Franco, C., Alves, F., Bonamino, A. (2007). Qualidade do ensino fundamental: políticas, suas possibilidades, seus limites. Educação & Sociedade, Campinas, 28(100), especial, 989-1014.

Freitas, D. N. T. (2007a). A avaliação da educação básica no Brasil. Campinas, SP: Autores Associados.

Freitas, D. N. T. (2007b). Avaliação e gestão democrática na regulação da educação básica brasileira: uma relação a avaliar. Educação e Sociedade, 28(99), 501-521.

Freitas, L. C. (2009). Avaliação educacional: caminhando pela contramão. Petrópolis, RJ: Vozes

Freitas, L. C. (2011). Responsabilização, meritocracia e privatização: conseguiremos escapar ao neotecnicismo. Trabalho apresentado no III Seminário de Educação Brasileira, Cedes-Unicamp, 28 fev a 01 março, Campinas.

Grupo de Avaliação e Medidas Educacionais (Game). (2011). A avaliação externa como instrumento da gestão educacional nos estados: relatório final. Belo Horizonte: Game/ Faculdade de Educação / Universidade Federal de Minas Gerais, ago.

Hobsbawm, E. (1995). Era dos extremos: o breve século XX (1.914 - 1.991). S.P.: Companhia das letras

Koetz, C. M. (2010). Atuação da equipe diretiva e avaliações em larga escala: em busca de uma gestão democrática da escola pública. Em F.O.C. Werle (org.) Avaliação em larga escala – foco na escola. Brasília: Liber Livro.

Libâneo, J. C. (2004). Organização e gestão da escola: teoria e prática. 5. ed. Goiânia: Alternativa.

Lopes, V. V. (2008). Cartografia da avaliação educacional no Brasil. Tese (Doutorado) – Faculdade de Educação, Universidade de São Paulo, São Paulo.

Moraes, C. e Alavarse, O. M. (2011). Ensino médio: possibilidades de avaliação. Educação & Sociedade, Campinas, v. 32, n. 116, p. 807-838, jul./dez.

Moreno, T. (2011). Consideraciones Éticas en la Evaluación Educativa. REICE. Revista Iberoamericana sobre Calidad, Eficacia y Cambio en Educación, 9 (2), pp. 130-144

Oliveira, R. P. (2000). Reformas educativas no Brasil na década de 90. In: Oliveira, R. P.; Catani, A. M. (Org.). Reformas educacionais em Portugal e no Brasil. Belo Horizonte: Autêntica, p. 77-94

Ovando, N. G. e Freitas, D. N. T. (2011). As iniciativas de avaliação nas redes escolares municipais. In: Freitas, D. N. T. e Real, G. C. M. (Org.). Políticas e monitoramento da qualidade do ensino fundamental: cenários municipais. Dourados, MS: Ed. UFGD, 368 p. p. 297-322

Paro, V. H. (2000). Administração escolar – introdução critica. 9. ed. S.P.: Cortez.

Pilati, O. (1994). Sistema Nacional de Avaliação da Educação Básica – SAEB. Ensaio: Avaliação e Políticas Públicas em Educação, Rio de Janeiro, v. 2, n. 1, p. 11-30, out./dez.

Sousa, S. M. Z. L. e Arcas, P. H. (2010). Implicações da avaliação em larga escala no currículo: revelações de escolas estaduais de São Paulo. Educação: Teoria e Prática, Rio Claro, v. 20, n. 35, p. 181-199, jul./dez.

Sousa, S. M. Z. L. e Lopes, V. V. (2010). Avaliação nas políticas educacionais atuais reitera desigualdades. Revista Adusp, São Paulo, p. 53-59, jan.

Sousa, S. M. Z. L. e Oliveira, R. P. (2010). Sistemas estaduais de avaliação: uso dos resultados, implicações e tendências. Cadernos de Pesquisa, v. 40, p. 793-822, set./dez.

Sousa, S. M. Z. L., Pimenta, C., Machado, C. (2011). Avaliação e gestão municipal da educação. Trabalho apresentado na VI Reunião Anual da Abave. 30 de agosto a 02 setembro 2011. Fortaleza

Souza, P. R. (1999). Formação do educador e avaliação educacional: avaliando a política educacional implementada, in: Bicudo, M. A., Silva Júnior, C. Formação do educador e avaliação educacional. S.P.:Unesp.

Vianna, H. M. (2005). Fundamentos de um programa de avaliação educacional. Brasília: Liber Livro.

Vieira, S. L. (2000). Política educacional em tempos de transição (1985/ 1995). Brasília:Plano.




Copyright (c) 2016 REICE. Revista Iberoamericana sobre Calidad, Eficacia y Cambio en Educación

REICE. Revista Iberoamericana sobre Calidad, Eficacia y Cambio en Educación está indexada en:

Scopus, Emerging Sources Citation Index (ESCI), Google Académico, Dialnet, ISOC, Redalyc, EBSCO Fuente Académica Premier, EBSCO Fuente Académica Plus, CIRC, DICE, GENAMICS, Latindex, MIAR, Resh, Biblioteca de la OEI, In-Recs, Iresie, REDIB, REDIAL, DOAJ, Dulcinea, EZB, BNE, GLOOBAL, REBIUN, Sudoc, WorldCat y Georgetown University Library, Copac *.