Politicas de Educação e Estado Avaliador na América Latina: Uma Análise para Além das Avaliações Externas

Maria de Lourdes Pinto de Almeida

Resumen


Este artigo tem como objetivo abordar as concepções históricas do Estado Avaliador na América Latina, e discutir as . estratégias governamentais para ações políticas neste contexto neoliberal de educação. Faz uma reflexão sobre as questões pedagógicas referentes ao rendimento, menosprezadas no processo educativo. A metodologia utilizada foi a histórico-crítica, que envolve as contradições e interpretação do contexto social, político-educacional. inseridas neste contexto histórico de regulação das ações do Estado Avaliador. Os resultados esperados são as reflexões sobre as políticas públicas educacionais de avaliação externa destinadas à educação na discussão das práticas pedagógicas de aprendizagem inseridas na realidade escolar.


Palabras clave


Políticas Públicas Educacionais; Estado Avaliador; Avaliações Externas

Texto completo:

PDF (Português (Brasil))

Referencias


Afonso, A.J. (1999). Estado, mercado, comunidade e avaliação: Esboço para uma rearticulação crítica. Educação & Sociedade, 69, 139-164.

Afonso, A.J. (2000). Avaliação educacional: regulação e emancipação: para uma sociologia das políticas avaliativas contemporâneas. São Paulo: Cortez.

Afonso, A.J. (2001). Reforma do Estado e políticas educacionais: entre a crise do Estado-nação e a emergência da regulação supranacional. Educação & Sociedade, 12(75), 46-59.

Almeida, M.L.P. (2010). Educação e Movimentos Sociais: novos olhares. Campinas: Editora Alínea.

Ball, S. (1998). Big policies/small world: An introduction to international perspectives in education policy. Comparative Education, 34(2), 119-130.

Ball, S. (2007). La privatización encubierta de la educación pública. Informe para La internacional de la Educación. Londres: Instituto de Educación, Universidad de Londres.

Banco Mundial (1999). La Educación en América Latina y el Caribe. Washington, DC: The World Bank.

Bonetti, L.W. (2010). Educação e Movimentos Sociais Hoje. En M.L.P. Almeida (ed.), Movimentos Sociais: novos olhares (pp. 34-49). Campinas: Alínea.

Brunner, J. (coord.) (1994). Educacion superior en América Latina una agenda de problemas, políticas y debates en el umbral del año 2000. Proyecto de Políticas Comparadas de Educación Superior. Bogotá: Universidad de Colombia.

Carnoy, M. (2001). El impacto de la mundialización en las estrategias de reforma educativa. Revista de Educación, 3, 101-110.

Dale, R. (2004). Globalização e educação: demonstrando a existência de uma "Cultura Educacional Mundial Comum" ou localizando uma "Agenda Globalmente Estruturada para a Educação"? Educación y Sociedad, 25(87), 29-46.

Dale, R. (2006). Globalização e reavaliação da governação educacional: Um caso de ectopia sociológica. En A. Teodoro y C.A. Torres (orgs), Educação crítica & utopia: perspectivas para o século XXI (pp. 89-123). São Paulo: Cortez.

Dale, R. (2007). Los efectos de la globalización en la política nacional: un análisis de los mecanismos. En X. Bonal, A. Tarabini-Castellani y A. Verger (comp.), Globalización y Educación. Textos Fundamentales (pp. 57-78). Buenos Aires: Miño y Dávila.

Fischman, G. y Sales, S.R. (2010). Formação e pedagogias críticas. É possível ir além das narrativas redentoras? Revista Brasileira de Educação, 15(43), 1-24.

Krawczyk, N.R. (2005). Políticas de regulação e mercantilização da educação: socialização para uma nova cidadania? Educação e Sociedade, 26(92), 799-819.

Naider, F.E. (2008). A reforma do Estado e da educação na década de 1990: a refuncionalização do Estado via implementação da eficiência mercadológica. Dialogia, 7(1), 113-120.

Normand, T. (2003). Les comparaisons internationales fe résultats: problèmes Épistémologiques Et Questions de Justice. Education et sociétés, 2(12), 73-89.

Polantzas, N. (1980). O Estado, o poder, o socialismo. Rio de Janeiro: Edições Graal.

Santos, B.S. (2006). A Gramática do Tempo: para uma nova cultura política. São Paulo: Cortez.

Shiroma, E.O. (2005). Decifrar textos para compreender a política: subsídios teórico-metodológicos para análise de documentos. Perspectiva, 23(2), 34-54.

Tello, C. (2011). Epistemologías de la política educativa y justicia social en América Latina. Nómadas. Revista Crítica de Ciencias Sociales y Jurídicas, 1, 489-500.

Teodoro, A. (2011). A fortuna é de quem a agarrar. A Rede Iberoamericana de Investigação em Políticas de Educação (RIAIPE) e as perspectivas de trabalho futuro. Revista de la Asociación de Sociología de la Educación, 4(4), 56-87.

Torres, C.A. (2001). Democracia, educação e multiculturalismo: dilemas da cidadania em um mundo globalizado. Rio de Janeiro: Vozes.

Van Zanten, A. (2002). Educational change and new cleavages between head teachers, teachers and parents: Global and local perspectives on the French case. Journal of Education Policy, 17(3), 289-304.




Copyright (c) REICE. Revista Iberoamericana sobre Calidad, Eficacia y Cambio en Educación

REICE. Revista Iberoamericana sobre Calidad, Eficacia y Cambio en Educación está indexada en:

Scopus, Emerging Sources Citation Index (ESCI), Google Académico, Dialnet, ISOC, Redalyc, EBSCO Fuente Académica Premier, EBSCO Fuente Académica Plus, CIRC, DICE, GENAMICS, Latindex, MIAR, Resh, Biblioteca de la OEI, In-Recs, Iresie, REDIB, REDIAL, DOAJ, Dulcinea, EZB, BNE, GLOOBAL, REBIUN, Sudoc, WorldCat y Georgetown University Library, Copac *.