Politicas de Educação e Estado Avaliador na América Latina: Uma Análise para Além das Avaliações Externas

Maria de Lourdes Pinto de Almeida

Resumen


Este artigo tem como objetivo abordar as concepções históricas do Estado Avaliador na América Latina, e discutir as . estratégias governamentais para ações políticas neste contexto neoliberal de educação. Faz uma reflexão sobre as questões pedagógicas referentes ao rendimento, menosprezadas no processo educativo. A metodologia utilizada foi a histórico-crítica, que envolve as contradições e interpretação do contexto social, político-educacional. inseridas neste contexto histórico de regulação das ações do Estado Avaliador. Os resultados esperados são as reflexões sobre as políticas públicas educacionais de avaliação externa destinadas à educação na discussão das práticas pedagógicas de aprendizagem inseridas na realidade escolar.


Palabras clave


Políticas Públicas Educacionais; Estado Avaliador; Avaliações Externas

Texto completo:

PDF (Português (Brasil))

Referencias


Afonso, A.J. (1999). Estado, mercado, comunidade e avaliação: Esboço para uma rearticulação crítica. Educação & Sociedade, 69, 139-164.

Afonso, A.J. (2000). Avaliação educacional: regulação e emancipação: para uma sociologia das políticas avaliativas contemporâneas. São Paulo: Cortez.

Afonso, A.J. (2001). Reforma do Estado e políticas educacionais: entre a crise do Estado-nação e a emergência da regulação supranacional. Educação & Sociedade, 12(75), 46-59.

Almeida, M.L.P. (2010). Educação e Movimentos Sociais: novos olhares. Campinas: Editora Alínea.

Ball, S. (1998). Big policies/small world: An introduction to international perspectives in education policy. Comparative Education, 34(2), 119-130.

Ball, S. (2007). La privatización encubierta de la educación pública. Informe para La internacional de la Educación. Londres: Instituto de Educación, Universidad de Londres.

Banco Mundial (1999). La Educación en América Latina y el Caribe. Washington, DC: The World Bank.

Bonetti, L.W. (2010). Educação e Movimentos Sociais Hoje. En M.L.P. Almeida (ed.), Movimentos Sociais: novos olhares (pp. 34-49). Campinas: Alínea.

Brunner, J. (coord.) (1994). Educacion superior en América Latina una agenda de problemas, políticas y debates en el umbral del año 2000. Proyecto de Políticas Comparadas de Educación Superior. Bogotá: Universidad de Colombia.

Carnoy, M. (2001). El impacto de la mundialización en las estrategias de reforma educativa. Revista de Educación, 3, 101-110.

Dale, R. (2004). Globalização e educação: demonstrando a existência de uma "Cultura Educacional Mundial Comum" ou localizando uma "Agenda Globalmente Estruturada para a Educação"? Educación y Sociedad, 25(87), 29-46.

Dale, R. (2006). Globalização e reavaliação da governação educacional: Um caso de ectopia sociológica. En A. Teodoro y C.A. Torres (orgs), Educação crítica & utopia: perspectivas para o século XXI (pp. 89-123). São Paulo: Cortez.

Dale, R. (2007). Los efectos de la globalización en la política nacional: un análisis de los mecanismos. En X. Bonal, A. Tarabini-Castellani y A. Verger (comp.), Globalización y Educación. Textos Fundamentales (pp. 57-78). Buenos Aires: Miño y Dávila.

Fischman, G. y Sales, S.R. (2010). Formação e pedagogias críticas. É possível ir além das narrativas redentoras? Revista Brasileira de Educação, 15(43), 1-24.

Krawczyk, N.R. (2005). Políticas de regulação e mercantilização da educação: socialização para uma nova cidadania? Educação e Sociedade, 26(92), 799-819.

Naider, F.E. (2008). A reforma do Estado e da educação na década de 1990: a refuncionalização do Estado via implementação da eficiência mercadológica. Dialogia, 7(1), 113-120.

Normand, T. (2003). Les comparaisons internationales fe résultats: problèmes Épistémologiques Et Questions de Justice. Education et sociétés, 2(12), 73-89.

Polantzas, N. (1980). O Estado, o poder, o socialismo. Rio de Janeiro: Edições Graal.

Santos, B.S. (2006). A Gramática do Tempo: para uma nova cultura política. São Paulo: Cortez.

Shiroma, E.O. (2005). Decifrar textos para compreender a política: subsídios teórico-metodológicos para análise de documentos. Perspectiva, 23(2), 34-54.

Tello, C. (2011). Epistemologías de la política educativa y justicia social en América Latina. Nómadas. Revista Crítica de Ciencias Sociales y Jurídicas, 1, 489-500.

Teodoro, A. (2011). A fortuna é de quem a agarrar. A Rede Iberoamericana de Investigação em Políticas de Educação (RIAIPE) e as perspectivas de trabalho futuro. Revista de la Asociación de Sociología de la Educación, 4(4), 56-87.

Torres, C.A. (2001). Democracia, educação e multiculturalismo: dilemas da cidadania em um mundo globalizado. Rio de Janeiro: Vozes.

Van Zanten, A. (2002). Educational change and new cleavages between head teachers, teachers and parents: Global and local perspectives on the French case. Journal of Education Policy, 17(3), 289-304.




Copyright (c) REICE. Revista Iberoamericana sobre Calidad, Eficacia y Cambio en Educación

REICE. Revista Iberoamericana sobre Calidad, Eficacia y Cambio en Educación está indexada en:

Scopus, Emerging Sources Citation Index (ESCI), Google Académico, Dialnet, ISOC, Redalyc, EBSCO Fuente Académica Premier, EBSCO Fuente Académica Plus, ERIH PLUS, CIRC, DICE, GENAMICS, Latindex, MIAR, Resh, Biblioteca de la OEI, In-Recs, Iresie, REDIB, REDIAL, DOAJ, Dulcinea, EZB, BNE, GLOOBAL, REBIUN, Sudoc, WorldCat y Georgetown University Library, Copac *.