Uma Década de Auto Avaliação Institucional: O que Mudou na Percepção dos Docentes?

Zulmar Belmonte Nascimento, Márcia Zampieri Grohmann

Resumen


Os estudos acerca da avaliação institucional no Brasil ocorrem desde os anos 80, mas tem se intensificado a partir dos anos 90. Neste período, as diferentes políticas educacionais implantaram vários programas com a finalidade de controlar e avaliar o ensino superior, e dessa forma justificar os gastos nesta área e ao mesmo tempo fornecer profissionais mais qualificados ao mercado. Este artigo busca comparar a satisfação dos docentes com a AAI em uma Instituição de Ensino Superior Federal em 2001 e 2011. A metodologia utilizada no trabalho foi uma pesquisa descritiva, onde foi aplicado um questionário em uma amostra de 217 docentes. Os dados foram analisados com o apoio do software SPSS, para realizar a estatística descritiva e comparar as médias com o Teste T. Os principais resultados encontrados indicam que comparando os estudos de 2001 com o de 2011, foi observado que, dos 45 itens pesquisados, 49% mantiveram o mesmo nível de satisfação, 4% melhoraram e 47% apresentam uma satisfação menor. Conclui-se que os principais motivos para uma piora na avaliação é a sobrecarga de trabalho dos docentes, que não tem tempo para dedicar-se ao processo de AAI, e a falta de resultados concretos do processo, já que não há uma clara relação entre as demandas encontradas e às ações praticadas pela instituição no sentido de melhorá- las.

 


Palabras clave


Avaliação; Auto Avaliação Institucional; Ensino Superior; Docentes; Satisfação; Longitudinal. 

Texto completo:

PDF (Português (Brasil))

Referencias


Augusto, R., & Balzan, N.C. (2007). A vez e a voz dos coordenadores das CPAs das IES de Campinas que integram o SINAES. Avaliação, 12, 597-624.

Belloni, I. (2000). A função social da avaliação institucional. Em J. Dias Sobrinho, & D.I. Ristoff, Universidade desconstruída: avaliação institucional e resistência (pp. 54-78). Florianópolis: Insular.

Brasil, A.R., Barbosa, C.I.V., Rodrigues, F.P.M., Blois, M.D., Cunha, M.S., & Xavier, R.T.O. (2007). O processo da avaliação institucional como multiplicador de iniciativas para o aperfeiçoamento docente: 2ª parte. Avaliação, 12, 663-684.

CONAES - Comissão Nacional de Avaliação da Educação Superior (2004a). Diretrizes para a avaliação das instituições de educação superior. Brasília: Ministério da Educação.

CONAES - Comissão Nacional de Avaliação da Educação Superior (2004b). Orientações gerais para o roteiro da autoavaliação das instituições. Brasília: Ministério da Educação.

Costa, E.M., Ribeiro, C.M. & Vieira, R.B.B. (2010). Avaliação em movimento: do PAIUB ao PGE o caso da Universidade Federal de Goiás. Avaliação, 15, 87-108.

Dias Sobrinho, J. (2005). Avaliação como instrumento da formação cidadã e do desenvolvimento da sociedade democrática: por uma ético-epistemologia da avaliação. Em D. Ristoff (org.), Avaliação participativa: perspectivas e debates (pp. 89-128). Brasília: INEP.

Dias Sobrinho, J. (2008). Qualidade, avaliação: do SINAES a índices. Avaliação, 13, 818-825.

Dias Sobrinho, J. (2010). Avaliação e transformações da educação superior brasileira (1995-2009): do provão ao SINAES. Avaliação, 15, 195-224.

Gil, A.C. (1999). Métodos e técnicas de pesquisa social. São Paulo: Atlas.

House, E.R (1997). Evaluación, ética y poder. Madrid: Morata.

Leite, D. (2008). Ameaças pós-rankings: sobrevivência das CPA’s e da Auto-Avaliação. Avaliação, 13, 833-840.

Morales, R.E. (2001). A avaliação institucional da UFSM na percepção dos seus docentes. Dissertação de mestrado. Universidade Federal de Santa Catarina, Floriánopolis.

Neiva, C.C. (1989). A avaliação como instrumento de apoio ao planejamento e tomada de decisões: a perspectiva da eficiência institucional e da qualidade do ensino dentro de um enfoque político. Florianópolis: Insular.

Peixoto, M.C. (2011). Avaliação institucional externa no SINAES: considerações sobre a prática recente. Avaliação, 16, 11-36.

Polidori, M.M., Fonseca, D.G. y Larrosa, S.F.T. (2007). Avaliação institucional participativa. Avaliação, 12, 333-348.

Ristoff, D. (1999). Universidade em foco: reflexões sobre a educação superior. Florianópolis: Insular.

Rodrigues, C.M. (2003). Proposta de avaliação integrada ao planejamento anual: um modelo para as UCGs. Tese de doutorado. Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre.

Santos, E.G., Sadala, M.G. y Borges, S.X. (2012). Avaliação institucional: por que os atores silenciam? Educação e Realidade, 37, 551-568.

Schlickmann, R., Melo, P.A., & Alperstedt, G.D. (2008). Enfoques da teoria institucional nos modelos de avaliação institucional brasileiros. Avaliação, 13, 153-168.

Silva, A.L., & Gomes, A.M. (2011). Avaliação institucional no contexto do SINAES: a CPA em questão. Avaliação, 16, 573-601.

SINAES–Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior (2004). Da concepção à regulamentação. Brasília: Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais.

Sordi, M.R. y Ludke, M. (2009). Da avaliação da aprendizagem à avaliação institucional: aprendizagens necessárias. Avaliação, 14, 313-336.

Van Dalen, D. y Meyer, W.J, (1979). Manual de técnica de la investigación educacional. Buenos Aires: Paidos.

Yin, R. (2005). Estudo de caso: planejamento e métodos. 3. ed. Porto Alegre: Bookman.

Venturini, J.C., Pereira, B.A.D., Morales, R., Fleck, C.F., Batistella Junior, Z., & Nagel, M. (2010). Percepção da avaliação: um retrato da gestão pública em uma instituição de ensino superior (IES). Revista de Administração Pública, 44, 31-53.

Vieira, R.L.B., & Freitas, K.S. (2010). O SINAES na universidade pública estadual: análise do processo de construção da avaliação interna na Universidade do Estado da Bahia (UNEB). Ensaio: Avaliação e Políticas Públicas, 18, 443-464.

(c) RINACE (2003-2019) e-mail: rinace@uam.es




Copyright (c) 2016 REICE. Revista Iberoamericana sobre Calidad, Eficacia y Cambio en Educación

REICE. Revista Iberoamericana sobre Calidad, Eficacia y Cambio en Educación está indexada en:

Scopus, Emerging Sources Citation Index (ESCI), Google Académico, Dialnet, ISOC, Redalyc, EBSCO Fuente Académica Premier, EBSCO Fuente Académica Plus, ERIH PLUS, CIRC, DICE, GENAMICS, Latindex, MIAR, Resh, Biblioteca de la OEI, In-Recs, Iresie, REDIB, REDIAL, DOAJ, Dulcinea, EZB, BNE, GLOOBAL, REBIUN, Sudoc, WorldCat y Georgetown University Library, Copac *.