A Relação da Leitura e Autoconceito com o Desempenho Acadêmico em Alunos do Ensino Fundamental

Monalisa Muniz, Bruno Lamarão do Nascimento

Resumen


O presente trabalho objetivou investigar a relação de um fator cognitivo, a leitura de palavras e um fator afetivo-emocional, o autoconceito, com o desempenho acadêmico, bem como verificar qual desses dois construtos apresenta maior predição do desempenho acadêmico. Participaram da pesquisa 177 alunos, brasileiros, do 2o ao 5o ano do ensino fundamental de uma escola particular. Para a coleta dos dados os participantes responderam a uma escala que mensura autoconceito e um teste de leitura de palavras e pseudopalavras. Ainda foram coletadas as notas finais dos participantes em cada disciplina para constituir uma nota geral do desempenho acadêmico. Os resultados apontaram a leitura de palavras como melhor preditor do desempenho para os alunos do 2o e 3o ano, e o autoconceito social para os alunos do 5o ano foi melhor preditor. Diante dos resultados encontrados, sugere-se mais pesquisas sobre o tema, mesmo porque a literatura científica apresenta resultados divergentes.

 


Palabras clave


Autoconceito; Desempenho acadêmico; Leitura; Aprendizagem.

Texto completo:

PDF (Português (Brasil))

Referencias


Araujo, A.P.Q.C. (2002). Avaliação e manejo da criança com dificuldade escolar e distúrbio de atenção. Jornal de Psiquiatria, 78(1), 104-110.

Bacon, L. (2011). Academic self-concept and academic achievement of African American students transitioning from urban to rural schools. Dissertação, Universidade de Iowa.

Brasil (1996). Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Lei 9.394/96. Brasília: Imprensa Oficial.

Capovilla, A. e Capovilla, F.C. (2004) Alfabetização: método fônico. São Paulo: Memnon.

Capovilla, A., Machalous, N. e Capovilla, F.C. (2003). Estratégias de leitura fonológica e lexical em crianças bilíngües em português e alemão. En A. Capovilla (Org.), Avaliação e intervenção em habilidades metafonológicas e de leitura e escrita (pp. 33-51). São Paulo: Memnon.

Capovilla, F.C., Macedo, E.C. e Charin, S. (2002). Competências de leitura: tecnologia e modelos na avaliação de compreensão de leitura silenciosa e de reconhecimento e decodificação em leitura em voz alta. En M. Santos e A. Navas (Eds.), Distúrbios de leitura e escrita: teoria e prática (pp. 97-168). Barueri: Manole Editora.

Capovilla, F.C., Viggiano, K.Q., Capovilla, A., Raphael, W.D., Mauricio, A. e Bidá, M.R. (2004). Como avaliar o desenvolvimento da competência de leitura de palavras em surdos do Ensino Fundamental ao Médio, e analisar processos de reconhecimento e decodificação: Teste de Competência de Leitura de Palavras. En F. Capovilla e W. Raphael (Orgs.), Enciclopédia da Língua de Sinais Brasileira: O mundo do surdo em Libras (pp. 297-680). São Paulo: Edusp.

Carneiro, G., Martinelli, S. e Sisto, F. (2003). Autoconceito e dificuldades de aprendizagem na escrita. Psicologia: Reflexão e Crítica, 16(3), 427-434.

Cia, F. e Barham, E.J. (2008). Estabelecendo relação entre autoconceito e desempenho acadêmico de crianças escolares. Psico, 39(1), 21-27.

Cia, F. e Barham, E.J. (2009). Repertório de habilidades sociais, problemas de comportamento, autoconceito e desempenho acadêmico de crianças no início da escolarização. Estudos de Psicologia, 26(1), 45-55.

Clemente, I.F. (2008). Autoconceito e problemas de comportamento em crianças com dificuldades de aprendizagem. Dissertação. Universidade de Lisboa, Portugal.

Costa, M. (1990). O rendimento escolar no Brasil e a experiência de outros países. São Paulo: Edições Loyola.

Costa, E. e Boruchovitch, E. (2004). Compreendendo relações entre estratégias de aprendizagem e a ansiedade de alunos do ensino fundamental de Campinas. Psicologia: Reflexão e Crítica, 17(1), 15-24.

Dambudzo, I. e Schulze, S. (2013). The relationship betwen learner self-concept and academic achievement in secondary schools in Zimbabwe. Prime Research on Education, 3(2), 412-436.

Dancey, C. e Reidy, J. (2006). Estatística sem matemática para psicologia. Porto Alegre: Artmed.

Depresbiteris, L. (1997). Avaliação da aprendizagem: Revendo conceitos e posições. En C.P. Sousa (Org.), Avaliação do rendimento escolar (pp. 51-79). Campinas: Papirus.

Esteban, M.T. (2000). Exigências democráticas/ exigências pedagógicas: avaliação. Tecnologia Educacional, 29(148), 03-06.

Ferreira, A.A, Conte, K.M. e Marturano, E.M. (2011). Meninos com queixa escolar: autopercepções, desempenho e comportamento. Estudos de Psicologia, 28(4), 443-451.

Frith, U. (1990). Dyslexia as a developmental disorder of language. Londres: MRC, Cognitive Development Unit.

Hernández-Castilla, R., Murillo, F.J. e Martínez-Garrido, C. (2014). Factores de ineficacia escolar. REICE. Revista Iberoamericana sobre Calidad, Eficacia y Cambio en Educación, 12(1), 103-118.

Morton, J. (1989). An information-processing accountof reading acquisition. En A.M. Galaburda (Ed.), From reading to neurons (pp. 89-104). Cambridge, MA: The MIT Press.

Navas, A.L., Pinto, J.C. e Delissa, P.R. (2009). Avanços no conhecimento do processamento da fluência em leitura: da palavra ao texto. Revista da Sociedade Brasileira de Fonoaudiologia, 14(3), 553-559.

Oliveira, K.L., Boruchovitch, E. e Santos, A. (2008). Leitura e desempenho escolar em português e matemática no ensino fundamental. Paidéia, 18(41), 531-540.

Silva, C. e Capellini, S.A. (2011). Desempenho cognitivo-linguístico de escolares com distúrbio de aprendizagem. Psicologia em Estudo, 16(1), 131-137.

Sisto, F.F. e Martinelli, S.C. (2004). Escala de Autoconceito Infanto Juvenil (EAC-IJ). São Paulo: Editora Vetor.

Sisto, F.F. e Martinelli, S.C. (2006). O papel das relações sociais na compreensão do fracasso escolar e das dificuldades de aprendizagem. Em F.F. Sisto e S.C. Martinelli (Orgs.), Afetividade e dificuldades de aprendizagem: uma abordagem psicopedagógica (pp. 13-30). São Paulo: Vetor.

Statistical Package for the Social Sciences – SPSS (2009). SPSS. Versão 17. Chicago, IL: SPSS Inc.

Zuanetti, P.A., Schneck, A.P.C. e Manfredi, A.K.S. (2008). Consciência fonológica e desempenho escolar. Revista CEFAC, 10(2), 168-174.




Copyright (c) 2016 REICE. Revista Iberoamericana sobre Calidad, Eficacia y Cambio en Educación

REICE. Revista Iberoamericana sobre Calidad, Eficacia y Cambio en Educación está indexada en:

Scopus, Emerging Sources Citation Index (ESCI), Google Académico, Dialnet, ISOC, Redalyc, EBSCO Fuente Académica Premier, EBSCO Fuente Académica Plus, ERIH PLUS, CIRC, DICE, GENAMICS, Latindex, MIAR, Resh, Biblioteca de la OEI, In-Recs, Iresie, REDIB, REDIAL, DOAJ, Dulcinea, EZB, BNE, GLOOBAL, REBIUN, Sudoc, WorldCat y Georgetown University Library, Copac *.