O Choque com a Realidade: Dormi Contador e Acordei Professor...

Francielly Dornelas C. Lima, Ana Clara Lacerda de Oliveira, Tamires Sousa Araújo, Gilberto José Miranda

Resumen


O presente estudo tem o objetivo de identificar os principais problemas enfrentados pelos docentes da área contábil nos seus três primeiros anos de carreira. Para alcançar esse objetivo, foram consultados estudos sobre as fases de vida dos professores e os problemas que esses enfrentaram (Gonçalves, 1995, 2009; Huberman, 1989, 2000; Veenman, 1984). Foram aplicados questionários, com questões abertas e fechadas, a 84 professores brasileiros ingressantes na carreira em Ciências Contábeis. Por meio de uma análise quantitativa e qualitativa, os resultados indicaram que a falta de formação para o exercício da docência pode levar os docentes da área contábil ao fenômeno "choque com a realidade". Os achados também evidenciam que os principais problemas que afligem os docentes são: desmotivação dos discentes, heterogeneidade das classes, salas lotadas, falta de tempo, dificuldade para determinar nível de aprendizado, e quantidade de atividades administrativas.


Palabras clave


 Ensino superior; Educação empresarial; Professores; Contabilidade; Habilidades de trabalho.

Texto completo:

PDF (Português (Brasil))

Referencias


Araújo, T.S., Lima, F.D.C., Miranda, G.J. e Oliveira, A.C.L. (2013). Professores: Que problemas mais os afligem? Comunicación presentada en el XXXVIII Encontro da ANPAD. Rio de Janeiro.

Arends, R.I. (1995). Aprender a ensinar. Lisboa: MacGrawHill.

Bardin, L. (1977). Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70.

Barlow, M. (1999). Le métier d’enseigner: essai de définition. Paris: Anthropos.

Beherns M.A (2011). Docência Universitária: formação ou improvisação? Revista Educação, 36(3), 441-454.

Beuren, I.M. (2006). Como elaborar trabalhos monográficos em contabilidade - teoria e prática (3a. ed.). São Paulo: Atlas.

Burnier, S., Cruz, R.M.R., Durães, M.N., Paz, M.L., Silva, N.S. e Silva, I.M.M. Histórias de vida de professores: o caso da educação profissional. Revista Brasileira de Educação, 12(35), 343-358.

Brasil, (2004). Censo da Educação Superior 2004. Recuperado de http://download.inep.gov.br.

Brasil, (1996). Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Recuperado de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9394.htm

Collis, J. e Hussey, R. (2005). Pesquisa em Administração. Um guia prático para alunos de graduação e pós-graduação. Porto Alegre: Bookman.

Ferreira, M.A., Santos, C.K. e Miranda, G.J. (2014). Desempenho Discente: o passado determina o futuro? Comunicación presentada en el XXXVIII Encontro da ANPAD. Rio de Janeiro.

Gatti, B. (2010). Formação de professores no Brasil: características e problemas. Revista Educação e Sociedade, 31(113), 1355-1379.

Gil, A.C. (1999). Métodos e técnicas de pesquisa social. São Paulo: Atlas.

Gonçalves, J.A. (1995). A carreira das professoras do ensino primário. En A. Nóvoa (Org.), Vida de professores (pp. 56-87). Porto: Porto Editora.

Gonçalves, J.A. (2009). Desenvolvimento profissional e carreira docente-fases da carreira, currículo e supervisão. Revista de Ciências da Educação, 8, 23-36.

Guterres, M.F.L. (2011). Choque de realidade dos professores principiantes em Díli. Lisboa: Universidade de Lisboa.

Huberman, M. (1989). Le cycle de vie profissionnelle des enseignants secondaires. Résumé d'une recherche démentielle. Genève: Cahiers de la Section des Sciences de l'Education, Université de Genève.

Huberman, M. (2000). O ciclo de vida profissional dos professores. En A. Nóvoa (Org.), Vida de professores (pp. 78-101). Portugal: Porto Editora.

Imbernón, F. (2011). Formação docente e profissional: formar-se para a mudança e a incerteza. São Paulo: Cortez.

Isaia, S.M.A. (2006). Desafios à docência universitária: pressupostos a considerar. En D. Ristoff e P. Sevegnani (Orgs), Docência na educação superior (pp. 45-67). Brasília: INEP.

Jesus, S.N. e Santos, J.C.V. (2004). Desenvolvimento profissional e motivação dos professores. Educação, 1, 39-54.

Kramer, M. (1974). Reality shock: why nurses leave nursing. Saint Louis: Mosby.

Lapini, V.C. (2012). Panorama da formação do professor em Ciências Contábeis pelos cursos stricto sensu no Brasil. Ribeirão Preto: Universidade Sao Paulo.

Leal, E.A., Miranda, G.J. e Carmo, C.R.S. (2013). Teoria da Autodeterminação: uma Análise da Motivação dos Estudantes do Curso de Ciências Contábeis. Revista de Contabilidade & Finanças, 24(62), 162-173.

Libâneo, J.C. (2009). Conteúdos, formação de competências cognitivas e ensino com pesquisa: unindo ensino e modos de investigação. Cadernos de Pedagogia Universitária, 10, art 5.

Marcelo, C. (1998). Pesquisa sobre a formação de professores: o conhecimento sobre aprender a ensinar. Revista Brasileira de Educação, 9, 51-75.

Mellouki, M. e Gauthier, C. (2004). O professor e seu mandato de mediador, herdeiro, intérprete e crítico. Educação & Sociedade, 25(87), 537-571.

Miranda, G.J. (2010). Docência Universitária: uma análise das disciplinas na área da formação pedagógica oferecidas pelos programas de pós-graduação stricto sensu em Ciências Contábeis. Revista de Educação e Pesquisa em Contabilidade, 4(2), 81-98.

Miranda, G.J., Casa Nova, S.P.C. e Carnacchione Júnior, E.B. (2012) Os saberes dos professores-referência no ensino de Contabilidade. Revista Contabilidade e Finanças, 23(59), 142-153.

Montaño, J.L.A., Byrne, M., Flood, B. e González, J.M.G. (2009). Motives, expectations, preparedness and academic performance: a study of students of accounting at a spanish university. Revista de contabilidad, 12(2), 279-299.

Nascimento, J. e Graça V. (1998). A evolução da percepção de competência profissional de professores ao longo da sua carreira docente. Comunicación presentada en el VI Congresso de Educacion Física e Ciências do deporte dos Países de Língua Portuguesa. Porto Alegre, Brasil.

Oliveira, M.M. (2007). Como fazer pesquisa qualitativa. Petrópolis: Vozes.

Richardson, R.J. (2011). Pesquisa Social: métodos e técnicas. São Paulo: Atlas.

Sacristán, G.J. (1998). O currículo uma reflexão sobre a prática. Porto Alegre: Artmed.

Silkes, P.J. (1985). The life cycle of teacher. Cidade: Editora.

Silva, M.C.M. (1997). O primeiro ano de docência: o choque com a realidade. En M.T. Estrela (Org.), Viver e construir a profissão docente (pp. 37-56). Porto: Porto Editora.

Silva, A.B. e Costa, F.J. (2013, setembro). Itinerários para o Desenvolvimento da Competência Docente na Pós-Graduação Stricto Sensu em Administração. Comunicación presentada en el XXXVII Encontro da ANPAD, Rio de Janeiro.

Smith, M.U. (1994). Counterpoint: Belief, Understanding and the teacher evolution. Journal of Research in Science Teaching, 31(5), 591–597.

Steenkamp, L.P., Baard, R.S. e Frick, B.L. (2009). Factors influencing success in first-year accounting at a South African university: A comparison between lecturers’ assumptions and students’ perceptions. SA Journal of Accounting Research, 23(1), art 9.

Vasconcelos, A.F. (2009). Professores em ciências contábeis: um estudo sobre as competências para o exercício da docência nos cursos presenciais no nordeste brasileiro. Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Caicó, RN, Brasil.

Veenman, S. (1984). Perceived Problems of Beginning Teachers. Review of Educational Research, Catholic University of Nijmegen, 54(2), 143-178.

Waples, E. e Darayseh, M. (2011). Determinants of students’ performance in Intermediate Accounting. Journal of College Teaching & Learning (TLC), 2(12), 1-23.




Copyright (c) 2015 REICE. Revista Iberoamericana sobre Calidad, Eficacia y Cambio en Educación

REICE. Revista Iberoamericana sobre Calidad, Eficacia y Cambio en Educación está indexada en:

Scopus, Emerging Sources Citation Index (ESCI), Google Académico, Dialnet, ISOC, Redalyc, EBSCO Fuente Académica Premier, EBSCO Fuente Académica Plus, ERIH PLUS, CIRC, DICE, GENAMICS, Latindex, MIAR, Resh, Biblioteca de la OEI, In-Recs, Iresie, REDIB, REDIAL, DOAJ, Dulcinea, EZB, BNE, GLOOBAL, REBIUN, Sudoc, WorldCat y Georgetown University Library, Copac *.