Análise Bibliométrica sobre Avaliação de Pessoas com Deficiência Intelectual para Ingresso em Serviços de Educação Especial

Anaí Cristina da Luz Stelmachuk, María Cristina Piumbato Hayashi

Resumen


O tema desse artigo é a avaliação da deficiência intelectual visando a inclusão de pessoas com essas deficiências em serviços de educação especial. Trata-se de um estudo que analisou a produção científica acadêmica brasileira sobre esse tema composta por artigos, teses e dissertações. A metodologia adotada foi baseada na abordagem bibliométrica, com enfoque quantitativo e qualitativo para a análise dos resultados. Os resultados evidenciaram a predominância de modelos de avaliação da deficiência intelectual com enfoque educacional, contradições entre os conceitos de deficiência e os critérios de avaliação, ausência de critérios avaliativos comuns, dúvidas sobre a eficácia da avaliação como instrumento de auxílio ao processo de ensino e aprendizagem e opinião favorável ao entendimento da deficiência intelectual sob uma abordagem multidimensional, na qual o contexto social é valorizado.

 


Palabras clave


Deficiência intelectual; Educação especial; Análise bibliométrica.

Texto completo:

PDF (Português (Brasil))

Referencias


Almeida, M.A. (2004). Apresentação e análise das definições de deficiência mental propostas pela AAMR–Associação Americana de Retardo Mental de 1908 a 2002. Revista de Educação Puc-Campinas, 16(2), 33-48.

American Association on Intellectual and Developmental Disabilities (2010). Intellectual Disability: definition, classification and systems of supports. Washington, DC: AAIDD.

American Psychiatric Association (1995). Manual diagnóstico e estatístico de transtornos mentais: DSM-IV. Porto Alegre: Artes Médicas.

American Psychiatry Association. (2013). Diagnostic and Statistical Manual of Mental disorders: DSM-V. Washington, DC: APA.

Amiralian, M.L.T., Pinto, E.B., Ghirardi, M.I.G., Lichtig, I. e Masini, E.F.S. (2000). Conceituando deficiência. Revista de Saúde Pública, 34(1), 97-103.

Anache, A.A. (2002). Reflexões sobre o diagnóstico psicológico da deficiência mental utilizado em educação especial. Recuperado de http://www.educacaoonline.pro.br/

Anache, A.A. e Mitjáns, A.M. (2007). Deficiência mental e produção científica na base de dados da CAPES: o lugar da aprendizagem. Revista Semestral da Associação Brasileira de Psicologia Escolar e Educacional, 11(2), 253-274.

Araújo, A.C. e Lotufo Neto, F. (2014). A nova classificação americana para os transtornos mentais: DSM-5. Revista Brasileira de Terapia Comportamental e Cognitiva, 16(1), 67-82.

Araújo, S.L.S. e Almeida, M.A. (2014). Contribuições da consultoria colaborativa para a inclusão da pessoa com deficiência intelectual. Revista Educação Especial, 27(49), 341-352.

Bampi, L.N.S., Guilhem, D. e Alves, E.D. (2010). Modelo social: uma nova abordagem para o tema deficiência. Revista Latino-Americana de Enfermagem, 18(4), 1-9.

Barbosa, A.J.G. e Moreira, P.S. (2009). Deficiência mental e inclusão escolar: produção científica em educação e psicologia. Revista Brasileira de Educação Especial, 15(2), 337-352.

Bastos, O.M. e Deslandes, S.F. (2005). Sexualidade e o adolescente com deficiência mental: uma revisão bibliográfica. Ciência e Saúde Coletiva, 10(2), 389-397.

Boer, W.A. (2012). Avaliação Pedagógica: um recurso para a tomada de decisões. Em M. Almeida (Org.), Deficiência Intelectual: realidade e ação (pp. 85-97). São Paulo: Secretaria da Educação do Estado de São Paulo.

Brasil (1996). Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Brasília: MEC.

Brasil (2001). Resolução nº 2, de 11 de setembro de 2001. Brasília: MEC.

Brasil (2004). Decreto nº 5.296, de 02 de dezembro de 2004. Brasília: MEC.

Brasil (2006). Saberes e práticas da inclusão: Avaliação para a identificação das necessidades educacionais especiais. Brasília: MEC/SEESP.

Brasil (2008). Política nacional de educação especial na perspectiva da educação inclusiva. Brasília: MEC.

Brasil (2011). Decreto nº 7.611, de 17 de novembro de 2011. Brasília: MEC.

Brasil (2014). Nota técnica nº 04/2014, de 23 de janeiro de 2014. Brasília: MEC.

Bridi, F.R.S. e Batista, C.R. (2014). Deficiência mental: o que dizem os manuais diagnósticos? Revista Educação Especial, 27(49), 499-512.

Bridi, F.R.S. (2012). Avaliação inicial no atendimento educacional especializado: dilemas e consequências. Revista Educação Especial, 25(44), 499-512.

Brito, J. e Campos, J.A.P. (2013). Escolarização de jovens e adultos com deficiência intelectual: considerações sobre as pesquisas em dissertações e teses no período de 1988 a 2008. Revista Educação Especial, 26(45), 45-58.

Comín, M., Garrós, C.R., Franco, E., Damián, J., Tovar, M.R., Cuesta, J. (2011). Producción científico-profesional española sobre discapacidad según el modelo CIF: revisión de la literatura, 2001-2011. Gaceta Sanitária, 25(9), 39-36.

Cuccovia, M.M. (2003). Análise de procedimentos para avaliação de interesses baseado em um currículo funcional natural e seus efeitos no funcionamento geral de indivíduos com deficiência mental e autismo. Dissertação de mestrado. Universidade Federal de São Carlos, São Carlos.

Dessen, M.A. e Silva, N.L.P. (2000). Deficiência mental e família: uma análise da produção científica. Paidéia, 10(19), 12-23.

Dias, S.S. e Oliveira, M.C. (2013). Deficiência intelectual na perspectiva histórico-cultural: contribuições ao estudo do desenvolvimento do adulto. Revista Brasileira de Educação Especial, 19(2), 169-182.

García-Fernández, J.M, Inglés, C.J., Juan, M.V., Macià, C.G. e Viejo, C.M. (2013). Actitudes hacia la discapacidad en el ámbito educativo a través del SSCI (2000-2011): análisis temático y bibliométrico. Electronic Journal of Research in Educacional Psychology, 11(1), 139-166.

Gesser, M., Nuernberg, A.H. e Toneli, M.J.F. (2012). A contribuição do modelo social da deficiência à psicologia social. Psicologia e Sociedade, 24(3), 557-566.

Gomes, S.R. (2012). A dificuldade de aprendizagem no contexto da inclusão escolar. Dissertação de mestrado. Pontifícia Universidade Católica de Goiás, Goiânia.

Gonzalez, R.K. (2012). Educação especial e processos de encaminhamento para salas de recursos: Relações de gênero e cor/raça. Tese de doutorado. Universidade de São Paulo, São Paulo.

Jesús, D.M. (2004). Atuando em contexto: o processo de avaliação numa perspectiva inclusiva. Psicologia e Sociedade, 16(1), 37-49.

Kassar, M.C.M. e Rebelo, A.S. (2013). O "especial" na educação, o atendimento especializado e a educação especial. Em D.M. Jesus, C.R. Baptista e K.R. Caiado (Eds.), Prática pedagógica na educação especial: multiplicidade do atendimento educacional especializado (pp. 21-42). Araraquara: Junqueira e Marin.

Lopes, E. (2010). Adequação curricular: um caminho para a inclusão do aluno com deficiência intelectual. Dissertação de mestrado. Universidade Estadual de Londrina, Londrina.

Luckasson, R., Borthwick-Duffy, S., Buntinx, W.H.E., Coulter, D.L., Craig, E.M., Reeve, A., Schalock, R.I., Snell, M.E., Spitalnik, D.M.E., Spread, S. e Tassé, M.J. (2002). Mental retardation: Definition, classification, and systems of supports. Washington, DC: AAMR.

Luckasson, R., Coulter, D.L., Polloway, E.A., Reiss, S., Schalock, R.I., Snell, M.E., Spitalnik, D.M.E. e Stark, J.A. (1992). Mental retardation: Definition, classification, and systems of supports. Washington, DC: AAMR.

Marchesi, A. (2004). Os alunos com deficiência mental. Em C. Coll, A. Marchesi e J. Palacios (Orgs.), Desenvolvimento Psicológico e Educação: transtornos de desenvolvimento e necessidades educativas especiais (pp. 193-214). Porto Alegre: Artmed.

Marconi, A.I. e Graminha, S.S.V. (2003). Análise do relatório de avaliação psicológica da clientela de classe especial para deficiente mental. Paideia, 3(1), 52-66.

Organização Mundial da Saúde (1996). Classificação Estatística Internacional de Doenças e Problemas Relacionados à Saúde: CID-10 Décima revisão. São Paulo: EDUSP.

Organização Mundial da Saúde (2003). CIF: Classificação Internacional de Funcionalidade, Incapacidade e Saúde. São Paulo: EDUSP.

Organização Mundial de Saúde (2012). Relatório mundial sobre a deficiência. São Paulo: SEDPcD.

Petrechen, E.H. (2006). Inclusão escolar e atuação de professores de deficientes mentais do estado de São Paulo. Dissertação de mestrado. Universidade Federal de São Carlos, São Carlos.

Possa, L.B., Naujorks, M.I. e Rios, G.M.S. (2012). Matizes do discurso sobre avaliação na formação de professores da Educação Especial. Revista Educação Especial, 25(44), 465-482.

Santa Maria, M.R. e Linhares, M.B.M. (1999). Avaliação cognitiva assistida de crianças com indicações de dificuldades de aprendizagem escolar e deficiência mental leve. Psicologia: reflexão e crítica, 12(2), 395-417.

Santana, B.B.S. (2009). Inclusão escolar de alunos com deficiência intelectual no ensino regular: Depoimentos de professores. Dissertação de mestrado. Universidade Presbiteriana Mackenzie, São Paulo.

Schütz, M. (2006). A avaliação escolar como instrumento de mediação da aprendizagem na educação inclusiva: Desafios no cotidiano escolar. Dissertação de mestrado. Universidade do Vale do Itajaí, Itajaí.

Stelmachuk, A.C.L. e Mazzotta, M. (2012). A atuação de profissionais da educação na inclusão escolar do aluno com deficiência. Revista Educação Especial, 25(43), 185-202.

Silva, M.R., Hayashi, M.R. e Hayashi, M.C.P. (2013). Análise bibliométrica e cientométrica: desafios para especialistas que atuam no campo. InCID: Revista de Ciência da Informação e Documentação, 2(1), 110-129.

Souza, G.M.B. (2007). Avaliação inicial do aluno com deficiência mental na perspectiva inclusiva. Dissertação de mestrado. Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre.

Veltrone, A.A. (2011). Inclusão escolar do aluno com deficiência intelectual no estado de São Paulo: Identificação e caracterização. Tese de doutorado. Universidade Federal de São Carlos.

Veltrone, A.A. e Mendes, E.G. (2011a). Caracterização dos profissionais responsáveis pela identificação da deficiência intelectual em escolares. Revista Educação Especial, 24(39), 61-76.

Veltrone, A.A. e Mendes, E.G. (2011b). Descrição das propostas do Ministério da Educação na avaliação da deficiência intelectual. Paideia, 21(50), 413-421.

Veltrone, A.A. e Mendes, E.G. (2012). Impacto da mudança de nomenclatura de deficiência mental para deficiência intelectual. Educação em Perspectiva, 3(2), 359-373.




Copyright (c) 2015 REICE. Revista Iberoamericana sobre Calidad, Eficacia y Cambio en Educación

REICE. Revista Iberoamericana sobre Calidad, Eficacia y Cambio en Educación está indexada en:

Scopus, Emerging Sources Citation Index (ESCI), Google Académico, Dialnet, ISOC, Redalyc, EBSCO Fuente Académica Premier, EBSCO Fuente Académica Plus, ERIH PLUS, CIRC, DICE, GENAMICS, Latindex, MIAR, Resh, Biblioteca de la OEI, In-Recs, Iresie, REDIB, REDIAL, DOAJ, Dulcinea, EZB, BNE, GLOOBAL, REBIUN, Sudoc, WorldCat y Georgetown University Library, Copac *.