Impactos da Avaliação Externa nas Políticas de Gestão Educativa

Cristiane Machado

Resumen


Analisar a trajetória das avaliações externas e seus possíveis impactos na gestão das políticas educativas é o objetivo desse artigo. Introduz tecendo apontamentos sobre o contexto de emergência da avaliação externa e da gestão escolar. Explora a relação entre as iniciativas dos governos federal, estaduais e municipais de implementação de sistemas de avaliação externa com seus possíveis impactos na gestão das escolas. Nesse último caso, apoia-se na pesquisa nacional “Bons resultados no Ideb: Estudo exploratório de fatores explicativos”, que teve como objetivo analisar fatores da política educacional que explicariam bons resultados do Ideb de vinte municípios paulistas. Conclui-se, como resultado do estudo, que a avaliação externa veio para ficar e que há uma tendência crescente de implantação de políticas avaliativas no país com consequências que impactam cada vez mais na gestão e no cotidiano das escolas. Destaca alguns pontos que merecem cautela, como: observar se os alunos não estão sendo excessivamente submetidos a provas externas; desvelo na coleta dos dados e aplicação das provas e existência da promoção, pelos professores, do cotejamento dos resultados das avaliações externas com as avaliações internas. Ressalta que não cabe desconsiderar as avaliações externas e os resultados fornecidos por elas, mas sim de fortalecer seu papel de produzir elementos analíticos da realidade educacional e ressaltar seu potencial de ser um instrumento para a gestão escolar de construção de uma educação pública democrática e de qualidade para todos os alunos.  


Palabras clave


Calidad; Eficacia; Cambio; Mejora; Equidad; Innovación

Texto completo:

PDF (Português (Brasil))

Referencias


Alavarse, O., Bravo, M. H., Machado, C. (2012). Avaliação como diretriz das políticas educacionais dos governos federal, estaduais e municipais: o caso brasileiro. Trabalho aprovado para apresentação no III Congresso Ibero-Americano de Política e Administração da Educação. 14 a 17 de novembro, Zaragoza:Espanha.

Anderson, P. (1996). Balanço do neoliberalismo. Em Sader, E.; Gentili, P. (orgs.) Pós-neoliberalismo – as políticas sociais e o estado democrático. R.J.: Paz e Terra

Barretto, E. S. S. e Pinto, R. P. (Coord.). (2001). Avaliação na educação básica: 1990-1998. Cadernos de Pesquisa, 114, 49-88.

Bonamino, A. C. e Sousa, S. Z. (2012). Três gerações de avaliação da educação básica no Brasil: interfaces com o currículo da/na escola. Educação e Pesquisa, S.P., v. 38, n. 2, p. 373-388, abr./jun.

Bonamino, A. C. (2002). Tempos de avaliação educacional: o SAEB, seus agentes, referências e tendências. Rio de Janeiro: Quartet

Bonamino, A. C. e Bessa, N. (2004). O “estado da avaliação” nos Estados. Em Bonamino, A. C., Bessa, N., Franco, C. (Org.). Avaliação da educação básica: pesquisa e gestão. Rio de Janeiro: Editora PUC-Rio; São Paulo: Loyola, p. 65-78

Bresser Pereira, L. C. (1998). Reforma do estado para a cidadania. S.P.:Enap

Coelho, M. I. M. (2008). Vinte anos de avaliação da educação básica no Brasil: aprendizagens e desafios. Ensaio: Avaliação e Políticas Públicas em Educação, Rio de Janeiro, 16(59), 229-258, abr./jun.

Dias Sobrinho, J. (2000). Avaliação da educação superior. R.J.:Vozes

Fernandes, R. (2007). Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb). Brasília: Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), 26 p. (Série Documental. Textos para Discussão, 26)

Franco, C., Alves, F., Bonamino, A. (2007). Qualidade do ensino fundamental: políticas, suas possibilidades, seus limites. Educação & Sociedade, Campinas, 28(100), especial, 989-1014.

Freitas, D. N. T. (2007a). A avaliação da educação básica no Brasil. Campinas, SP: Autores Associados.

Freitas, D. N. T. (2007b). Avaliação e gestão democrática na regulação da educação básica brasileira: uma relação a avaliar. Educação e Sociedade, 28(99), 501-521.

Freitas, L. C. (2009). Avaliação educacional: caminhando pela contramão. Petrópolis, RJ: Vozes

Freitas, L. C. (2011). Responsabilização, meritocracia e privatização: conseguiremos escapar ao neotecnicismo. Trabalho apresentado no III Seminário de Educação Brasileira, Cedes-Unicamp, 28 fev a 01 março, Campinas.

Grupo de Avaliação e Medidas Educacionais (Game). (2011). A avaliação externa como instrumento da gestão educacional nos estados: relatório final. Belo Horizonte: Game/ Faculdade de Educação / Universidade Federal de Minas Gerais, ago.

Hobsbawm, E. (1995). Era dos extremos: o breve século XX (1.914 - 1.991). S.P.: Companhia das letras

Koetz, C. M. (2010). Atuação da equipe diretiva e avaliações em larga escala: em busca de uma gestão democrática da escola pública. Em F.O.C. Werle (org.) Avaliação em larga escala – foco na escola. Brasília: Liber Livro.

Libâneo, J. C. (2004). Organização e gestão da escola: teoria e prática. 5. ed. Goiânia: Alternativa.

Lopes, V. V. (2008). Cartografia da avaliação educacional no Brasil. Tese (Doutorado) – Faculdade de Educação, Universidade de São Paulo, São Paulo.

Moraes, C. e Alavarse, O. M. (2011). Ensino médio: possibilidades de avaliação. Educação & Sociedade, Campinas, v. 32, n. 116, p. 807-838, jul./dez.

Moreno, T. (2011). Consideraciones Éticas en la Evaluación Educativa. REICE. Revista Iberoamericana sobre Calidad, Eficacia y Cambio en Educación, 9 (2), pp. 130-144

Oliveira, R. P. (2000). Reformas educativas no Brasil na década de 90. In: Oliveira, R. P.; Catani, A. M. (Org.). Reformas educacionais em Portugal e no Brasil. Belo Horizonte: Autêntica, p. 77-94

Ovando, N. G. e Freitas, D. N. T. (2011). As iniciativas de avaliação nas redes escolares municipais. In: Freitas, D. N. T. e Real, G. C. M. (Org.). Políticas e monitoramento da qualidade do ensino fundamental: cenários municipais. Dourados, MS: Ed. UFGD, 368 p. p. 297-322

Paro, V. H. (2000). Administração escolar – introdução critica. 9. ed. S.P.: Cortez.

Pilati, O. (1994). Sistema Nacional de Avaliação da Educação Básica – SAEB. Ensaio: Avaliação e Políticas Públicas em Educação, Rio de Janeiro, v. 2, n. 1, p. 11-30, out./dez.

Sousa, S. M. Z. L. e Arcas, P. H. (2010). Implicações da avaliação em larga escala no currículo: revelações de escolas estaduais de São Paulo. Educação: Teoria e Prática, Rio Claro, v. 20, n. 35, p. 181-199, jul./dez.

Sousa, S. M. Z. L. e Lopes, V. V. (2010). Avaliação nas políticas educacionais atuais reitera desigualdades. Revista Adusp, São Paulo, p. 53-59, jan.

Sousa, S. M. Z. L. e Oliveira, R. P. (2010). Sistemas estaduais de avaliação: uso dos resultados, implicações e tendências. Cadernos de Pesquisa, v. 40, p. 793-822, set./dez.

Sousa, S. M. Z. L., Pimenta, C., Machado, C. (2011). Avaliação e gestão municipal da educação. Trabalho apresentado na VI Reunião Anual da Abave. 30 de agosto a 02 setembro 2011. Fortaleza

Souza, P. R. (1999). Formação do educador e avaliação educacional: avaliando a política educacional implementada, in: Bicudo, M. A., Silva Júnior, C. Formação do educador e avaliação educacional. S.P.:Unesp.

Vianna, H. M. (2005). Fundamentos de um programa de avaliação educacional. Brasília: Liber Livro.

Vieira, S. L. (2000). Política educacional em tempos de transição (1985/ 1995). Brasília:Plano.




Copyright (c) 2016 REICE. Revista Iberoamericana sobre Calidad, Eficacia y Cambio en Educación

REICE. Revista Iberoamericana sobre Calidad, Eficacia y Cambio en Educación está indexada en:

Scopus, Emerging Sources Citation Index (ESCI), Google Académico, Dialnet, ISOC, Redalyc, EBSCO Fuente Académica Premier, EBSCO Fuente Académica Plus, ERIH PLUS, CIRC, DICE, GENAMICS, Latindex, MIAR, Resh, Biblioteca de la OEI, In-Recs, Iresie, REDIB, REDIAL, DOAJ, Dulcinea, EZB, BNE, GLOOBAL, REBIUN, Sudoc, WorldCat y Georgetown University Library, Copac *.