QUANDO O MOVIMENTO DOS TRABALHADORES RURAIS SEM TERRA - MST - OCUPA A ESCOLA: A EDUCAÇÃO DA INFÂNCIA EM UMA ESCOLA EM MOVIMENTO // WHEN THE LANDLESS RURAL WORKERS MOVEMENT - MST – OCCUPIES THE SCHOOL: CHILDREN'S EDUCATION IN A SCHOOL IN MOTION

Deise Arenhat

Resumen


RESUMO
Este texto tem por objetivo refletir acerca de uma experiência educativa escolar que se desenvolve por meio da Pedagogia do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra do Brasil. A idéia central está em construir a compreensão do movimento social como sujeito educativo, trazendo a experiência de uma escola que se alicerça na Pedagogia do MST. A pesquisa de campo foi realizada em um assentamento coletivo do MST, valendo-se de observações e entrevistas com adultos e crianças do assentamento e setores ligados à organização do Movimento. As reflexões tecidas ao longo do texto tomam como suporte estudos críticos do campo da Educação e Sociologia, especialmente do campo da Sociologia da Infância. O estudo indica que está em movimento uma experiência de formação humana gerida pela Pedagogia de um movimento social com clara perspectiva de projeto histórico. Solidariedade, consciência de classe, participação infantil, cultivo da memória social, coletividade, valorização da cultura rural e reconhecimento do ser humano como sujeito histórico são algumas práticas observadas que expressam a presença do MST como sujeito educativo.

Palavras chave: Infância - Educação - Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra - Escola

 

ABSTRACT
This text has as an objective to reflect on an educational experience that has grown within the Pedagogy of Brazil’s Landless Rural Workers Movement- MST. The goal is to build an understanding of the social movement as an educational agent and, at the same time, to highlight the experience of a school that is based on the Pedagogy of the MST. Research was conducted in a settlement of the MST, through observations and interviews with adults and children of the settlement and associated sections in the organization of the Movement. The analysis is grounded on critical studies in the fields of Education and Sociology, in particular the Sociology of Childhood. The study indicates that to be in motion is a human formative experience born out of the Pedagogy of a social movement which attempts to become a historical project. Solidarity, class conscience, child participation, cultivating of social memory, collectivism, valuing of rural culture and a recognition of human beings as historical agents are some of the practices observed in the context under study that reflect the presence of MST as educational agent.


Keywords: Childhood - Education- Landless Rural Workers Movement - School


Texto completo:

PDF (Português (Portugal))

Referencias


Arenhart, D. (2001). Na roda da ciranda: crianças em movimento. Monografia de especialização em Educação Física Escolar. Florianópolis, CDS/UFSC.

Arenhart, D. (2007). Infância, Educação e MST: quando as crianças ocupam a cena. Chapecó: Argos.

Benjamin, W. (1985). Experiência e Pobreza. En W. Benjamin. Obras escolhidas, vol. I – Magia e técnica, arte e política: ensaios sobre literatura e história da cultura (pp. 114-119). São Paulo: Brasiliense.

Caldart, R. (2000). Escola é mais do que escola na Pedagogia do Movimento Sem Terra. Petrópolis: Vozes.

Fernandes, B.M. (1999). MST formação e territorialização. 2ª ed. São Paulo: Hucitec.

Freire, P. (1987). Pedagogia do oprimido, 17ª ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra.

Gusmão, N.M.M (2001). Projeto e Pesquisa: caminhos, procedimentos, armadilhas... En A.B.S (org.), Desafios da Pesquisa em Ciências Sociais (pp. 73-87). São Paulo: CERU (Textos Série 2 : n. 8).

Kramer, S. (1999). Infância e educação: o necessário caminho de educar contra a barbárie. En S. Kramer et al (orgs), Infância e Educação Infantil (pp. 269-280). Campinas: Papirus / Coleção prática pedagógica.

Marx, K. (1988). O Capital: crítica da economia política (vol. II), 3ª ed. São Paulo: Nova Cultural.

Morissawa, M. (2001). A história da luta pela terra e o MST. São Paulo: Expressão Popular. MST (Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra) (1999). Princípios da Educação no MST. Caderno de Educação n. 8, 3ª ed. São Paulo.

MST (2001a). Pedagogia do Movimento Sem Terra: acompanhamento às escolas. Boletim da educação, nº 8. São Paulo.

MST (2001b). Paulo Freire: um educador do povo. Veranópolis: Iterra.

MST (2003). Agenda MST 2003. São Paulo.

Santos, B. S. (2000). Crítica da razão indolente: contra o desperdício da experiência, 2. ed. São Paulo: Cortez.

Sarmento, M. (2002). Crianças: educação, culturas e cidadania activa. Projeto de pesquisa. Universidade do Minho, Portugal (mimeo).

Sarmento, M. e Pinto, M. (1997). As crianças contextos e identidades. Centro de Estudos da criança, Universidade do Minho. (Coleção Infans).

Silva, M. R. (2000). O assalto à infância no mundo amargo da cana-de-açúcar. Onde está o lazer/lúdico? O gato comeu? Tese de doutorado. Unicamp, Campinas.

Stédile, J.P. e Frei, S. (1993). A luta pela Terra no Brasil. Página aberta: São Paulo/SP.

Vendramini, C. (2000). Terra, Trabalho e Educação: experiências sócioeducativas em assentamentos do MST. Ijuí: Unijuí.


Enlaces refback

  • No hay ningún enlace refback.