CRIANÇAS, INFÂNCIAS, EDUCAÇÃO E CORPO // CHILDREN, CHILDHOOD, EDUCATION AND BODY

Márcia Buss Simão

Resumen


RESUMO
No presente artigo são desenvolvidas reflexões sobre a necessidade de compreender as crianças, e suas diferentes infâncias como categoria social e destaca uma concepção de corpo como biológico e social ao mesmo tempo, tornando possível e, necessário, um cruzamento das relações entre crianças, educação e corpo. Essas reflexões objetivam contribuir para a efetivação do estatuto de sujeitos de direitos conferidos às crianças e; contribuir com indicações para uma Pedagogia da Infância no âmbito das intervenções educativas, as quais, incidem sobretudo, sobre a dimensão corporal das crianças. Trata-se de uma investigação de reflexão teórica para qual utilizou-se, estudos de orientação histórico-cultural nas contribuições da Sociologia da Infância, da Antropologia da Criança e demais áreas que estudam a infância, buscando um cruzamento multidisciplinar na abordagem desta relação corpo, infância e educação. 

PALAVRAS CHAVE: Infância - Criança - Corpo - Educação

 

ABSTRACT

This article presents some thoughts on the need to understand children, and their varied childhoods, as a social category and highlights a conception of the body as biologic and social at the same time, making possible and necessary the comparison of the relations between children, education and body. These reflections aim to be a contribution to constituting individuals with rights; providing ideas for a Childhood Pedagogy in the context of educational interventions, which affect mainly children’s corporal dimension. The article is a theoretical review, applying historical-cultural oriented studies with contributions from Childhood Sociology, Child Anthropology and other areas studying childhood. It aims for a multi-disciplinary perspective to approach of this relation between body, childhood and education.


KEYWORDS: Children - Childhood -Body - Education


Texto completo:

PDF (Português (Portugal))

Referencias


Ariès, P. (1981). História Social da Criança e da família. Rio de Janeiro: LTC.

Assmann, S. J. (2001). O direito à vida ameaçado. Revista Motrivivência: Educação Física, Corpo e Sociedade (II), 12 (16), 17-33.

Boltanski, L. (1989). As classes sociais e o corpo, 3a edição. Rio de Janeiro: Biblioteca de saúde e sociedade/Graal.

Charlot, B. (1986). A idéia de infância. In B. Charlot, A mistificação pedagógica, 2a Edição (pp. 99-149). Rio de Janeiro: Zahar.

Clastres, P. (1978). A sociedade contra o estado: Pesquisas de antropología política. Rio de Janeiro: F. Alves.

Cohn, C. (2005). Antropologia da criança. São Paulo: Jorge Zahar.

Cohn, C. (2002). A criança, o aprendizado e a socialização na antropologia. In A. Silva, A. Macedo e Â. Nunes (eds), Crianças Indígenas: Ensaios antropológicos (pp. 213-235). São Paulo: Global.

Daolio, J. (1995). Da cultura do corpo. Campinas/São Paulo: Papirus.

Daolio, J. (2004). Educação física e o conceito de cultura. Campinas/SP: Autores Associados.

Delalande, J. (2003) Culture enfantine et régles de vie. Terrain, 40, 99-114.

Elias, N. (1994). O processo civilizador: uma história dos costumes, 2a ed. Rio de Janeiro: Ed. Jorge Zahar.

Gagnebin, J. M. (1997). Sete aulas sobre: linguagem, memória e história. Rio de Janeiro: Imago editora.

Ghedini, P. (1994). Entre a experiência e os novos projetos: a situação da creche na Itália. In F. Rosemberg e M.M. Campos (eds.), Creches e préescolas no hemisfério norte (pp. 189-210). São Paulo: Cortez.

Gimeno Sacristán, J. (2005). O aluno como invenção. Porto Alegre: Artmed.

Gobbi, M. (1997). Lápis vermelho é coisa de mulherzinha: desenho infantil, relações de gênero e educação infantil. Dissertação, Mestrado em Educação. Campinas, SP: Universidade de Campinas.

James, A; Jenks, C. e Prout, A. (2000). O corpo e a infância. In W.O. Kohan e D. Kennedy (eds.), Filosofia e Infância: Possibilidades de um encontro, 2ª Edição (pp. 207-238). Petrópolis: Ed. Vozes.

Javeau, C. (2005). Criança, infância(s), crianças: que objetivo dar a uma ciência social da infância? Revista Educação e Sociedade, 26 (91), 379-389.

Jenks, C. (2002). Constituindo a criança. Revista Educação Sociedade e Culturas, 17, 185-216.

Louro, G. L. (2000). Corpo, escola e identidade. Educação e Realidade, 25 (2), 59-76.

Löwy, M. (2003). Ideologias e ciências sociais: Elementos para uma análise marxista, 16 ed. São Paulo: Cortez.

Milstein, D. e H. Mendes (1999). La escuela en el cuerpo: estudios sobre el orden escolar y la construcción social de los alumnos en escuelas primarias. Madrid: Miño y Dávila editores.

Montandon, C. (2001). Sociologia da infância: balanço dos trabalhos em língua inglesa. Cadernos de Pesquisa: Fundação Carlos Chagas, 112, 33-60.

Narodowski, M. (2001). Infância e poder: Conformação da pedagogía moderna. Bragança Paulista: Editora da Universidade São Francisco.

Platão. (2004). A República (diálogos III). São Paulo: Ed. Nova Cultural.

Prout, A. (2004). Reconsiderar a Nova Sociologia da Infância: Para um estudo interdisciplinar das crianças. Ciclo de conferências em Sociologia da Infância 2003/2004. Disponível: http:/www.iec.uminho.pt/ModuleLeft.aspx?mdl=~/Modules/UMEventos/EventoView.ascx&ItemID=128&Mid=37〈=pt-T&pageid=25&tabid=11 (Acesso em 3/3/2005).

Rocha, E. A. C. (1999). A pesquisa em educação infantil no Brasil: Trajetória recente e perspectiva de consolidação de uma pedagogia. Florianópolis: UFSC, Centro de Ciências da Educação, Núcleo de Publicações.

Rocha, H. H. P. (2000). Prescrevendo regras de bem viver: cultura escolar e racionalidade científica. Cadernos Cedes, 20 (52), 1-19.

Rosemberg, F. (1976). Educação: para quem?. Ciência e Cultura, 28 (12),1467-1470.

Sarmento, M e Pinto, M. (1997). As crianças e a infância: definindo conceitos e delimitando o campo. In M. Sarmento e M. Pinto. As crianças: Contextos e Identidades (pp. 9-30). Braga: Centro de Estudos da Criança, Universidade do Minho.

Sayão, D. T. (1996). Educação física na pré-escola: Da especialização disciplinar à possibilidade de trabalho pedagógico integrado. Dissertação, Mestrado em Educação. Universidade Federal de Santa Catarina.

Sayão, D. T. (2002). Corpo e movimento: Notas para problematizar algunas questões relacionadas à educação infantil e à educação física. Revista Brasileira de Ciências do Esporte, 23 (2), 55-67.

Sayão, D. T. (2003a). Pequenos homens, pequenas mulheres? Meninos, meninas? Algumas questões para pensar as relações entre gênero e infância. Revista Pro-Posições, 14 (3), 67-87.

Sayão, D. T. (2003b). Corpo, poder e dominação: Um diálogo com Michelle Perrot e Pierre Bourdieu. Perspectiva: Revista do Centro de Ciências da Educação, 21 (1),121-149.

Sayão, D. T. (2005). Relações de gênero e trabalho docente na Educação Infantil: Um estudo de professores em creche. Tese de Doutorado, PPGE/UFSC. Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis.

Schildkrout, E. (1978). Age and gender in Hausa society: Socio-economic roles of children in urban Kano. In J. S. La Fontaine (ed.), Sex and age as principles of Social differentiation (pp. 109-137). London: Academic Press.

Silva, A. M. (1999). O corpo do mundo: Reflexões acerca da expectativa de corpo na Modernidade. Tese de Doutorado, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis.

Soares, C. L. (1998). Imagens da educação no corpo: Estudo a partir da ginástica francesa no século XIX. Campinas, SP: Autores associados.

Soares, C. L. (2001). Corpo, conhecimento e educação. In C. L. Soares (org.), Corpo e história (pp. 110-129). Campinas, São Paulo: Autores Associados.

Soares, N. F. (1997). Direitos da criança: utopia ou realidade? In M. Sarmento e M. Pinto (eds.), As crianças: Contextos e identidades (pp. 77-111). Braga, Portugal: Centro de Estudos da Criança, Universidade do Minho.

Souza, S. J. e Pereira, R. M. R. (1998). Infância, conhecimento e contemporaneidade. In Reunião Anual da Anped, 21. Trabalho não publicado, Disponível em: http://www.ced.ufsc.br/%7Enee0a6/anped.html (Acesso em 17/2/2006).

Tomás, C. e Soares, N. F. (2004). Infância, protagonismo e cidadania: Contributos para uma análise sociológica da cidadania da infância. Fórum sociológico, 11/12, 349-361.

Toren, C. (1993). Making history: The significance of childhood cognition for a comparative anthrolology of mind. Man, 28, 461-478.

Vigarello, G. (2003). A história e os modelos do corpo. Revista Pro-Posições, 14 (2), 21- 29.


Enlaces refback

  • No hay ningún enlace refback.